Pular para o conteúdo principal

Carnaval na escola suíça

Que a educação suíça é conhecida em todo o mundo e associada, muitas vezes, a um exemplo de conduta e de descrição, isto todos já sabem... E eu me lembro que estudei com uma menina suíça na Inglaterra, e quando tirávamos fotos de nossa turma, ela nunca sorria e ao ser questionada por isso ela respondeu que sorrir em fotos não era "comum" a ela... "Ah, tá, obrigada!! De nada !" 


Claro que tirando a visão generalista (aquela onde todas as pessoas de um mesmo país são obrigatoriamente  todas iguais), o que experimentamos no dia-a-dia aqui nos alpes é basicamente isto mesmo, elas sorriem sim, mas você necessita primeiro conquistar a confiança delas. 


E por falar em visão generalista, brasileiros expatriados sabem muito bem o que é isto. Olha, quero deixar claro que amo meu país, sou bem patriota e bairrista acima de tudo, mas quando me pedem pra sambar... hum! Começo logo o discurso, sabe aquele?... Meu país é enorme, tem praia, montanha, rios...
E agora, o Brasil além de estar em alta, no carnaval escutamos muito sobre nosso país por aqui. Primeiro, devido ao show das escolas de samba do Rio de Janeiro e segundo, que não se escuta outra música que a de Michel Teló "Ai se eu te pego, ...". Oi?!


Mas nada se compara ao desfile na "Sapucaí dos Alpes"! Ontem, a escola do "Tom" que possui duzentas crianças, organizou um desfile pela village com as alegorias, digo, os alunos, todos  fantasiados, uma graça! 


Quer conferir? Então dê uma olhadinha, tchan, tchan, tchan, tchan...


CARNAVAL pour les enfants:

Pois não é que nem no Carnaval tem bagunça?? "Bora" para o desfile...

O clima ajudou e os alunos puderam comemorar o carnaval pelas ruelas em volta da escola.


O bonequinho de neve na mão da criança em destaque,  era uma matraca. Esta parte do barulho foi legal!!! E era o único barulho... 

Sim, o cenário é de verdade!!! Estamos quase acima das nuvens...

É Carnaval!!!!


Olha a escola aeeee gente!!! 


Bom, se "euzinha" pudesse dar meus pitacos, eu acrescentaria alguns materiais reciclados e muitas, muitas doses a mais de animação (é carnaval!!!), mas, mãe acha graça em tudo o que o filho faz, né? 

Então, valeu!!!  Mesmo sem confete e serpentina...



Bisous gelados daqui... Pandora na Sapucaí!!

Comentários

  1. Que delícia Ju-Pandora!
    Adorei as fotos e o cenário! Aqui não temos nada sabia? Na-da! Nem encenação. Que pena! Mas eu fiz um carnavalzinho pra Beatriz aqui em casa. Ela se vestiu de passista de frevo! hehehehe

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Jú, porque será que o Brasil não consegue passar outras imagens para os outros países...é sempre a imagem de assaltos e bumbum de fora que prevalece.

    adorei o carnaval do frio...rsrs...

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Cintia, foi muito legal mesmo! Um beijão do frio de cá, Ju

    ResponderExcluir
  4. Ju, que engraçado... praticamente em fila indiana... ahahahaha

    Mas o que vale é a diversão e eu aposto que todos gostaram, né?

    Beijos grandes!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, bem diferente esse carnaval. Os chapéus me lembraram algo entre ajudante de papai Noel e mágico. Aqui, só ouvi falar uma vez em carnaval. Era uma propaganda de uma festa num pub, que prometia dançarinas brasileira e a melhor música CUBANA!

    ResponderExcluir
  6. Sapucaí dos Alpes hahaha. Ficaram lindos fantasiados!!!!! Tem mais é que achar graça na festa que o filhote fez!!! Que lugar lindooooooo! Bjocassss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha