Pular para o conteúdo principal

Escola Pública Suíça

Decidimos matricular nossos filhos em escolas públicas ou escolas locais (como são chamadas) para realmente nos integrarmos à cultura do país em que vivemos atualmente. Pensamos nisso pois trabalhei em uma escola internacional em Oslo e desta forma convivi com o multi-culturalismo, mas não conheci a verdadeira cultura educacional norueguesa, a qual admiro.

O resultado disso tem nos surpreendido e também tomado o tempo integral da mãe. Aqui em Montreux, meu filho mais velho estuda nos seguintes horários:

Das 08h35 a.m. às 11h15 a.m. Todas as manhãs.

Das 14h10 p.m. até 15h45 p.m. Três tardes por semana.

Uma loucura né? Mas o trajeto até a escola é lindo, então acaba compensando a correria.

A escola é pública e muito bem organizada em todos os aspectos.

Meu filho mais velho, o Tom, apresenta algumas dificuldades de socialização devido ao seu histórico de vida anterior, então  conto com o auxílio direto das professoras e temos trabalhado juntas e incansavelmente para ajudá-lo. Inclusive me ofereci para ajudá-las voluntariamente duas vezes por semana na alfabetização de outras crianças. Desta forma, fico mais próxima dele e o ajudo a ter mais segurança. Me sinto bem nesta posição por ser minha área de trabalho e também por poder entender a cultura e ajudar meu filho indiretamente. Infelizmente o voluntariado não foi possível.

Enquanto isso, meu filho mais novo, o Jobim, se diverte em uma garderie ao lado, uma espécie de creche para crianças que ainda não estão em idade escolar ou aquelas como nosso caso, onde a criança completa quatro anos em agosto.

Postarei mais destas experiências escolares em breve!! Até mais!

Comentários

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha