Pular para o conteúdo principal

Da Terra dos Vikings para a Vacolândia

Vista do Lac Léman na caída da noite
Realmente a Suíça é um lugar muito lindo!! Agora então, com as cores de outono, hummmm, ela está linda, linda!!

;-)

Este final de semana, aproveitamos para passear um pouco com minha mãe que está aqui conosco, pra ajudar enquanto me recupero.

Ontem fomos à Maison Cailler, uma fábrica de chocolate que tem uma espécie de museu interativo sobre o tema e no final, uma degustação maravilhosa e à vontade!!! Claro, que eu não entrei por conta da recuperação da cirurgia, mas recomendo fortemente o passeio... Desta vez, fiquei esperando na cafeteria, lendo e mantendo a pança  pose. Achei que a recuperação da cirurgia seria mais rápida, mas ommmmmm, ommmmmmm, paciência. Tenho que trabalhar a paciência... ommmmmmm.

***

E foi no caminho para a fábrica de chocolate que minha mãe comentou sobre as vaquinhas suíças. Adoro os comentários da minha mãe, eu diria que ela tem um olhar lindo, agradecido, diferente, um pouco "síndico" das coisas, isso mesmo, sabe quando o síndico quer saber sobre o que acontece, e claro, isso me faz olhar para as mesmas coisas, mas com um ponto de vista diferente. E daí, então, uma dúvida pairou no ar:


 Existem mais pessoas ou mais vacas na Suíça? Brincadeiras a parte, aqui vê-se muitas vacas. O tempo todo. Você está no meio de uma rua movimentada e de repente vê um pasto no meio do nada com ... vacas. Também têm muitos vinhedos, muitas macieiras...








E por falar nelas, mês passado, fomos a um Desalpe em uma cidade chamada Charmey. Se eu entendi bem, no verão os fazendeiros levam as vacas para um local mais fresquinho (Os Alpes Suíços) e elas ficam por lá durante todo o verão. Então, quando o outono chega e a temperatura começa a cair, as vaquinhas retornam às fazendas e esta tradição é comemorada com grandes festas rurais e bem típicas, divididas por regiões.








Adoramos o passeio!! A criançada se deliciou, principalmente com os leites servidos purinhos, e todos seus outros derivados, inclusive fondue à vontade.


Preparação do famoso queijo Gruyėres 

Mas a Suíça não é só isso não, claro! Eu ainda não consigo postar tudo o que temos visto ou vivido por aqui, mas tenho que admitir: "Apesar de ter amado o tempo em que vivemos na Noruega, a Suíça é um país bem mais fácil para se adaptar".


 No sábado, demos um "pulinho" em Lausanne e de repente me vi em São Paulo no paraíso!! A FNAC. Muita gente, muito barulho, cheiros, livros, filmes, informação... Bom demais!! E por lá ficamos quase que uma tarde inteira. Entre repousos e andadas pelos corredores, Gabriel e Lucas além de se esbaldarem com os livros em quadrinhos, ainda provaram o JUST DANCE 3 do Wii. Dançaram muito e foram presenteados com um óculos estilo Ray Ban Wayfarer




Eles ficaram muito gatinhos com aqueles óculos!!!

Aproveitei também pra comprar este livro indicado por uma grande amiga:

A tradução seria: "Pequenos aborrecimentos e grandes preocupações, o que fazer, o que dizer."


E "vamu que vamu"!! Vida que segue...


Bisous, Pandora Guia Turístico e filha...

Comentários

  1. Olha eu aqui!!! Tenho um carinho especial pela Suíca sabia!? Não, nunca conheci "pessoalmente", mas namorei um suíço e meu tio nasceu em Zurich meio por acaso, sempre muitas histórias pra contar! Admiro a civilização, a inteligência e foco desse povo. Incrível!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Juju! Adorei o ooommmmmmmmm, quero aprender!
    Beijos na mamae e vc entendeu bem, as vaquinhas descem dos Alpes e ficam num lugar mais quentinho. BJ.

    ResponderExcluir
  3. Ju,

    tenho muitas saudades das cores maravilhosas e de ver cada por do sol diferente a cada dia.. ou seja um mais lindo que o outro... faz muita falta mesmo..
    e sabe que brincavamos que depois da india ( que é o numero 1, a suica é o segundo pais onde a vaca é mais sagrada...kkkk
    bjs e aproveitem muito a bencao de estar ai....
    boa recuperacao...

    ResponderExcluir
  4. Oi meu amor, apenas p/ testar a nova funcionalidade. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. @Anônimo
    Oi amor, então vamos testar... um bj, te amo e ah!! obrigada pela ajuda

    ResponderExcluir
  6. @Mari Hart
    Oi Mari, foco eles tem mesmo!! Gabriel, meu filho de cinco anos que o diga!! Mas é realmente uma Terra linda... bjos e valeu!!

    ResponderExcluir
  7. @Monica

    Monica, o ommmmm é fácil, difícil é a paciência, rsrsrsrs. Bjs querida!!

    ResponderExcluir
  8. @Danielle
    Dani, a gente tem que se desdobrar pra acostumar de novo em outro país né? Mas agora estou amando aqui... um bj enorme em vcs!! Ju

    ResponderExcluir
  9. Oi Jú,
    Estou muito feliz com o seu blog, compartilhando suas alegrias e tristezas (mais alegrias, né ? Como sempre !!!), sempre dou uma olhadinha pra ver o que tem de novo e saber como vc. e o restante da família estão. Estou torcendo e rezando pra vc., em breve estará saltitante novamente... Grande beijo Kitty

    ResponderExcluir
  10. Ju fiquei só imaginando a conversa com a D Rosa Maria, bom demais nè ?! Bjão pra vcs. Frô

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha