quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A guarda definitiva e a troca dos nomes

A história dos nomes de nossos filhos é longa, mas vou tentar resumir, pois vale a pena.

Tudo começou assim:

Há mais ou menos três anos, tive uma espécie de feeling e falei para o maridão que se nosso primeiro filho fosse menino, eu gostaria que ele se chamasse "Tom" (na verdade este é um apelido fictício para o blog, respeitando a privacidade dos mesmos) . Meu marido topou, eheh.

E naquela época, a gente nem sabia que a nossa história estava entreleçada a outras histórias, ou seja, que nossos dois filhos já haviam nascido, que cresciam e que se desenvolviam em algum outro lugar.

****

Durante este período em que ainda não conhecíamos afelicidadequeéserpaiemãe , muitas coisas aconteciam "do lado de lá", e um fato interessante aconteceu no dia em que foram fazer a Certidão de Nascimento de Tom. Foi mais ou menos assim... Quando os pais biológicos foram registrá-lo no cartório, queriam colocar um nome um pouco estranho no garoto. Mas o nome em questão já existia, pois eles tiveram um outro filho, mais velho que Tom e que fora registrado por este mesmo nome anteriormente. Como esta criança também foi encaminhada para a adoção, na cabeça dos pais biológicos esta era uma possibilidade, enfim...


Um dos funcionários do cartório explicou que aquilo não seria possível, pois colocar o mesmo nome em crianças nascidas de uma mesma família não é permitido por lei. Mas,  não ouve um entendimento da parte solicitante. Eles queriam, porque queriam aquele mesmo nome estranho.


Sem argumentos saída, o funcionário decidiu dar ele mesmo o nome à criança.  Escolheu o nome e o registrou assim, como Tom ( nome o qual eu já havia prometido para meu primeiro filho)

****

Jobim, o mais novo, já não teve a mesma sorte. Foi registrado por um outro nome estranho. Mas, felizmente ele mal conheceu este nome, pois recebeu das cuidadoras do abrigo, um carinhosos apelido. O que foi ótimo!


****

Mas a mudança de nomes deve seguir os trâmites legais. Primeiro você pede uma autorização para o juiz responsável pelo seu Processo. Somente após esta etapa é que você consegue fazer a troca, que deve respeitar o sentimento e o vínculo que a criança tem com o nome. No nosso caso foi fácil, mas se Jobim já tivesse algum vínculo com o nome, a intenção que tínhamos no começo era a de permanecer o antigo e acrescentar um novo, como um nome composto.

****

E foi assim que começamos o processo de mudança do nome, ou melhor, de um apelido, para simplesmente "Jobim". Tom foi quem estranhou quando começamos a chamar Jobim pelo novo nome, mas um belo dia, quando meu avô perguntou se o nome dele era o apelido, Tom foi logo respondendo:

_Não vovô Júlio, o nome dele é "Jobim", tá? Isso... é Jobim. 

A partir deste dia, nunca mais falou nada. Procuramos durante alguns meses manter o apelido, para que muitas mudanças juntas não prejudicassem sua auto-estima e segurança, mas aos poucos o apelido naturalmente foi sumindo. Hoje ele é o Jobim.


E tchan, tchan, tchan, tchan
Neste fim de ano no Brasil, pegamos o documento mais lindo que já vi:

A nova certidão de nascimento dos nossos filhos, com NOSSO sobrenome, NOSSA FILIAÇAO. 

Arrepiei, chorei... parece bobagem, mas foi a bobagem mais emocionante da minha vida.

Bisous, Pandora revirando a caixa...

14 comentários:

  1. Que linda história Ju e quantas mais ainda por viver. Com os filhos é assim né, a gente se emociona, chora, ri e sofre mas, da maneira mais plena e feliz que pode existir.

    ResponderExcluir
  2. Emocionante demais, confesso que fiquei toda arrepiada aqui também e com os olhos marejados...


    abraço,

    ResponderExcluir
  3. Juliana, bobagem? Acho não! Lnge disso! Parabéns pela certidão!!!
    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Nossa que emoção!! Parabéns!! Acho que só quem já passou pelo processo de adoção sabe o tamanho do valor desse papel com o nosso nome!!Passei duas vezes e digo é emocionante!

    ResponderExcluir
  5. Emocionante mesmo!!! É lindo ver uma família sendo feliz!!! #Sonho

    ResponderExcluir
  6. Bobagem? NÃO MESMO!! É uma linda história e obrigada por ter compartilhado, tbém me arrepiei... :D Bjos :*

    ResponderExcluir
  7. Obrigada meninas!!! Foi uma emoção fortíssima pegar a certidão. Um beijo, Ju

    ResponderExcluir
  8. Vc me fez chorar aqui!!! Que lindo tudo que vcs estão vivendo...

    ResponderExcluir
  9. Ju, fico muito contente em saber das conquistas de voces quatro! Muitas e mais muitas felicidades para voces, porque merecem! Sao um exemplo de perseveranca! Eu admiro voces! Bjo de alguem ta boca dos leoes! hehehe! Gorrr

    ResponderExcluir
  10. Vim conhecer o blog e gostei ...espero ca voltar mais vezes e que voce visite o meu cantinho tanbem =D
    Que bonita historia e coração voces teem viu.
    beijo

    ResponderExcluir
  11. Ju, parabéns pela sua família agora oficializada! E posso perguntar algo bem besta? Os nomes dos pais biológicos saem do papel ou ainda ficam lá? Se você quisesse nunca contar pros seus filhos que eles não são biológicos teria alguma maneira de eles descobrirem? Desculpe a curiosidade...
    E que maluquice dos pais biológicos hein? Querer colocar o mesmo nome em dois filhos?? Nossa!


    Beijo,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Oi Karen, não tem problema nenhum em perguntar, estamos aqui pra isto mesmo. ;-)
    Resumindo, fica assim: o nome dos pais biológicos foram substituídos pelos nossos nomes, bem como o nosso sobrenome substitui o antigo. No nosso caso, tratamos com muita naturalidade esta questão da verdadeira história, e pretendemos sempre poder responder as questões que eles vierem a perguntar...
    Um beijo grande! Ju

    ResponderExcluir
  13. Oi Juliana!
    Que lindo post.
    Muito legal a historia dos nomes dos meninos.
    Os nomes sao lindos mesmo. Tbe tenho um Gabriel.
    Beijao, querida e otimo domingo para vcs.

    http://blogdaclauo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Oi Claudia, obrigada pela visita!! Vou te visitar também, Um abraço, Juliana

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!