Pular para o conteúdo principal

Vou fazer um blog!

Como você pode perceber no arquivo, iniciei este blog em 2009 mas este nunca foi publicado.

Resolvi deixar alguns dos posts antigos que escrevi quando nos mudamos para Oslo, na Noruega. Não consegui removê-los devido ao grande carinho que tenho pelos desafios que tive que superar logo que mudei de país pela primeira vez. Talvez seja este o motivo pelo qual tenho um amor enorme por aquela "Terra Gelada".

Resovi reativar meu antigo e jamais publicado blog que se chamava SIMPLY LIFE, para Contos de uma Mãe Pandora pelo explícito motivo que minha vida mudou exatamente de um dia para o outro quando resolvemos passar de "apenas um casal latino americano" para uma família com quatro integrantes. Queria muito um manual, um guia que me ensinasse a ser mãe, mas claro, percebi que isto não existe e que muito esforço, riso, choro, troca de experiência, leitura e informação, são as melhores fórmulas para te ajudar a encontrar o seu próprio caminho, que para cada caso, pode ser diferente.

Assim, morando em países como a Noruega e agora, na Suíça, pecebi o quanto sinto falta de ficar horas na Livraria Cultura do Shopping Vila Lobos em São Paulo ou na Saraiva do Iguatemi em Campinas... Não que seja impossível encontrar boa literatura estrangeira, mas nada como dominar inteiramente a língua Portuguesa (pelo menos), já que seu sentimento materno é de que
você não domina nada. Incrível isso, era como se tivesse picotado meu diploma em pequenos pedacinhos... :/

Foi assim que a idéia do blog " Contos de uma Mãe Pandora" surgiu em 2011.

Muitas dúvidas, muitas trocas de idéias, muitos erros e acertos que acredito serem fundamentais partilhar com outros pais e/ou educadores. Somos humanos, temos angústias, alegrias e não podemos nos cobrar como "Mulheres Maravilhas" e invencíveis o tempo todo.

"Bora" Blogar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha