Pular para o conteúdo principal

Conto real de Natal

Um dia chuvoso no inverno suíço...
Ao acordar hoje, fiz meu café e enquanto todos dormiam (yes, I'm an early bird), sentei olhando o horizonte e elaborei em meus devaneios pensamentos de domingo:

_"O que eu gostaria de ganhar do Papai Noel?"


Na verdade, se eu pudesse escolher um presente, desejaria não ter escutado o que escutei ontem. Ou melhor dizendo, desejaria ter escutado uma história diferente.

E as histórias nem sempre são bonitas...

Quem dera se todas pudessem ao menos ter um final feliz?

Mas que final?

Estamos falando de um início. O início da vida de alguns...

≈≈≈

Neste Natal, uma amiga decidiu presentear uma instituição e me escreveu pedindo para que verificasse a quantidade de crianças do abrigo, onde meus filhos viveram por um tempo. Fiquei muito feliz com a iniciativa, principalmente por conhecer esta realidade de perto e saber que realmente necessitam de toda forma de ajuda. E ontem, pelo telefone, recebi de lá, cada detalhe... os nomes, as idades, a quantidade de crianças.

Peguei minha agenda, a caneta, e durante as anotações comecei a sentir uma espécie de dor misturada com indignação, difícil até em descrever... faltam-me palavras para tantos sentimentos. Foi cruel escrever esta lista, pois os nomes e rostinhos são conhecidos por nós e perceber que permaneceram por lá... Foi cruel relembrar as frases que ouvíamos quando chegávamos pra visitá-los, há dois anos:


_"Tia, me leva daqui tia, por favor."


_"Tia, você vai me levar pra ficar na sua casa?"


_"Tia, me adota".


Mesmo sabendo de toda a burocracia, de tudo o que envolve a adoção de crianças, principalmente crianças acima de quatro anos e que possuem irmãos, mesmo sabendo de tudo isso, eu realmente não esperava ouvir os mesmos nomes. Eles são os mesmos, mas agora, mais velhos.

Há dois anos, no Natal de 2009, antes de conseguirmos a Guarda Provisória de nossos filhos, estávamos neste mesmo abrigo. Dentre os presentes que havíamos levado, estava o da Stephanie, uma garotinha linda que mora lá com mais dois irmãos. O presente era um conjunto de maquiagem da Hello Kitty. Ela amou o estojinho!!! Gostou tanto que levou pra escola pra mostrar às amigas. E, claro, todas quiseram experimentar, principalmente o gloss.

Stephanie, então, ao voltar da escola, no outro dia nos encontrou e foi logo dizendo:


_"Tia, minhas amigas queriam muito usar e eu deixei. Mas deixei só um pouquinho, se não gasta, né?"



Já pararam pra pensar na quantidade de brinquedos que nossos filhos possuem?


E eu escrevo este post muito emocionada.

Como na história contada por Tom, para estas crianças, o portão continuou abrindo apenas de um lado.

≈≈≈

Portanto, Papai Noel, do fundo do meu coração, 


Desejo que crianças como estas, que vivem em abrigos, fadadas a esperar para que o portão abra para o outro lado, que aprendem a dividir o mesmo quarto com muitas outras, que carecem de afeto familiar, que se ajudam mutuamente... que elas possam sim, de alguma forma escrever uma história diferente. 


Desejo que possam continuar tendo esperanças, mas sem esperar por muito tempo. 


Desejo que pais, como nós, consigam adotar seus filhos e que possam sentir a mesma felicidade que vivemos hoje. 


Que o mundo seja mais justo e que eu nunca esqueça de ensinar aos meus filhos o verdadeiro valor da vida, em respeitar as necessidades do próximo e que isto, se eu conseguir plantar no coraçãozinho de cada um, será o presente mais lindo que um dia eu poderia almejar. 

Sim eu choro ao escrever estas palavras e fico muito tocada em relembrar esta fase, quando íamos visitar nossos filhos e tínhamos que os deixar e fechar o tal portão, ao sair.

≈≈≈

E nós? Fechamos o portão pra muitas coisas e sem querer, muitas vezes fazemos isso na educação e nos exemplos que damos aos nossos filhos.

Este foi meu Conto de Natal, meu desabafo e meu pedido para o Papai Noel,

Namastê, Mãe Pandora

Comentários

  1. Oi Ju, nossa obrigada por compartilhar mais este pedacinho da sua historia... Imagino como deve ser sofrido pra essas crianças. E como deve ser incompreensível para os pais que querem adotar e, por vezes, não conseguem fazê-lo por burocracia.
    Uma prima do meu marido tentou adotar uma criança aqui na Alemanha e não conseguiu por ter mais de 40 anos (e aqui diz-se que não deve haver ua diferença de idade entre mãe e filho de mais de 40 anos...).

    Beijo,
    karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Karen, a burocracia tem sua razão, mas não há como negar a frustração que uma mãe sente ao ouvir uma negação como esta que você citou, principalmente pelo motivo. O amor teria idade?? Obrigada pela visita!!
    Um beijo, Juliana

    ResponderExcluir
  3. Karen, assim que respondi seu comentário, peguei uma revista na sala de espera do médico que dizia exatamente sobre o fato de muitas mães optarem por ser mãe aos 40 ou acima de. Então, seria normal se elas também pudessem adotar, né? Um beijo!! Obrigada novamente pela colaboração!!

    ResponderExcluir
  4. Ai Ju, OOOO vontade de ter condicoes e ir la adotar todo mundo viu? Coracao de mae fica tao apertado com estas historias... Bjs.

    ResponderExcluir
  5. A gente fica mal mesmo... e infelizmente é a realidade de muitas crianças pelo mundo.
    Um abraço de mãe então, uma na outra, pra gente acalmar o nosso coração.
    Bj, Ju

    ResponderExcluir
  6. Ai, Juliana, esse assunto ´é tão delicado, né? Quanto mais o tempo passa pra eles, mais difícil fica de manter a esperança deles e isso é muito triste!
    Belíssimo pedido de natal!
    bjs,
    Marina

    ResponderExcluir
  7. Tem um lencinho aí? :-/
    Tenho sentido que pretendo agir, fazer algo.
    E esse post me iluminou.
    Gratidão!

    ResponderExcluir
  8. Que bom Bia!! Fico feliz que o texto tenha lhe trazido uma boa inspiração!!! Bjs, Ju

    ResponderExcluir
  9. Ei Juliana!! Que pedido nobre!! Eu sou mãe pela primeira vez de uma bebe de 3 meses e realmente coração de mãe fica apertado ouvindo essas histórias!! Você faz a gente refletir sobre muitas coisas!! Obrigada!

    ResponderExcluir
  10. Oi Ju, lindos seus textos.
    "Contos de Natal", desejo de todo coração que estas crianças e tantas outras espalhadas pelo mundo, possam ser acolhidas por uma mãe como você.
    Grande beijo
    Mônica Araújo

    ResponderExcluir
  11. ...emocionante... No more words for now......

    ResponderExcluir
  12. Estou tão apaixonada por sua historia que fiz um post falando do seu blog,acho que todos deveriam conhece-lo. Me tocou de verdade... Fico aqui me derretendo em lagrimas ...

    De uma olhada lá no blog
    http://maeparatodavida.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha