Pular para o conteúdo principal

Minha mãe é uma ... princesa ?

O vínculo afetivo no inicio de uma adoção ainda é pequeno e temos que procurar promover momentos para que ele aconteça, mas requer muito esforço e dedicação por parte dos pais.

Como moramos fora do Brasil, todo o processo de adaptação foi feito lá, na casa de nossos pais. E assim permanecemos até que o juiz nos permitisse sair do país.

Na primeira semana de convivência ainda tentávamos nos conhecer melhor, é um processo que vai aos poucos se transformando. Eu me lembro que parecia que eu e meu marido estávamos naquela fase de conquista de um novo amor sabe? (que no caso foram dois), você não sabe onde põe a mão, o que fala, o que faz... como age.

Então, um dia após o Café da Manhã, quando eu me preparava para trocar de roupa, disse aos meus recém-chegados filhos:

-"Mamãe vai deixar vocês aqui na sala brincando um pouquinho, ok? Vou rapidinho lá no quarto tirar o pijama, me trocar... Vou virar uma princesa!

Bom, de princesa eu não tinha nada, vamos combinar! Na cabecinha deles eu era uma sem noção mulher meio fada, meio bruxa tentando conquistá-los.

E o olhar deles...

Ahhh, o olhar!! Certeza, eu não era uma princesa pra eles, definitivamente!

Bom, se tem uma coisa que uma mulher percebe na vida é quando é ou não é uma princesa pra alguém e eu senti isso claramente.

Chorar? Jamais!! Só quando vejo filmes e novelas (quem nunca?).

Enfim, Olhei para aqueles rostinhos inchados de quem acabara de acordar e num súbito de Mãe Pandora disse:

-"Não acreditam? Eu sou uma PRINCESA de verdade!! Esperem só um pouquinho..." 

Minha sorte era estar na casa de meus pais onde ainda mantenho algumas roupas de festas, aquelas quando somos madrinhas de casamento, formatura, etc. Me troquei, coloquei um belo par de saltos, uma boa maquiagem e surgi, assim... leve e princesa na sala, onde estavam com seus novos brinquedos.

E o olhar deles...

Ahhh, o olhar foi de puro encantamento! Quando entrei na sala, ahhh aí sim, eu enfim era uma princesa de verdade! Eles me olhavam surpresos, meu vestido tinha brilhos!!! Sim, muitos deles e eu estava mais bonita, mais alta, mais, mais...

Depois daquele dia percebi o quanto teria que usar e abusar da minha caixa de Pandora e ser criativa para conquistar corações tão frágeis, porém tão vividos até então.

E acreditem! Mães de meninos são lindas, são gatas, princesas, um luxo!! Verdade, eles sempre nos elogiam, mesmo você estando com uma cara horrível, acabada ou qualquer coisa neste sentido. Pra eles, você é tudo de bom!!

Comentários

  1. Que lindo Ju!!! Que esse "castelo" construído por vocês seja sempre repleto de flores...vc é uma pessoa muito especial, determinada, querida e que admiro muito pela força e coragem!!! Beijos

    ResponderExcluir
  2. Verdade!!! Nossos meninos nos acham princesa mesmo!!! Como é bom saber disso!!! O Leopoldo sempre fala que eu sou a princesa do joguinho do Mário. Adoro. Fico muito feliz. Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha