terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Sobre os micos de quem mora fora...


Kristiansand, Norway

Setembro de 2010. O marido parte para mais uma daquelas viagens a trabalho e eu fico com as crianças literalmente "ilhada", em Kristiansand, sul da Noruega. Naquela época morávamos em uma ilha perto da cidade e o acesso até ela era feito por um túnel enorme de 2.3 Km sob o mar que descia, descia, descia e depois subia, subia, subia. A ilha era linda, apesar do vento infernal, mas confesso que um pouco isolada demais. O mais legal com certeza é poder dizer: "Eu morei em uma ilha, rs".

A mudança de Oslo pra lá foi sofrida. Oslo é cosmopolita, internacional e consequentemente melhor preparada para receber imigrantes e Kristiansand, apesar de toda a beleza e charme, guardava um velado "receio" com recém chegados moradores.

Então, como o maridão passaria o fim de semana fora, decidi pegar a estrada e encontrar velhos e queridos amigos em Oslo, mas, aquilo que parecia fácil e tranquilo, na Noruega... foi diferente.

Por quê?

  1. O limite de velocidade nas rodovias de lá são baixos, o máximo que encontramos por lá foi 110 km/h., mas a maioria dos trechos na época estavam entre 60 a 80 Km/h, devido a obras. Então, uma viagem relativamente curta que duraria duas horas, foi feita em cinco. Uiiii!!
  2. Como eu estava dentro do território norueguês, não me   preocupei em   levar   os V Á R I O S documentos e papeladas que uma guarda provisória requer. Levei apenas os nossos documentos comuns.
  3. Toda mudança gera estranhamento, que gera ansiedade, que gera uma necessidade incrível e descontrolada em cantar as músicas do Pe. Marcelo Rossi em alto e bom som, dentro do carro. Sim, eu sei...
  4. Para uma viagem de cinco horas dentro de um carro com duas crianças, os lanchinhos eram mais que necessários e claro, como todo bom hábito norueguês adquirido, bananas estão sempre no cardápio e são tudo de bom que eu sei.
Fomos!!! Eu, Tom e Jobim e Pe. Marcelo Rossi, cantando muiiiiito.

Bom, como minhas loucuras e gafes já não são mais segredo pra ninguém, eu posso dizer que enquanto as crianças dormiam no banco de trás do carro, eu cantava emocionadamente e era tão emocionadamente que as lágrimas rolavam. Dá pra entender, né? Era o início da adoção, sem família por perto, marido viajando e mudança de cidade em um país lindo, mas muito diferente da nossa cultura.
Fala que entende vai...

Eu me sentia mergulhada no caos! E naquele dia benhê, peguei o CD e conversei com o Pe. Marcelo Rossi na rodovia norueguesa, dirigindo e cantando principalmente com as mãos.

E foi durante estas cinco horas de viagem, que resolvi fazer a paradinha do lanchinho e do xixi.

Parei o carro em um posto e logo ao lado parou um carro preto, com vidros escuros e quando menos percebi, havia um homem ao lado de minha porta, pedindo para que eu abrisse o vidro.

Brasileira, quase morri de susto. Olhei e disse em inglês: "Desculpa, mas eu não falo norueguês." O vidro continuou fechado.  Então, o homem, em inglês, fala: "Mas isto você reconhece?" E me mostra o distintivo...

Cara (como diz meu dentista), gelei. Eu pensei em mil coisas ao mesmo tempo,
T O D A S negativas. Eu pensava nos documentos que havia deixado em casa, pensava no marido que estava dentro de um avião naquele exato momento, pensava em sequestro relâmpago... Enfim, abri o vidro e a conversa delouco foi mais ou menos assim:

_Sua carteira por favor?
_Aqui está senhor.
_Você é brasileira, mas possui a carteira de habilitação norueguesa. Correto?
_Sim senhor, correto.
_Então isso significa que você esqueceu as leis de trânsito na Noruega?
_Não senhor. (Na verdade... Sim senhor!)
_Então, eu gostaria que me acompanhasse até meu veículo, para que assista um vídeo seu que fizemos enquanto dirigíamos no carro da frente.
_Heim? Vocês me filmaram no carro da frente?
_Sim senhora, durante trinta minutos. A câmera fica escondida e filma motoristas nas rodovias e estamos lhe filmando há trinta minutos. Você poderia nos acompanhar para assistir o vídeo?

Oi??
Eu só conseguia lembrar da cena eufórica de meu ser cantando e chorando com uma das mãos sempre pra cima... What a shame!

_Senhora? A senhora me acompanha até o carro?
_Mas eu sou realmente obrigada a fazer isto? (Gente, jamais entraria em um carro qualquer, mesmo vendo um distintivo. No momento, eu não tinha como saber se aquilo era ou não um golpe e não poderia arriscar a vida dos meus filhos em tal abordagem, certo?). Continuando...
_Não senhora. Seu receio é deixar seus filhos no seu carro? Eles podem lhe acompanhar para assistir.
_Não senhor. Mesmo levando meus filhos comigo, me nego a entrar no seu carro. Se eu puder fazer esta escolha, me sinto mais tranquila.
_Tudo bem, neste caso, preciso que escute algumas palavras e que me forneça seu endereço para o encaminhamento da multa.


TINHA A TAL DA MULTA... E QUAL SERIA O MOTIVO DA DOLOROSA MESMO?

Bom, eu havia sido multada por estar muito próxima ao carro da frente, pois lá, os carros, por lei, devem guardar uma distância bem maior que costumamos, por lei, fazer nas terras brasileiras.

_Ok!

Permanecemos os três, dentro do meu carro, durante mais trinta minutos, escutando uma aula sobre as leis de trânsito na Noruega, e mesmo assim, deixei o local com a sensação de que aquilo não era real, que poderia ser uma pegadinha ou uma tentativa frustrada de um golpe.

Na verdade não foi nada daquilo.

Após dois meses, recebi a "dolorosa" em casa. Um total de quase mil e quinhentos reais em multa, fazendo a conversão de Koroas para Reais. Nem compaixão, nem meu Mega Mico Vídeo que com certeza deve ter promovido muita risada aos policiais, não foi capaz de me livrar do dever e da dor de pagar toda aquela quantia por uma eufórica conversa comigo mesma em plena rodovia norueguesa.

Ah! Se descemos pra lanchar e fazer xixi? Acreditem... Não. Fiquei com tanto medo que resolvi tocar viagem, com as "bexigas cheias", mas certa de que estava protegendo com unhas e dentes os meus filhos.

E este foi o conto de hoje, gente...

Aproveito pra desejar a todos um abençoado Natal em família e que 2012 nos faça mais fortes e mais capazes, que seja repleto de boas novas e que o amor prevaleça sempre em nossos corações. Obrigada por todo carinho em 2011!!

Bisous!! Juliana

6 comentários:

  1. Háháháháháhá... ri mto!! Ainda bem que por aqui não filmam, senão ia ser cada mico...

    Acho que no seu lugar eu também não entraria no carro, ficaria com medo, mto medo, ui.

    Beijos e um lindo Natal p/ vcs tbém!!

    ResponderExcluir
  2. nossa...que coisa louca...rs

    feliz natal pra vcs...bjs

    ResponderExcluir
  3. Ju, que pânico, acho que no seu lugar tremeria até os fios de cabelo.
    Confesso: canto, falo sozinha, gesticulo enquanto dirijo e em outros momentos, acho que seria levada direto para o hospício...
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Ju, eu com a experiencia de policiais daqui, entraria no carro, com meus filhos na hora! Sei la, acho a policia daqui tao "militar" que nem discutiria, pensando que se fizesse isso viria coisa pior depois, rsrsrs.
    Diz a lenda, que um dos brasileiros aqui, falou no celular dirigindo, quando ele acabou a ligacao, em seguida recebeu outra e ouviu: Pare o carro senhor, o senhor esta falando no celular e isso e proibido aqui, rsrsrsrsr Imagina: o policial estava atraz dele, nao sei como acessou os dados pessoais (deve ser em alguma central) e ligou na hora pra dar aquele sermao e aplicar uma dolorosa tambem.
    Bjs. e boas festas pra voces!

    ResponderExcluir
  5. Oi Ju, estou aqui em um misto de risos e choros...pois apesar de achar engraçada, sei bem o sentimento que estava passando e pra falar a verdade, quantas vezes tb ja deixei meus meninos na Oslo International School e sai cantando e chorando ... as vezes de baixo de chuva, as vezes de baixo de neve sem rumo, sem marido ( pois assim como o seu estava viajando...) mas com um detalhe...sem a carteira dai...ainda bem que nenhum policial me parou! rsrs beijos minha amiga!!!

    ResponderExcluir
  6. Priscila Cobra Dore3 de janeiro de 2012 17:33

    Oi Ju!
    Nossa... q blog mais lindo! Parabéns pela sua coragem e obrigada por dividir tantas experiências maravilhosas com a gente.
    Já li todos os contos e estou me recuperando aqui das lágrimas e dos risos.
    Quando tem mais? Tô esperando asiosamente.
    Adorei de (re)conhecer.

    Bjos

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!