Pular para o conteúdo principal

Mamãe no Hospital

E olha eu aqui, vestida em um belo peignoir e pantufinhas branquinhas em um quarto de hospital (www.lasource.ch/). Mas não posso reclamar nem um pouco. Primeiro que estou em um hospital suíço digno de um título de primeiro mundo, segundo que estou munida desta super tecnologia, o meu Notebook e terceiro que estou aqui escutando Mika, que eu adoro e me revigora com boas energias!! Dá uma passadinha pelo site oficial dele: http://www.mikasounds.com/  Vale a pena!!! E tem mais!! Além de um mega cantor e compositor, Mika teve uma infância difícil e hoje brilha no palco da vida, literalmente!! Sou Fã!!!

Então, o conto de hoje é o seguinte: Amanhã vou fazer uma cirurgia... e pra amenizar um pouco o texto, vou parafrasear uma amiga muito querida quando disse que seu filho estava quebrando tantas partes do corpo que estava parecendo o "Menino Lego", (risos). Então, digamos que eu seja a "Pandora Lego": Vou retirar uma parte do intestino que "quebrou*" e  encaixar as partes boazinhas... deu pra entender? * ( leia-se: endometriose no intestino)

***

Sim, foi um baque quando fiquei sabendo desta bomba! Fiquei muito nervosa e disse N Ã O várias vezes ao médico, mas como ele mesmo disse, isso não era uma escolha minha...  Tive que engolir aceitar. Isso tudo, pois minha preocupação maior agora é transmitir o máximo de segurança aos meus filhos a uma ausência de seis dias. Mas lá fui eu me consultar com a psicóloga e ela me disse que era importante prepara-los sim e esperar uma mudança no comportamento, o que é normal.

E para isso, tenho ao meu lado nada mais que minha mãe que veio lá do Brasil para cuidar de meus príncipes enquanto me recupero no hospital... Nada melhor que paparico de vovôs e vovós né? Nesse quesito meus filhos estão bem providos, ôô delícia!!! E ter a minha mãe aqui é tudo de bom!!!

Mas também preparei outras coisinhas... hehe


  • Escrevi pequenas cartinhas para eles, umas com brinquedinhos e outras com bombons. Tá, eles não sabem ler ainda, mas guardarei com muito carinho para que vejam um dia.

  • Também fiz um calendário com os dias em que estarei longe, para que eles possam ir contando e marcando com um X os dias que se passaram. Assim fica mais fácil para que entendam que serão alguns dias e não uma eternidade. O tempo para as crianças é bem diferente que para os adultos.

E fiquei mais tranquila ao visitar a Garderie ou o Mini Club do Hospital, onde eles podem brincar um pouquinho quando vierem me visitar. Assim eles guardam lembranças boas desta fase... digamos, não é o ideal, mas será diferente.


Este post é breve e é para deixar tranquilo o coração daqueles que estão longe... daqueles que estão perto... daqueles que estão dentro do meu coração. Obrigada!!! Muito obrigada a todos pela força!!


E esta foto vai pra minha mãe, que está amando a Suíça e repete todos os dias:


"Que lindo!! Gostei mais daqui que da Noruega" (onde moramos anteriormente) ... e eu sempre digo:


"Mãe, os dois países são lindos demais, cada um com suas peculiaridades e pra mim, são como os filhos. Não tem como comparar. Cada um é especial por ser o que é." 

P.S. Torçam para que muito em breve eu escreva outros... sinal que a recuperação segue bem.

Bisous, Pandora Malade, mas cheia de glamour no peignoir branco do hospital.




Comentários

  1. Querida, Ju, estou aqui torcendo por você. Algumas pessoas têm a missão de mostrar aos outros que, apesar dos percalços, a vida é muito mais que um ir e vir e, sem dúvida alguma, uma destas pessoas é você. Sempre que leio seus textos e posts sinto uma felicidade muito grande e uma certeza de que somos muito mais do que aparentamos... Sei que rapidinho você estará em casa, com seus príncipes, espalhando essa luz maravilhosa que você tem.
    Beijos, Mariangela.

    ResponderExcluir
  2. Boa sorte, Ju! Que Deus te acompanhe em todo momento! Vai dar tudo certo! Beijos, Gor!!!

    ResponderExcluir
  3. Puxa! Puxa! Boa recuperacao pra vc. Receba meu beijo muuuuito grande, aqui de Singapura. Smack. Vai passar rapido (repita comigo!)
    Abraco apertado de boa sorte,
    Roberta
    Piscar de Olhos

    ResponderExcluir
  4. Ju querida!!
    Nossa Senhora Aparecida lhe abençõe e lhe guarde ...
    Beijo,
    Carla

    ResponderExcluir
  5. Ju muita paz, fé e confiança! Logo tudo isso vai passar e a mamãe pandora terá muito para contar!!!
    Amiga é aquela com quem a gente divide uma porção de coisas,
    os segredos, a tristeza e a alegria.
    Amiga é isso: um ombro quando você precisa de consolo,
    um colo quando você precisa desabafar.
    Amiga é quem diz algumas coisas quando você esta precisando ouvir
    ou quem fica ao seu lado em silêncio quando esta triste, mas não quer falar nada.
    Uma amiga é essa coisa tão preciosa e rara e você é mais que minha amiga, estou aqui para tudo conte comigo.
    Beijos
    Priscilla

    ResponderExcluir
  6. Ju, você é uma pessoa maravilhosa e muito abençoada por Deus. Estou torcendo muito para que você se restabeleça logo.
    Um grande beijo

    ResponderExcluir
  7. Ju, estarei daqui de longe mas com o coracao bem perto de vc, torcendo pra que se recupere logo! Beijo grande e boa sorte com tudo,
    Fer.

    ResponderExcluir
  8. Ju vc é admirável !!!!!
    Adoro vc amiga. Bj. Frô.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha