Pular para o conteúdo principal

A de Alerta, de Amor e de Alivio

Esta semana tive um susto enorme e quero aproveitar e fazer uma alerta.

Quem me conhece sabe o quanto sou "Mãe Caxias", daquelas que ficam em cima dos filhos o tempo todo... então, estávamos em um centro comercial , dentro de uma loja, quando Jobim (4 anos) me pediu para sentar em uma cadeirinha colorida que havia lá. Eu deixei, claro e ... confiei. Mas, quando eu virei as costas (questão de segundos), pra olhar os enfeites de Natal, escutei um grito vindo do lado de fora. Olhei e fiquei "cega" seguindo o grito. Jobim simplesmente estava na escada rolante que subia, quase na metade dela tentando em vão, descer. Eu, recém operada (ainda não posso pegar nada pesado por recomendação médica), corri até ele, olhei bem naqueles olhos lindos e subimos juntos até o final da escada. No andar de cima eu o abracei, conversei, expliquei... Minha vontade mesmo era de ficar brava com ele, mas como, se eu estava brava era comigo?

Enquanto isso, minha mãe ficava com Tom (5 anos), que ao perceber a gravidade da situação ficou pálido e tentou lindamente dizer ao irmão que aquilo era errado.

Imaginem o quanto isso mexeu conosco. Sou mãe há um ano e cinco meses e durante este tempo todo esta foi a primeira vez que percebi uma travessura séria e perigosa. Na mesma hora me lembrei daquele menino na Turquia  que também quase sofreu um grave acidente e da forma como julguei aquele pai...

E então, percebi que a inserção de Jobim nos "4" é bem mais que roupas que não servem mais.  Ele tem se expressado mais, indagado mais, pulado mais, ou seja, está tentando construir sua autonomia e se pra isso, ver uma escada rolante e pensar: "Hummmm, acho que seria legal subir e descer aquele brinquedo aberto alí"e se sentir o "máximo", tenho que admitir que faz parte do processo de desenvolvimento biopsicossocial dele.
Mas foi difícil demais pensar nas consequências desta peraltice. Pensar no que poderia ter acontecido me deixou anestesiada por um tempo. E mãe dorme depois disso?

Assim, gostaria de deixar aqui relatado o meu amor por Tom e Jobim (apelidos fictícios), em forma de desabafo em uma carta apaixonada, voilà:

Queridos filhos,
Quero muito agradecer a vida por me presentear com tamanhas riquezas, que são vocês! Há quatorze meses, eu comemorava a data por estar há 100 dias aprendendo a ser mãe. Isso mesmo, pois ser mãe é tarefa nada simples e a gente vai aprendendo diariamente com nossos erros e acertos.   
Ainda hoje, olho pra vocês crescendo e fico imaginando como foram quando bebês. Seus rostinhos, se eram magrinhos ou gordinhos. Se tiveram cólicas, se nasceram de parto natural ou se foram  cesarianas...Se a risada de vocês era contagiante ou se o chorinho acordava a vizinhança... Eu não os amamentei, não os nanei, e nunca tive o privilégio de senti-los crescer dentro de mim. 
Quando me pego pensando na realidade em que viviam, não me deprimo. Crio ainda mais forças por lutar para que sejam respeitados, para que vivam dignamente a vida em que se encontram agora. 
Desejo de coração o melhor pra vocês!! E nestes desejos estão também momentos de brabeza, de acolhimento, de correr atrás de muitas coisas que não foram estimuladas até o momento e de reeducar aquilo que foi "ensinado"e/ou "aprendido" enquanto não nos conhecíamos.  Uma realidade que aprendemos juntos a conviver e a ter muito orgulho de cada etapa. 
Confesso meus filhos, que no início isso me feriu um pouco, assim como percebo que já se sentiram feridos em alguns momentos destas vidas tão jovens. Padecemos os quatro, cada um de uma forma, neste nosso processo de encontro ou "reencontro". 
Mas o melhor disso tudo é saber que estamos juntos e que apesar de ter perdido uma fase importante da vida de vocês, posso dizer que é um privilégio estar ao lado de vocês agora, desfrutando de tantas alegrias e preocupações, e principalmente por estar ao lado de meninos tão sensíveis e com os maiores corações  que já vi em corpinhos tão pequenos. 
Jobim: Você é o músico da minha alma. Já nasceu com alma de artista e com um ouvido incrível para as partituras dos mais diversos instrumentos musicais. Obrigada por trazer mais ritmo e melodia aos meus dias. Te amo demais meu "pímpele" (Principe que diz que quer casar com esta mamãe todos os dias). 
Tom: Você ainda era pequeno quando disse ao papai que nosso primeiro filho teria seu nome. E você veio ao nosso encontro assim, como o primogênito e dono de um nome de anjo. Você é a alegria em pessoa! Tenho muito orgulho em ser sua mãe e ver sua bravura e determinação em ajudar e fazer o melhor. 
Obrigada meus filhos! 
Com muito amor e com um olhar mais que apaixonado, mamãe.


P.S. Não esquecer de colocar as  pulseirinhas de identificação nos filhos ao sair para lugares públicos. 


Bisous, Pandora com o coração apertado...



Comentários

  1. Jú,

    Que linda declaração de amor aos seus pequenos!!!
    Que lindo ver, sentir e compartilhar esse amor de mãe que pelo visto já está mais do que construído dentro do seu coração!! Parabéns a você, por ser essa pessoa tão profunda, amorosa e tão querida!!
    Me sinto muito honrada em ter te conhecido e mais feliz ainda em ter participado um pouco do início de tudo isso!!
    Lucas e Gabriel, vocês são meninos de muita sorte e merecem todo esse amor que sua mamãe e papai dedicam de forma muito linda e que nos enche a alma tb!!!
    Espero revê-los algum dia!! Enquanto isso acompanho pelo computador =D
    Beijos com muito carinho e com o coração tocado por suas palavras!!
    PS: Obrigada por dividir experiências e sentimentos tão ricos com todos nós! Marcella Benoliel Zaninetti.

    ResponderExcluir
  2. @Marcella
    Ma, lembra do começo? Affff, mas a construção realmente é diária e vai gradativamente se solidificando. Obrigada pelas palavras, eu sim tive a honra em ter por perto uma pessoa com sua experiência pra me apoiar. Um bj, Ju

    ResponderExcluir
  3. Ju querida, que lindo!!!
    Fiquei muito emocionada lendo a sua declaração de amor aos seus pequenos!
    Você é maravilhosa, uma mãe exemplar. Parabéns amiga!
    Amei o seu blog!!!
    Saudades de vc :-)
    Beijos no coração,
    Goretti

    ResponderExcluir
  4. Esse certamente é um reencontro !!!! Saudade de vcs !!! Bj. Frô

    ResponderExcluir
  5. @AnônimoGoretti, obrigada pelas palavras!!! Muitas saudades, mas quanto a mãe exemplar ... vixe, †ô bem longe, rsrsrs. Bjs, Ju

    ResponderExcluir
  6. Vishhh...que lindo..choreiii..um dia eles irão ler esta carta e irão se emocionar também por saber o quanto você os ama e esperou para estar junto deles...um beijo...Gor...

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, Jú (já estou ficando íntima, heheheh)! É realmente tocante ver este amor todo. E olha, mesmo com minhas filhas crescendo dentro de mim, posso te dizer que amor é mesmo uma coisa que se constrói, que vai crescendo com a convivência e o conhecimento.
    E conta como foi a Alemanha? Em que lugar você esteve? A próxima vez que vier, passe pelos lados de cá, para tomarmos um café!

    Beijo,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Karen, isso mesmo!! Já podemos nos sentir assim, intimas, rsrsrs.
    Fomos em uma cidade pertinho de Zurique, logo após a fronteira. Amei!! Quanta coisa boa e barata!! Um beijo grande, Ju

    ResponderExcluir
  9. Uau!

    me emocionei tanto ao ler essa cartinha...

    obrigada,

    a gente vai aprendendo mesmo no dia a dia, nos sustos e nas alegrias. Com eles... para eles.

    beijo grande

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos , renasce, literalmente.  Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013 , é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho.   P a r a b é n s L a r a !!  Voilà, o conto: Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM:  Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras... Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, mu

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe