Pular para o conteúdo principal

Crianças que mudam de país...

Fim de tarde, fomos buscar papai no trabalho. Ele estava acompanhado com um amigo brasileiro que estava a trabalho por aqui e então, papai o chamou para comer uma deliciosa Raclette (prato típico suíço com queijo derretido e iguarias) em casa... hummmmmm!!! Engordei só de pensar, mas também deu "água na boca".


No carro, Tom e Jobim começam a conversar com ele:


_Oi, você vai na nossa casa? 


_Sim, quero conhecer a casa de vocês aqui...


_Ahhh, D'accord! A gente peut jouer com nosso château et aussi com le bateau du pirate!
_ OK! (SAP: Ok, a gente pode brincar com nosso castelo e também com o barco do pirata!)


... nosso convidado olha pra gente e pergunta: _ Mas o que foi que eles disseram? (risos)


Como apenas falamos português em casa, a tendência é não perdê-lo, mas as confusões acontecem aos montes quando se começa a pensar em outra língua. 



Pais expatriados, mudança de país... Nossa, quantas mães por este mundão afora vivem este dilema. Por um lado, muitas experiências, mas por outro, muito trabalho pela frente. 


E meus filhos, tão pequenos, já moraram em três países diferentes, incluindo o Brasil, claro!
Como os meus, existem milhares de outros enfrentando as mesmas dificuldades que sendo bem prática poderia dizer: "Quanto menores as crianças, menores os problemas e quanto maiores as crianças, maiores  serão os problemas".  Salvo exceções!


Se nós, adultos, sentimos as mudanças, imaginem os pequenos. Tudo é diferente! Língua, clima, paisagem, pessoas, hábitos, fuso horário... A adaptação leva um tempinho até acontecer.


Mas existem diversas formas de prepararmos nossos filhos para estas mudanças e eu quero compartilhar com você o que fizemos com os nossos:


Primeiro Estágio: Noruega


Bom, eu e meu marido já morávamos lá, então preparamos nossos filhos para uma realidade já conhecida por nós. O que fizemos?


  1. Minha primeira preocupação foi com a Autonomia dos nossos filhos. Como eu trabalhava em uma escola internacional em Oslo, percebi o quanto as crianças eram independentes desde pequenas;
  2. Takk!!Outra preocupação foi a expressão verbal e física, ou seja, ensinar palavras comuns em norueguês, para que pudessem pedir, agradecer e até mesmo, gestos básicos para que pudessem se expressar de alguma forma;
  3. Hábitos: Atitudes comuns como tirar os sapatos ao entrar em uma casa, na escola, colocar gorro e luvas para sair para brincar no quintal, coisas que não somos acostumados a fazer no Brasil e que temos que aprender para sobreviver em outros lugares...  


Estes foram os passos iniciais, mas para uma real adaptação leva um tempo bem mais longo, principalmente  quando os pais são, ambos, de uma mesma cultura. Afinal, dentro de casa ainda mantemos hábitos próprios de nossa cultura em comum. No meu caso, tivemos ajuda de muita gente. Pra se ter uma idéia, fomos mais que bem recebidos quando chegamos com nossos filhos por lá. Foi festa desde o aeroporto até pisarmos em casa. 



Segundo e Atual Estágio: Suíça


Bandeirinhas, palavras em Francês, vaquinhas, expressões... A palavra Suíça começava então a substituir a palavra Noruega. Um super confusão no início, tadinhos, mas vamos lá!


Pra iniciarmos a conversa sobre uma mudança de país com nossos filhos, além das fotos do local via Internet utilizamos um livro de uma amiga carioca, que mora láááááááá na Terra dos Vikings, a Maria Ribeiro. Ela escreveu este livro infanto-juvenil que é uma graça e ilustra bem o cenário de uma família que vai mudar de país. 


Dúvidas, preocupações e ansiedades trabalhadas de uma forma lúdica e interessante. Eu tenho o meu exemplar e autografado pela autora!!!


Aqui vai a dica:


Livro: Ana e o Norueguês
Autora: Maria Ribeiro
Editora: Multi Foco






Muito bom!!!


Go, Diego Go!!!
Meus cartoons infantis preferidos são estes. São educativos, animados e interativos. Adoro!!!
E quando o assunto é a aquisição de uma nova língua, é muito importante que a TV, os DVDs sejam na língua local. Desde que chegamos aqui na Suiça fomos nos familiarizando com os sons dos desenhos animados na TV e acreditem, aprendemos muito com eles.



Espero que tenham gostado das dicas!! Bisous, 

 Pandora Fã n.º 1 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha