Pular para o conteúdo principal

Como "gerei" meu Blog? Afinal eu tinha que gerar algo né?


Confesso!!!! 


Até 2009 os únicos blogs que eu acessava eram os de viagens e turismo. Outros blogs simplesmente não existiam no meu universo, até, nos mudamos para a Noruega.


Lá, senti a necessidade em compartilhar com a família e com amigos, todas as descobertas e experiências fantásticas que estávamos vivendo, então, criei o Simply Life, mas nunca tive a coragem de publicá-lo. Sabe, eu me sentia exposta, era muito estranho divulgar algo seu, coisas tão privadas (ai, ai). E assim... o Blog que nunca acordou, continuou dormindo... ronca blog...
***
Daí os cabelos mudaram... a vida mudou...
***
Pouco tempo depois, alguns meses após a adoção de nossos filhos, fomos até uma livraria em busca de livros, revistas, sei lá, alguma informação relevante sobre o tema. Mas tudo estava muito restrito. Eu encontrava o assunto  sempre vinculado a uma religião ou coisa parecida e na verdade eu queria ler sobre vivências, experiências que deram certo e até mesmo sobre erros que poderíamos evitar. Eu queria "trocar figurinhas"... E foi então, que dentro de uma das livrarias no Brasil, uma vendedora me perguntou:


_Você pretende adotar?
_Na verdade eu já o fiz, tenho dois filhos. Mas eu gostaria de ler mais, saber se estamos no caminho certo, trocar experiências, enfim...
Ela me respondeu:
_Então, se você já tem esta vivência, comece por você. Escreva um livro sobre o assunto, isto pode ajudar muitas outras famílias que procuram por este tema, assim como você o faz agora...


Bom, a ideia era boa, mas a coragem, não. Eu saí da livraria com a sensação de que eu não poderia "ensinar" nada a ninguém e que escrever seria uma grande pretensão de minha parte...


E o tempo foi passando. 


Outras pessoas me incentivavam e eu jamais me imaginava nesta função. Então, comecei a perceber que o que era comum pra mim, não era para outros. Em conversas casuais, percebi que respondia muitas perguntas sobre adoção e tudo o que envolve este assunto. Amigos, família, vizinhos, amigos dos amigos... TODOS.  As perguntas eram cada vez mais recorrentes e eu sempre falava sobre a mesma coisa, em todos os lugares e isso me chateava um pouco. Eu não era um Manual, era uma Mãe tentando aprender a ser Mãe. E tenham certeza, também ouvi MUITA besteira, muito preconceito velado... 


Assim começou a gestação do meu Blog!!! 


Na tentativa de registrar em detalhes tudo o que vivemos e poder compartilhar nossas descobertas com os amigos e com a família que moram tão longe da gente. Também foi uma forma incrível de quebrar paradigmas, de vestir a camisa e assumir erros e acertos, sem racionalizar demais.  É um diário incrível... 


Aos poucos, o blog começou a ganhar corpo e eu, fui aprendendo a perder o medo da exposição, fui me livrando de algumas neuroses adquiridas ao longo do caminho. Foi bom!! hummmmmm... 


E eis que ele nasce... 


Posso dizer com toda a certeza que meu blog nasceu realmente no dia em que o texto: Histórias ao Contrário foi publicado no Portal MMqD. À partir daquele dia fiz várias amizades virtuais, conheci outras mamães com as mesmas dúvidas e dilemas que os meus e tive a maior das minhas surpresas: Receber  e-mails de outras mulheres que possuem algum tipo de dificuldade para engravidar ou que pretendem adotar e  que chegaram até o blog pelo Portal e por indicação de profissionais (psicólogos e assistentes sociais)!! Legal, né? Tenha certeza, esta foi a mais agradável, inesperada e a maior surpresa desde o nascimento do Blog.



E agora?? Ah, agora o grande desafio é: 


Ver o desenvolvimento saudável desta criança (o blog) e que este grande arquivo, um dia se torne um grande presente para a história da nossa família. Que nossos filhos tenham orgulho em possuir a história que possuem. 


E como de praxe, 


Bisous, Pandora... "Vestindo a Camisa 2"





Comentários

  1. Jú...eu sou sua fã e fã do blog e fã das coisas que esceve e....

    bem, deixando a tietagem de lado, realmente gosto muito desse cantinho e pode ter certeza, já aprendi muito por aqui...obrigada por ter decidido dividir com a gente essas lindas histórias de mãe e filhos...é como se estivessemos sentada no quintal, conversando, entende?!!! Adoro!

    Bj

    ResponderExcluir
  2. Vim parar por aqui através do blog da Dani e de cara já conheci um resuminho da sua história de do blog! Muito legal.
    bjus

    ResponderExcluir
  3. Ai que lindo! Acho que vc foi a única que li que falou sobre a gestação do blog, como contei na minha postagem, o meu não foi "gerado" foi de supetão mesmo! Adorei seu relato! Bjão grandão!

    ResponderExcluir
  4. Ju(de tanto vir aqui no seu cantinho, já me sinto intima rsrs), a forma como você escreve é unica, por isso que não perco um post seu, além de ficar fuçando e lendo os posts antigos rsrs, sempre me emociono. As historias que você conta aqui deveriam ser publicadas mesmo, um livro não seria uma má ideia, eu seria a primeira a comprar. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. OI Juliana,
    adorei a sua históra. Amei a ideia ter surgido em uma livraria.
    É cansativo mesmo repetir sempre a mesma história.
    A blogosfera é lugar onde encontramos muitos amigos, muitas pessoas com interesses em comum.
    O meu blog não passou por uma período de gestação, ele simplesmente nasceu. E eu totalmente despreparada. Mas fui aprendendo e continuo a cada dia parendendo mais nesse universo.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Meninas, obrigada por visitar meu cantinho e pelos incentivos!!
    Um beijo grande em cada uma, e "tamujunto"!!!
    Cris, vou lá conhecer seu espaço, obrigada pelo carinho, Juliana

    ResponderExcluir
  7. Olá! Gostei da história e do blog.
    Todos somos mestres uns dos outros! Sempre temos algo a aprender e a ensinar (e também mudra e aperfeiçoar pensamentos e ideias!)

    Se quiser ler a minha
    http://www.alinedexheimer.com/meu-mundo-virtual.aspxBeijos,Aline

    ResponderExcluir
  8. Nossa Jú! Então eu conheci seu blog recém-nascido, no dia do post do MMqD. Só que quem chorou depois do parto foi eu! hahahahah

    beijo

    ResponderExcluir
  9. Adorei o relato!
    Agora vou passear pra conhecer mais sobre a sua história!
    Bjo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha