Pular para o conteúdo principal

Mãe de Menino.


Semana passada estávamos na casa de uma amiga que também é mãe de menino e nossos filhos correram para o quarto onde haviam brinquedos (mais que legais) espalhados. De repente chegou mais um pra turminha, mas desta vez era uma menina!

Enquanto as mamães estavam sentadas (momento raro) tomando um cafézinho, esta garotinha corria até nós e dizia:

 _"Eles estão brigando!" Então, eu corria até o quarto e ... nada. Estava tudo bem.

Passavam dez minutos, lá vinha ela novamente:

 _"Eles estão brigando!"

Foi quando a mamãe dela disse: _"Não reparem não, ela não está acostumada a brincar com meninos e então pra ela, meninos estão sempre brigando". 

M O M E N T O     E U R E C A!!!!!

Descobri que ainda havia uma Pandora menininha e cor de rosa dentro de mim, pois pensava o mesmo sempre que os via brincando. Bom, quem tem meninos em casa pode imaginar o que estou dizendo.

Até semana passada, sem exageros, eu me sentia como esta garotinha da história, ficava assustadíssima com algumas brincadeiras. Mas cadê a minha mãe pra me socorrer?? Bom, corria atrás do meu marido e ele sempre me dizia... Mas eles estão brincando normalmente... Bahhh, Homens!!

Imaginem a cena:

Diálogo entre Meninos Brincando - Parte I

A Luta entre o Dragão e o Dinossauro Herbívoro


_Ahahhah!!! Eu vou te pegar!!!

_Nãaaaaaaaoooooo! Eu sou do Bem, sou eu que vou te pegar!!! Ahhhahahahha!!!

_Nãaaaaaaaoooooo!! Eu é que vou, toma isso!!! Ahhahahahh!!

_Ah, então eu não vou brincar mais com você! (beicinho) :-(

_Tá, você me pega então, mas eu sou muito forte!!!! Aahhahahahh!!

_Eu sou mais forte!!! Ahhhhhahhhh!!

PUFFF, PAHHHH, WROWWWWW, TAHHHH (diversos sons emitidos com vozes muito grossas)

THE END

As brincadeiras na maioria das vezes acabam bem, felizmente!

No começo, quando ainda não entendia a linguagem do Cromossomo Y, eu sempre intervia, mãe chata. 

Mas percebi que estava fazendo algo errado, afinal, eles tem que aprender a se defender e a argumentar e este é o melhor momento.

By the way, assim que chegamos aqui na Suíça, assisti um documentário na TV sobre Sexualidade Infantil. Só não sei o nome do programa e nem o canal, pois peguei o "bonde andando".

O documentário mostrava um pai que estranha ver o filho brincar com uma boneca. Logo, o pai pega dois bonecos tipo "Falcon" e começa a "ensinar" o filho a brincar. De que maneira? Exatamente como demostrei no diálogo acima. A eterna luta entre o Bem e o Mal.

Ah! Quando perguntei para meu marido sobre o Falcon, ele me disse: _" Falcon era velho, o legal era brincar de Comandos em Ação"!

Aiii que saudade das minhas Barbies...

Até mais!! Pandora Barbie Festa

Comentários

  1. Ju, a Manu achou um gatinho que os meninos esqueceram aqui e que a pouco, bem pouco, tempo atras ela poderia engolir e agora foi liberada para brincar. Mas a brincadeira eh bem menina mesmo. Ela faz carinho, naninha, beija e conversa: nene, ah, lindo, miauuu. Desse tamanho, ja pensa que eh mae. Saudades!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha