Pular para o conteúdo principal

Sobre Lidar com Frustrações - About Dealing With Frustrations

Estou neste momento re-editando os textos do blog e me deparei com este texto, escrito por euzinha há cinco anos... aquela Juliana não existe mais. Muitas rugas   Muitas coisas mudaram e penso se faria o mesmo hoje. Vamos ler e refletir juntos?

***

Lidar com frustações na vida não é nada fácil e promover esta competência nos nossos filhos pode ser mais cruel ainda. Ah! Como é cruel!!

Dias atrás, compartilhei um fato que ocorreu nesta minha jovem trajetória da maternidade de dois garotinhos super inteligentes e cheios de vida. Há um ano, sou Mãe do Coração de Tom e Jobim (Apelidos fictícios para preservar a privacidade da família, preferi este a Chitãozinho e Xororó uai).

Eu estava no Brasil, em uma festa de aniversário de uma prima e o bolo era daqueles bem típicos, retangulares com cobertura de chocolate granulado e aquelas exatas cinco cerejas adornando cada canto e o centro. Meu filho de cinco anos, após cantarmos os "Parabéns", me pediu um pedaço do bolo com cereja, e eu, disse:

_"Meu filho, o pedaço do bolo pode vir com ou sem a cereja, tudo bem?" .

Alguns minutos depois, meu sobrinho da mesma idade praticamente, pediu o mesmo e minha irmã deu o pedaço de bolo com cereja.


Naquele momento, era como se Freud e o Super-Ego estivessem com aquela musiquinha do Hitchcock nas minhas costas. Me senti a pior mãe do mundo... Bom, o jeito foi correr até minha terapeuta e fazer uma consulta. Eu me senti muito mal mesmo, afinal, não aprendemos a ser mãe de um dia para o outro. Nehhh?

Quando contei o ocorrido, ela, minha experiente psicóloga, disse:

_" Calma, você está ensinando seus filhos a lidarem com as frustrações, pois na vida, nem sempre o pedaço de bolo vem com a cereja..."


Aquelas palavras me fizeram esquecer a sugestão acima deram mais confiança! Não é nada fácil dizer não aos filhos, principalmente quando já foram privados de tantos mimos, mas tenho que enxergar mais longe que isso. Mais longe... Os mimos existem sim, muito amor e carinho também, mas promover habilidades necessárias para a vida é um ato de amor!

Achei legal poder compartilhar com meus amigos que também exercem a função de educar seus filhos para a vida e também com aqueles que como eu, desejam muito acertar. Aliás, faço isto pensando em minhas próprias experiências pessoais onde tenho que lidar com algumas frustrações e a que mais me marcou (a qual tive que tirar forças apenas dentro de mim), foi quando descobri que seria difícil gerar biológicamente meus filhos.

Anos de superação e agora, a felicidade em gerar meus filhos, em uma lugar diferente do útero, tão nobre quanto e notoriamente conhecido por abrigar o amor: o coração.

***
Penso que hoje me coçaria para poder dar o pedaço do bolo com a cereja e pensaria (Claro!!), mas o meu ser samaritano ainda pensa nos outros e faz continhas de quantas cerejas tem e quantas cabecinhas e boquinhas nervosas gostariam da mesma cereja e logo penso... deixa a sorte decidir quem ficará com cereja e "bora" saber lidar com a frustração meu filho, que isso só vai te tornar mais forte.



In English   

I am currently re-editing the blog’s texts and lively little boys. A year ago, I was the Mother of the Heart of Tom and Jobim (Fictional nicknames to preserve family privacy, I preferred this one to Chitãozinho and Xororó uai).


At a cousin's birthday party, I was in Brazil, and the cake was one of those very typical, rectangular ones covered with granulated chocolate and those exact five cherries adorning each corner and center. My five-year-old son, after singing "Congratulations,” asked me for a piece of the cherry cake, and I said:


_ "My son, the piece of the cake can come with or without the cherry, okay?".


A few minutes later, my nephew of the same age practically asked for the same, and my sister gave the piece of cake with cherry.



At that moment, it was as if Freud and the Super-Ego had that little Hitchcock song on my back. I felt like the worst mother in the world... Well, the way was to run over to my therapist and make an appointment. I felt horrible, after all, we didn't learn to be a mother overnight. Neh,?


When I told her what happened, she, my counselor, said:


_ "Calm down, you are teaching your children to deal with frustrations, because in life, the piece of cake does not always come with the cherry ..."



Those words made me forget the suggestion above gave me more confidence! It is not easy to say no to the children, especially when they have been deprived of so many treats, but I have to look further than that. Further away, Pampering exists, a lot of love and affection, but promoting necessary life skills is an act of love!


I thought it was cool to share with my friends who also exercise the function of educating their children for life and those who, like me, really want to get it right. I do this thinking about my own experiences where I have to deal with some frustrations. The one that marked me the most (which I had to draw strength from just inside me) was when I discovered that it would be challenging to generate my children biologically.


Years of overcoming and now, the happiness of generating my children, in a place other than the womb, as noble as and notoriously known for harboring love: the heart.


***

I think today it would scratch me to be able to give the piece of the cake with the cherry, and I would think (Of course !!), but my Samaritan still thinking of others and keeps track of how many cherries he has and how many little heads and nipples they would like to eat. The same cherry and soon I think ... let luck decide who will have cherry and "let" know how to deal with frustration, my son, that this will only make you stronger.
















Comentários

  1. Adorei esse "episodio" !!!! Isso faz parte do nosso papel de mae.. e fazendo assim, vc so vai preparar melhor seus filhos, que serao mais maduros, mais compreensivos, ... pode ter certeza que tomou a atitude certa!!! beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha