Pular para o conteúdo principal

Cinco da Matina

Cinco da matina e eu aqui escrevendo... Ah! Se esta é a única hora do dia em que consigo escrever? Que nada, o nome disso é insônia.

Desde que meus filhos chegaram nunca mais tive uma noite inteira de plena sono... :( Sem exageros acho que as mães são muito instinto mesmo, qualquer barulhinho nos deixam em estado de alerta.

Agora mesmo só estou acordada pois o maridão está a trabalho na Malásia, eu estou aqui como uma leoa guardando meus dois príncipes em casa e Jobim, o mais novo de quatro anos sempre acorda no meio da noite para fazer xixi no banheiro e daí, batata!! Não durmo mais...

Ontem à noite, ri muito contando via Skype pra uma grande amiga no Brasil, a última de Tom. Aliás, a idéia do blog é fantástica para perpetuar estas gafes fofas que as crianças nos presenteiam diariamente. Foi assim...
Recentemente meu querido tio Julinho partiu e deixou muitas lembranças em nossos corações. Inclusive, meus filhos adoravam encontrar com ele, que para conquistar os novos sobrinhos-netos sempre se auto-denominava "tio barrigudão" e fazia de tudo para agradá-los. Ele possuia o mesmo nome de meu avô Júlio e eu me chamo Juliana em homenagem a ele também, mas vamos ao que interessa:

Como vão perceber em alguns posts do Blog, quando se faz uma adoção tardia como no meu caso, além de todo o processo de educação de uma criança você precisa muitas vezes fazer uma espécie de doutrinação, re-ajustando e re-organizando os hábitos diários que trazem consigo para uma nova vida em família.

Então, liguei para meu avô no Brasil, mas antes conversei com meus filhos.

Vejam o diálogo:

"Olhem, agora nos vamos falar com o vovô Júlio lá no Brasil. Sejam gentis e perguntem como ele está, como está a fazenda (na verdade sempre chamamos por roça), as vaquinhas, o cavalo que tem por nome Yahoo, enfim"... bizavô merece um super tratamento né?

Tom logo me disse:

- "Ah! Já sei quem é o vovô Júlio, é aquele gordão!?"

Mãe moralista responde:

-Não Tom, aquele era o tio Julinho e a mamãe não acha legal chamá-lo assim, ok? O tio Julinho está com o Papai do Céu agora. Nõs vamos falar com o vovô Júlio.

O telefone toca...

Meu avô mais lindo do mundo atende:
-Alô?

Tom sem titubear pergunta na maior gentileza:

-Oi vovô Júlio! Tudo bem? Vovô, você está no céu?

kkkkkkkkk, ri horrores por dentro, mas logo falei antes que meu avô percebesse: - "Roça, ele quis dizer roça vô"...

Claro, depois que desligamos o telefone rimos muito juntos, só não sei se ele entendeu o motivo...

Engraçado como algumas coisas são tão claras para os adultos e esquecemos deste mundinho de fantasias que nossos filhos ficam mergulhados. Que fase boa, quanto trabalho e insônia nestes últimos quinze meses que estamos juntos, mas vale muito a pena acordá-los todos os dias dizendo "Bonjour" e poder contar estas coisas engraçadas que recompensam cada esforço.

Vamos lá, sexta-feira, dia de ser feliz, claro!!

P.S. Este texto é carinhosamente dedicado ao meu querido tio Julinho, que sempre é lembrado por todos com muito respeito, amor e saudades. Valeu Tio! Por tudo e principalmente pelo carinho comigo e minha família durante todos os momentos em que tivemos juntos! Mãe Pandora

Comentários

  1. è Ju, sei bem o que é isso... há dois anos não tenho uma noite inteira de sono! pra falar a verdade, dois anos e meio! reealmente ficamos alertas 24 hs por dia. Essas gafes, vc bem disse, são presentes diarios que recebemos! tanta inocencia sempre me comove e encanta! queria ter essa sua mesma disposição pra contá-las ou mesmo registrá-las! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Re, guardo comigo muita coisa que aprendi com você!!! Obrigada por estar sempre presente!! Bj

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha