Pular para o conteúdo principal

Eu não sou She-Ra!!

Lembra da She-Ra? A irmã do He-Man que dizia: "Pela honra de Greiscow"! Engraçado, passei a infância acreditando que ela era namorada dele (He-Man) e que eu era a própria She-Ra. Linda, forte, poderosa e com um corpão, ahhhhh que tudo de bom!!

•••

E foi assim, brincando de She-Ra em uma festa de aniversário, que aos onze anos quando levantei minha espada (que na verdade era um galho de árvore), senti que algo muito estranho estava acontecendo em meu corpo... estaria eu fazendo xixi nas calças?

Corri para o banheiro da festa e qual foi minha surpresa? Eu havia ficado mocinha menstruado pela primeira vez. Aos  O N Z E  aninhos!!

Discretamente, chamei minha mãe. Ela me abraçou, me deu os "Parabéns"e eu claro, pedi para que não contasse a ninguém. Na verdade, me senti esquisita. Como alguém pode receber os "Parabéns" por ter uma sensação horrível de que algo está errado em seu corpo? E andar com um absorvente entre as pernas era algo muito estranho. She-Ra jamais pagaria este Mico!

•••

Ao sair do banheiro percebi que eu tinha roubado a cena do aniversariante!! T - O - D - O - S me olhavam e me davam os terríveis "Parabéns" e eu? Queria "matar" minha mãe... afinal era um segredo nosso e eu não queria ser mocinha, queria ser She-Ra!!!

O tempo passou, eu virei mocinha mesmo (fato) e percebi que faria o mesmo que minha mãe. Contaria a todos os amigos, sem diferença alguma. Hoje sei o quanto é bom vibrar com cada acontecimento, cada fase dos nossos filhos e euzinha, diria... faço bem pior. Exponho logo as histórias em um BLOG, uma descrição exemplar, rsrsrsrs.

Mas incrível, voltando a personagem She-Ra, ela ficou encarnada em mim durante muito tempo. Claro que não tenho uma espada e nem aquele corpão, mas acreditei que teria que dar conta de tudo, que teria que ser perfeita, que deveria ser capaz, ser forte... e pumba!! Não sou, nunca fui e jamais serei She-Ra!!! Que decepção...

Hoje em dia, no papel de mãe, ainda me pego tentando ter todas as respostas e super poderes, e nesta caminhada por lugares e culturas tão diferentes percebi que outras mães, desfrutam de sentimentos parecidos e muito comuns sobre a maternidade. Na verdade, também percebo que nenhuma de nós sabe se está fazendo a coisa certa, mas TODAS querem o melhor para os filhos, quer ver? Vamos pensar e brincar um pouquinho:
  1. Marque ( V ) para verdadeiro e ( F ) para falso:
(   ) Filhos não podem ver as mães chorando.
(   ) Mamães e papais não erram nunca!
(   ) Sabemos todas as respostas, sempre.
(   ) Dizer não aos filhos traumatiza...

Acredito que o que tentamos fazer é acertar, mas ouvi de uma pessoa muito querida que devemos sempre agir com o bom senso e falar a verdade, sempre. Esta é uma parte difícil, mas que tenho procurado trabalhar em meu interior para que possa estar preparada para perguntas como estas que venho enfrentando ultimamente: "Mamãe, não é verdade que um dia você nos deixou e depois pegou de novo?" Affff!!! Mil Affffs!! Estávamos tomando café da manhã quando fui surpreendida com esta pergunta e não soube o que responder... 

Desconversei, falei sobre o leite, o pão, os levei para a escola, voltei pra casa, sentei e chorei. Eu já havia lido que os filhos adotivos tendem a confundir a mãe adotiva com a mãe biológica, então isso não era algo novo para mim, mas não me senti preparada para responder naquele momento. A questão ali não era o meu sentimento, mas os sentimentos deles. Como dizer que não fui eu quem os deixou e sim uma outra pessoa. Ao meu ver dói demais ter que dizer isso a um filho, por isso fiquei quieta. Mas conversando com algumas psicólogas já me certifiquei que deveria ter dito a verdade, mesmo que cruel, pois esta é a história deles. 

Para pensar...





Comentários

  1. JU, ate agora eu tambem achava que a She-ra era namorada do He-man, jamais imaginei que fossem irmaos!
    Eu gostava mesmo do Lion do Tundercats, achava ele literalmente um gato!
    Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe