Pular para o conteúdo principal

Na China... Parte 1

Em março de 2010, dois meses antes de nossa estreia no mundo parental, eu e o maridão fomos à China. E eu A M E I conhecer aquele lugar!! Bom, não poderia dizer que moraria por lá, mas conhecer aquela cultura foi bem legal.

Na verdade, naquela época eu estava avulsa  sem filhos, e então aproveitei pra acompanhar meu marido em uma viagem à trabalho em Chi Zui Chan (ou algo parecido com este som). Esta cidade fica próxima a fronteira com a Mongólia, pertinho do Deserto de Gobbi... dá pra imaginar aventura?

A primeira parada foi em Beijing.


Beijing ou Pequim, é uma metropole gigante, cosmopolita e tem muita coisa legal pra conhecer e pra fazer. Mas a poluição choca muito, é bem agressiva mesmo e pra completar ainda pegamos uma tempestade de areia horrível. Pra se ter uma ideia, no dia da tempestade o ar era amarelo.

Poluição em Beijing, na China.


Partimos de Oslo, na Noruega com a neve derretendo e fomos surpreendidos por uma nevasca horrível em Beijing, daquelas de fechar os aeroportos. E foi o que aconteceu, muita espera, bagunça e briga, tudo em Mandarin. Que beleza!!

Depois do desembarque esperamos por mais de seis horas a confirmação de que nosso próximo vôo estava cancelado. Sem opção, pegamos muita fila as malas de volta e fomos pra um hotel, ou melhor, O Hotel, recomendo! Inclusive tem um SPA dos deuses. A gente merece, né?


Esta foto foi tirada do GPS quando já estávamos voltando para a Noruega.

Após nossa estadia curta de uma noite, voltamos ao aeroporto rumo à Yin Chuan. Neste dia dividimos o taxi com um alemão que também estava a trabalho por lá e assim que chegamos o motorista do taxi tentou trapacear ao cobrar a corrida. Isso por lá é bem comum, eles cobram e não entregam o troco e quando você pede novamente, eles te entregam um recibo qualquer fingindo que não entendem inglês.






Rumo a Yin Chuan:


Quando fomos de Beijing para Yin Chuan, embarcamos pela Air China em um avião bem menor, tipo... nem sei o quê, mas a sensação era de estar em um foguete decolando para a lua. O avião decolou tão inclinado e torto que quase fiz xixi nas calças. Procurei encontrar a mesma cara de pânico que eu estava nos outros chineses a bordo, mas nada... eu era a única sem noção do avião.

 Em YinChuan, depois do ataque de medo, corri muito apertada para o banheiro. Quando cheguei lá, comecei a abrir todas as portas a procura daquilo que no meu mundinho ocidental, chamamos por vaso sanitário. E nada...

Bom, eu teria que me adaptar àquela realidade, já que passaria duas semanas pelas redondezas. Imaginem (pois descrever esta cena seria muito deselegante). Achei... esquisito. Molhei...a bota.
Sim, uma foto da latrina de um banheiro em Yin Chuan, na China.
Bom, desiludida e morrendo de vergonha com o episódio do banheiro, eu e o marido seguimos para mais uma etapa da viagem, mas agora, de carro. Mais um hora e meia e chegamos em:




Chi Zui Chan, perto da Mongólia

Chegar em uma cidade internacional como Beijing é tranquilo, os costumes mesmo que orientais se misturam aos ocidentais e eu me senti "livre" pra ir e vir, já que a maioria das placas estão escritas em Mandarim e Inglês. Mas, assim que chegamos em Chi Zui Chan, a realidade começou a mudar bastante. Lá, tudo é bem controlado pelo governo chinês e eu não conseguia acessar quase nada na Internet. Sair pelas ruas sozinha, nem pensar. Eu era uma alienígena, me sentia em um mundo paralelo, sem exageros. 
De duas, uma. Ou eu era a Angelina Jolie pra eles, ou a Fiona do Shrek. Mas tenho certeza, eu era a segunda opção. 
 Era passar pelas lojas que logo sinalizavam para minha "guarda-costas"(a Vitória, uma chinesa que me suportou por lá) que não tinham minha numeração. Afff, e eu nem estava tão gordinha assim. Mas chinês não tem noção de descrição como nós. Os códigos são diferentes e então era um desafio sair para passear. Acreditem, eu era fotografada todo tempo e alguns se juntavam pra falar a meu respeito. Fiquei com medo, mas depois resolvi desfrutar de minhas duas semanas como celebridade em um mundo paralelo. Então achei legal, rs.

Batata assada em Chi Zui Chan

Bom, a China, assim como seu tamanho tem muita história pra contar. Então, senta que a Parte II sai logo do forno...

Bisous, Pandora Padeira Guia Turístico



Comentários

  1. Oi ju!
    Esse seu post me lembrou quando fomos comer comida japonesa juntos em santos, e ouvimos suas aventuras na china! :-)

    Gostei do novo layout do blog! Tem cara de mae pandora!

    Acho que estamos ansiosos pela vinda de vcs! Hj o vitor e eu ja compramos um presentinho de natal pros meninos! :-)

    Beijao!
    Mari

    ResponderExcluir
  2. Nossa Ju, entendo bem o seu momento de estrela na China :-) Já fui para o Japao (no interiorzao, onde eles também nao tem muito contato ocm ocidentais) e principalmente meu marido era fotografado toda hora, pois ele é alto e eles achavam muito legal uma pessoa tao alta que tinha que se abaixar para passar pelas portas. E ele nem tem 2 metros, só 1.87. E também viajei com minha filha mais velha por Hong Kong e Macau e fomos fotografadas muuuuuuitas vezes. Eles achavam o máximo uma ocidentalzinha de cabelo e olhos claros. Mas o que no comeco era legal foi se tornando chato, pois eles apertavam tanto as bochechas da Sophia que ela já comecava a chorar quando o próximo chinês chegava perto... E isso em HK uma cidade grande, onde tem também muitos estrangeiros morando... Imagino em um lugar como esse aí..

    Beijo,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos , renasce, literalmente.  Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013 , é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho.   P a r a b é n s L a r a !!  Voilà, o conto: Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM:  Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras... Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, mu

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe