sábado, 10 de setembro de 2011

Fertilização in Vitro e Inseminação Artificial, em Português

Olá Pandoras Virtuais, 


Recebi um e-mail de uma pessoa querendo saber o porquê optamos pela Adoção e também sugerindo um post em Português sobre Inseminação Artificial e Fertilização in Vitro, já que o que postei em 2009 está em Inglês. Achei justo! 


Então, senta que lá vem história...


Bom, pra começar, escrever este texto foi difícil, pois me senti no porão de casa remexendo caixas antigas de arquivos empoeirados. Sério! Não faz tanto tempo assim, mas ultimamente parece que a vida tem tanta informação que sinto como se esta história pertencesse a outro século... e foi, né? Mas isso não vem ao caso. 


O fato é que esta história começa no ano de 1999, em Minas Gerais. E como a maioria das pessoas, eu também vivi muitas situações de extrema alegria, outras que posso encarar de uma forma positiva, outras sinto que são um pouco mais tristes e outras que me orgulharam ou me aborreceram um pouco mais. O importante é saber que todas elas foram necessárias para que eu pudesse amadurecer e ter a certeza que algumas destas situações, me encaminharam para uma escolha futura. 


Se você está lendo isso, provavelmente já sentiu algo parecido! É por isso que eu estou escrevendo este texto, para compartilhar fatos não muito agradáveis, mas que talvez possam ajudar outras pessoas que estejam passando por algo parecido. Foi muito difícil para mim, mas no final, fez-me mais forte! E hoje... tudo passou!!!

Quando eu tinha 24 anos eu descobri que eu tinha Endometriose. Lembro-me que eu nunca tinha escutado sobre isso. Isso aconteceu exatamente há doze anos atrás. Foi também nesta época que senti pela primeira vez que gostaria de adotar uma criança um dia.

Desde desta data, eu tive que fazer mais cinco cirurgias, a última em Oslo, onde eu morava e daqui um mês farei mais uma aqui na Suíça. 



E você pode estar se perguntando... 


Para que tantas cirurgias? 


Pois é, a Endometriose é uma doença progressiva e dependendo do seu grau de intensidade (que para cada mulher é diferente), você precisa de tratamentos que ajudem a mante-la sob controle, tudo isso acompanhado sempre por um médico. No meu caso os médicos já me receitaram vários tipos de tratamentos, como Implantes, Anticonceptivo contínuo e agora, por um tempo tenho feito uso de um, indicado pelo meu ginecologista aqui na Suíça, chamado Visanne, um medicamento próprio para Endometriose do laboratório Bayer.

A idéia da adoção sempre foi forte, mas esta decisão não envolvia somente a mim. Então, em 2006, eu e meu marido procuramos um médico especializado em Fertilização in Vitro e/ou Inseminação Artificial em São Paulo.

No final deste mesmo ano, eu fiz a minha primeira I.V.F. Foi estranho ter que aplicar injeções na minha barriga, todos os dias, e às vezes, duas vezes por dia. Mas, claro! Você se acostuma. Fui aos poucos me percebendo mais gordinha, mas, nesse período eu não me importei, porque eu queria muito ter um filho de qualquer maneira! E a culpa não pode ser dada somente aos hormônios não... já vi muita gente fazendo os tratamentos e continuando magrinha... Cada caso é um caso.

Eu fiquei grávida na primeira tentativa!! Foi uma alegria enorme quando recebi o resultado do exame de sangue, mas ao falar com meu médico ele jogou um enorme balde de água fria. Ainda era cedo para comemorar. 



Quando estava com sete semanas, o coração do embrião parou. Um choque! Você até pode saber dos riscos que todo início de gravidez possui, mas nunca se sente preparada pra ouvir esta notícia. Eu tive um aborto retido, como chamam. Refere-se a um aborto espontâneo em que apenas parte do embrião é expulso do corpo da mãe e no meu caso, tive que fazer uma curetagem.


Eita sentimento ruim, viu? Chorei, chorei muito! A dor é mais emocional que físical! Chorar sim, por que não? Digo isso, porque quando aconteceu comigo na primeira vez, eu não chorei como se eu gostaria realmente. Eu achei que deveria ser forte! PURA Bobagem! 


Mas as surpresas ainda estariam por vir! Após uma semana da curetagem, meu médico viu no Ultra-Sound que haviam alguns restos do embrião dentro do útero e devido a isso, eu teria que fazer outra curetagem, em apenas onze dias de intervalo.

Nesse período da minha vida, a Pandora "grão de areia" (pra não dizer outra coisa), surgiu. Eu me senti muito mal, me senti ninguém. Logo corri atrás de ajuda profissional. Comecei a fazer terapia com uma excelente psicóloga, a qual recorro até hoje. Iniciei também a prática de exercícios físicos e esta fusão foi fundamental para superar esse fato. Cuidava da mente e do corpo, incansavelmente.

Durante esse ano (2007), devido às curetagens realizadas tão próximas uma da outra, tive uma Sinéquia Uterina, o que me levou  submeter-me a outra cirurgia para sanar o problema. No final deste mesmo ano, decidimos fazer outra I.V.F, mas nesta época estávamos morando em Blumenau e por causa do tratamento, fiquei na minha cidade natal que fica próxima a São Paulo. Fiquei por lá até que minha segunda gestação chegasse a três meses.

Mas...Já no primeiro Ultra Sound os médicos olharam para a tela e ficaram em silêncio. Nesse momento, eu e marido olhamos um ao outro e sem que falássemos uma palavra, já sabíamos o que estava acontecendo. O coração do embrião não tinha parado, mas estava bem fraquinho.

Então, infelizmente eu tive que aguardar por três semanas, um pequeno coraçãozinho parar de bater. Acho que esta foi a pior parte desta história. Foi muito triste ... Mas, eu me senti mais forte naquele momento devido à terapia. Eu sofri muito, mas estava me sentindo muito mais forte que a primeira vez.

Bom, depois disso resolvemos entrar para a Lista Nacional de Adoção no Brasil e logo depois nos mudamos para Oslo, na Noruega. Estávamos decididos a adotar e parar com os tratamentos, mas a vida se encarrega de nos surpreender. 



Lá na Terra dos Vikings...


Por causa de minha Endometriose, fui a uma médica Irlandesa em Drammen, na Noruega, que logo viu que era necessário operar novamente. Assim o fiz e foi por esta cirurgia que fui encaminhada para o Setor de Reprodução Humana do hospital Rikshospitalen, em Oslo. 


Neste setor, encontrei um médico norueguês que me perguntou: _"Você quer ser mãe"? Nem preciso dizer minha resposta, né? 


Tudo G-R-A-T-U-I-T-O. Fiz três tentativas de Inseminação Artificial e estava certa de que seria mãe. E agora sou mesmo!! Pois enquanto fazia estas tentativas, já lutávamos por estes que são nossos filhos agora. 


Os tratamentos não deram certo, nem cheguei a ficar grávida, mas agora sei bem o motivo. Digo verdadeiramente que sou tão realizada hoje que penso que se tivesse tomado a decisão de adotarmos antes, talvez não precisássemos passar por tantos momentos difíceis. Mas jamais diria isso. 


Acredito que temos que nos arrepender pelo o que fizemos, a ficar pensando "se" eu tivesse feito, "se" eu tivesse tentado...


Tudo valeu a pena!!


Me orgulho de cada pedaço de minha história e me me orgulho mais ainda por ter ao meu lado um grande companheiro que passou cada pedacinho comigo, sempre me apoiando e cuidando. E estes momentos difíceis fortalecem muito uma relação que já é sólida. Me orgulho de ser Mãe do Coração de dois meninos lindos e que nos trazem tantas alegrias. 


Dois meses depois da última tentativa de Inseminação Artificial, estávamos em uma avião rumo ao Brasil em busca de realizarmos nosso maior Projeto de vida. A paternidade e a maternidade do Coração. 


E como diria meu mais belo amigo de cabeceira, Antoine de Saint-Exupéry, nas doces páginas do livro "O Pequeno Príncipe":

"Às vezes penso: "Certamente que não! O principezinho guarda sua flor todas as noites na redoma de vidro e vigia atentamente seu carneiro..." Então, eu me sinto feliz. E todas as estrelas riem docemente. Ou penso: "Às vezes a gente se distrai e isto basta! Uma noite ele esqueceu de colocar a redoma de vidro ou o carneiro saiu de mansinho, no meio da noite, sem que fosse notado..."E todos os guizos então se transformam em lágrimas!...
Eis aí um grande mistério. Para vocês, que também amam o pequeno príncipe, como para mim, todo o Universo fica diferente, se em algum lugar, que não sabemos onde, um carneiro, que não conhecemos, comeu ou não uma rosa...Olhem o céu. Perguntem a si mesmos: O carneiro terá ou não comido a flor? E verão como tudo fica diferente... E nenhuma pessoa grande jamais entenderá que isso possa ter tanta importância! "


Respeito muito as histórias alheias. Cada pessoa sabe onde suas feridas doem e isso não podemos desrespeitar. Não somos melhores, nem piores que ninguém. apenas possuímos histórias diferentes para contar e para ouvir... 



Bisous, Pandora do Porão

8 comentários:

  1. Adorei sua história de determinação no Minha Mãe que disse! Me arrepiei o tempo inteiro!
    Parabéns! Beijos enormes!

    ResponderExcluir
  2. Olá "MinhaMaria", obrigada!! Volte sempre, beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Juliana você realmente é uma pessoa de luz,iluminada e que veio a esse mundo com uma missão,cuidar desses dois irmãos,esses dois que te escolheram como mãe,porque tenho certeza que foi isso que aconteceu,eles foram "abandonados" só para te acharem,que meninos mais sortudos viu?
    Coisa linda o seu relato hoje no MMqD,me emocinou muito!
    Felicidades pra vcs!
    Beijos
    Kaka

    ResponderExcluir
  4. Na verdade Kaka, foi seu comentário lá e aqui que me deixaram muito emocionadas. Muito obrigada pelas palavras delicadas e pelo carinho! Um grande beijo, Ju

    ResponderExcluir
  5. Oi!

    Te conheci pelo MMqD, achei linda a sua história.
    Empolgante, transparente, otimista mas realista.

    Que bom que está feliz e com os teus filhos.

    Aproveite cada dia dessa fantástica maternidade.

    Beijos,
    Dani.

    ResponderExcluir
  6. Oi Dani, obrigada pelas palavras!! Tenha certeza, aproveitar a maternidade é o que tenho fito de melhor atualmente!! Um beijo grande, Ju

    ResponderExcluir
  7. A cada post que eu leio me emociono mais, estou aqui chorando. O seu blog tem se tornado minha leitura preferida, cada historia que vc conta é mais linda que a outra, toca o coração de verdade, sempre tive esse sentimento de adoção e estou cada dia mais apaixonada pela ideia. Parabéns você é muito guerreira, merece muito essa família linda que vc tem. Foi feita sobre medida para vc...

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!