Pular para o conteúdo principal

O dia em que voltei a Oslo, na Noruega...

Moramos em Oslo, por quase dois anos e meio. Foi uma fase de muitos desafios e muitas alegrias na Terra dos Vikings.

Algumas coisas muito especiais desta época ficarão guardadas pra sempre... Por exemplo, foi trabalhando em uma escola internacional que descobri as diferenças entre as culturas e os diferentes estilos de educação dos pais por este mundão afora.

Vejam o que descobri...

  • Que nós brasileiros somos os pais mais super protetores da nossa prole;
  • Que para um norueguês não existe tempo ruim, o que existe é roupa inadequada;
  • Que pimentão cru pode ser um delicioso snack para as crianças e o melhor, sem ser indigesto!
  • Que as crianças saem esquiando da maternidade (brincadeirinha), mas começam bem cedo;
  • Que os bebês quando saem da maternidade já são inscritos em uma lista de amigos que nasceram no mesmo dia e por aí seguem se encontrando;
  • Que Sala dos Professores é igual em qualquer lugar do mundo;
  • Que não podemos ficar com muitos beijinhos com nossos alunos, (o que é normal para nós, brasileiros) isso pode ser um problema no exterior;
  • Que sol da meia noite existe!! E como ele faz falta depois de seis meses...
  • Que o que levamos na nossa lancheira pode ser esquisito para um estrangeiro e vice-versa.;
  • Que os japoneses são super criativos e cuidadosos nos lanches dos filhos. Eu diria, os melhores!!
  • Que comer sardinha, pepino e muitos ovos no café da manhã é super normal para alguns;
  • Que as orelhas doem muito no frio e parecem que podem se quebrar a qualquer momento!
  • Que Indianos e Paquistaneses prezam muito a família e procuram morar todos juntos (sogros, tios, irmãos) em uma mesma casa;
  • Que aos 18 anos, os filhos devem deixar a casa dos pais e trabalhar para o próprio sustento; 
  • Que é normal brincar no recreio com muiiiiita neve, mas quando o termômetro marcava -18º, ahhhh, daí era melhor colocar um filminho na sala de aula mesmo.

Enfim, foi uma experiência maravilhosa e com certeza aprendi muita coisa! Mas o principal, que tenho me policiado até hoje, foi perceber a Educação que as crianças tem para com os professores. 

Palavras como "Bom dia" , "Obrigado" e "Por favor" são básicas, mesmo para crianças bem pequenas. 

Aqui na Suíça percebo a mesma coisa em relação à educação, o que acho ótimo! Atos como olhar nos olhos da professora e dizer "Bom dia" e "Até breve" apertando-lhe as mãos, são diários. Exagero?? Penso que não. Acredito que nunca é demais ser gentil e ter boas maneiras com os outros. 

E voltando ao título, o dia em que voltei a Oslo, voltei para rever amigos super queridos, para rever a escola onde trabalhei e fui recebida como sempre! Um carinho enorme das pessoas de várias nacionalidades  que vivem em um país distante e que por isso formam um círculo de amizades que mais parece uma grande família. 

Gosto tanto daquela terra, que me emocionei escutando o "tio" do Trikk anunciar a próxima parada... ai, ai... voltaria com o maior prazer, sempre!! 

Bisous a todos aqueles que vivem na terra que já está gelada (que eu sei) e sintam meu carinho enorme, transbordando aqui... Fui! 
Pandora Saudosa 




* Todas as imagens acima são do Vigeland's Park em Oslo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos , renasce, literalmente.  Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013 , é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho.   P a r a b é n s L a r a !!  Voilà, o conto: Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM:  Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras... Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, mu

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe