Pular para o conteúdo principal

Extra!! Extra!! PROCURA-SE co-autores!!!


E para entender melhor como funciona esta dinâmica entre pais e filhos adotivos, leia este pequeno trecho do livro "Compreendendo o Filho Adotivo", de Luiz Schettini Filho:

O filho adotado não vem de fora; vem de dentro, do mesmo modo que o filho, biologicamente gerado, vem de dentro e não de fora. Se a adoção se efetiva, em muitos casos, como conseqüência de transtornos biológicos, fisiológicos ou psicológicos, a geração biológica de um filho nem sempre ocorre dentro dos padrões ideais de expectativa. Isso nos leva a pensar que, certamente, não seria estranho, usar a mesma expressão para as duas situações: tanto os que têm filhos biológicos quanto os que os têm por adoção geram, verdadeiramente, seus filhos. A inexistência dos laços genéticos não invalida as relações parentais. 
Procriar é uma condição dada pela natureza; criar é uma responsabilidade no âmbito da ética entre os homens. É nessa relação que identificamos um dos momentos cruciantes da estabilidade humana: o desnível entre criar e procriar. Procriar é um momento; criar é um processo. Procriar é fisiológico; criar é afetivo. A adoção do filho se insere exatamente aí: na atitude e nos atos de criação no sentido físico e afetivo. O filho, que era sonho, e por ser sonho, tinha a condição fundamental de ser realidade, afirma-se como filho, não pelo processo biológico e fisiológico do nascimento, mas pela adoção afetiva dos pais que, incondicionalmente o amam.

Para que o filho veja os pais adotivos como os seus verdadeiros pais, nada mais é preciso do que a convivência que supre, que permite trocas, que proporciona a oportunidade de ouvir e de falar, de tocar e ser tocado, de chorar e ser consolado.

O filho adotivo tem, muitas vezes, dificuldade de aceitar a aceitação. Não é fácil para ele receber seja o que seja, inclusive afeto. Receber é sinônimo de impotência, de falência pessoal. Até que se perceba dando alguma coisa, inclusive afeto, fica difícil para ele ver-se como sujeito. Por um tempo, se questiona; percorre o caminho da dúvida entre ser objeto e ser sujeito.


Pois é, nós e muitos outros pais que optaram pela adoção, observamos muitas vezes que independente do fato de termos nossos filhos de uma forma diferente, possuimos também, como todas as outras famílias, os mesmos desafios da educação, do desenvolvimento saudável, acrescentando então, o fato de que, nós pais, temos que nos preparar com muita responsabilidade e maturidade, para as perguntas, as inseguranças que surgem e que nos ensinam e nos tornam cada vez mais fortes e mais certos de nossa escolha.

Eu, Juliana e meu marido, aprendemos diariamente a lidar com estas situações e diga-se que em toda aprendizagem, há erros, há acertos... Não temos o manual, a receita, mas a construção tem sido de uma forma saudável, creio eu. E você percebe se está no caminho certo através das conquistas que têm alcançado e das evoluções que percebe.

E hoje, eu compartilho com vocês a construção desta relação, sob o olhar de "Tom" (5a9m), onde ele narra através de seu desenho, uma estrutura sequencial de uma história, que segundo ele, é como todas as histórias começam.

Peguei o desenho (que por sinal estava lindo e muito bem detalhado, mãecorujababaotempotodo) e perguntei:

Detalhes: o nome que ele escreve e que mamãe baba... o caminho brilhante até chegarmos em casa... 
_O que você desenhou filho? Perguntei.
_Desenhei uma "carte" (mapa) que mostra a história de como as pessoas encontram com seus filhos. 
Neste momento, fui perguntando sobre cada detalhe e pedi licença para descrever a narrativa, no próprio desenho.
_Ah tá! Mas todas as pessoas tem histórias assim? Perguntei.
_Sim... 
_Mas, vamos pensar juntos. Será que os filhos da sua madrinha também têm esta história? Perguntei.
_Nãaaao, rsrsrs. Eles nasceram da barriga dela. Respondeu.
_Sei... então as pessoas podem ter histórias diferentes? 
_Siiiimm. Respondeuesboçando um sorriso seguro, contente, natural.


***


Hoje, quero fazer um convite. 
Existem milhares de histórias sobre adoção que podem e devem ser compartilhadas, mesmo que anonimamente. E este é meu maior objetivo com o Blog, ser um veículo para trocar ideias, auxiliar, motivar outras famílias para uma Adoção madura e responsável.

Portanto, quero convidar outras mamães a compartilhar seus relatos de adoção aqui, para que este espaço auxilie outras pessoas, outras crianças... então, se você quiser contar sua história aqui no blog, acredite, poderá ajudar muita gente. Ah!! Este convite também está aberto para todos e se tiver um blog, melhor ainda!!


Ficarei muito feliz com sua participação! Conto com você!



Bisous... Pandora "A União faz a Força"!!

Comentários

  1. Jú, que coisa linda...que iniciativa importante.

    Gostei muito...

    bj

    ResponderExcluir
  2. Que lindo o mapa do Gabriel, esse garotinho é muito especial, único. Muito legal sua iniciativa Ju.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Ju, que lindo, pra voce ver como são as coisas...pra você, uma pontada no coração pensar em como responder ( resolver ) essa situação sem causar alguma dor, brilhantemente ( com muito amor) voces estão conduzindo (escrevendo) uma historia linda que pra eles, tem sido simples assim...como o mapa ( muito bem desenhado por sinal), sejam sempre muito felizes minha amiga!!! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Me emocionei com o desenho Jú. Que lindo!!!
    Me interessei pelo livro também, vou procurar por aqui.
    Ainda não tenho histórias para compartilhar no seu Blog (com letra maiúscula sim, é um "senhor Blog"), espero ansiosamente para tê-las.
    Beijo Jú.
    Gisele

    ResponderExcluir
  5. oi ju...amei de verdade o seu blog,to de cara com as coisas q vc descreve da tua vida depois de deus ter te dado as razoes da tua vida.Eu me indentifico com quase tudo q vc vive pq como vc sabe tb sou filha adotiva,mas nao tenho problemas com isso,pois fui muito amada...lembrei da nossa infancia era tudo de bom,mococa,fazenda do tio julio,nossa voltei la traz...a gente estudando juntas,subindo da escola e lanchando aqui em casae vc dizendo q a cozinha da minha mae era linda q um dia vc ia ter uma igual...E hj com certeza vc tem mais q isso,tem uma familia linda,digno de vc q tb é linda e especial...olha se precisar de alguma coisa manda pra mim no facce,vc pode ter algumas duvidas sobre seus bebes q eu ja tenha vivido.Ah uma coisa q eu odeio ate hj é qndo o teu tio toninho fala pra alguem perto de mim q eu sou filha de criaçao...odeio com todas as minhas forças,pois a pessoa começa a olhar pra mim com cara de dó,é a morte...mais eu relevo eli nao sabe o q eu sinto,nunca descrevi pra ele kkk.bjos amiga e prima felicidades aii.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ju Pandora, mais uma vez parabéns pela iniciatia!! E que lindo e emocionante o desenho do Gabriel :D Se vc quiser posso divulgar no meu blog - mas não fique muito animadinha pois é um humilde bloguinho c/ míseros leitores diários, hehehe. Bjos :*

    ResponderExcluir
  7. Ai, comi uma letra, na primeira frase leia "... parabéns pela iniciativa..."

    ResponderExcluir
  8. Ah, mais uma coisa, escrevi míseros no sentido de escassos (e não de miseráveis como algum maldoso pode pensar) :D

    ResponderExcluir
  9. Que bom que gostaram e tenho certeza que podem muito me ajudar!!
    Lu, já te escrevi de volta, lindo!!!! Amei seu comentário!!! Me emocionei muito!!
    Gi, estou de dedinhos cruzados!!!
    Patrícia, ahhhh, que delícia!! Seria muito legal se você o fizesse por mim, obrigada!!! Um beijo gente e obrigada!!

    ResponderExcluir
  10. Puxa Ju me emocionei com o desenho do Gabriel!!! Que lindo! Sabe ainda não tinha pensando nisso, vou pedir pras meninas fazerem um desenho tb! Acho que pelo fato delas terem vindo bbs e direto não falam muito sobre o assunto. Bjks Ahhh vou escrever a nossa historia tb!!

    ResponderExcluir
  11. Pri querida, sua história será mais que bem vinda!! Que legal!!
    Escreva sim, estou esperando, tá?
    Obrigada, beijão, Ju

    ResponderExcluir
  12. Ju, que sutileza a pergunta dele. E linda a forma como você o levou a pensar se todos tinham a mesma hitória. Espero que a iniciativa dê muitos frutos.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Ahhh eu chorei ao ler o que o Gabriel falou para voce! Acompanho sempre suas histórias! Beijos, Gor em um dia FELIZ na Angola

    ResponderExcluir
  14. Oi Ju sempre me emociono com seus contos. A adoção faz parte da minha vida pois a minha mãe também foi adotada e ela sofreu muitos preconceitos, vc imagian há 50 anos atrás como isso era.

    Outro dia passou uma reportagem aqui em Ribeirão Preto sobre adoção e fiquei chocada por saber que muitos pais " devolvem " as crianças pois não se acostumaram. Fiquei triste, revoltada . Seu post é brilhante e lindo, transborda amor, caráter, generosidade. bjs

    Daniele

    ResponderExcluir
  15. Ju, amo seu blog e tudo que voce escreve, nao canso de te falar isso. E por isso nao gosto de mostrar preferencia por nada - mas tenho que admitir que esse post foi o meu favorito! Fiquei toda arrepiada, ao enxergar com os olhos de Gabriel, a trajetoria que eles seguiram ate encontrar o pote de ouro no final do arco-iris... Sim, porque é assim que ele ve a vida deles hoje, como uma grande recompensa! E nao sei o que me emociona mais: A sua força e dedicaçao como mae ou ver que esses seres tao pequeninos ja sabem valorizar tudo o que voce proporciona para eles. Parabens para toda a familia, o amor transborda por todos os lados!!!

    ResponderExcluir
  16. Obrigada meninas, de coração!
    Ainda estamos aprendendo muito, a cada dia e com eles. Lucas e Gabriel são dois presentes enormes que recebemos da vida. Ainda nos pegamos surpresos com tamanha profundidade dos acontecimentos e temos, sim, um amor que transborda. Não aquele amor mimado, cheio de querer, mas aquele que está atento, que quer auxiliar, fortalecer, preparar...
    Obrigada a cada uma pela força, isto tem feito muita diferença no dia a dia. Precisamos umas das outras, a amizade, mesmo que virtual, é verdadeira, recíproca. Bj, Ju

    ResponderExcluir
  17. Ju... eu sou apaixonada por esse tema, não sei se posso ajudar, mas dá uma olhada nesse texto:

    http://laviniacostamonteiro.blogspot.com/2011/11/o-ganso-e-show-de-bola.html

    Beijão Lavínia!!!

    ResponderExcluir
  18. Oi Ju, escrevi o post sobre seu blog e te mandei em um e-mail com o título "Post no Filho da Mãe! (e do pai também...)". Aguardo resposta, bjos :*

    ResponderExcluir
  19. Ju
    Fiquei impressionada com o desenho! Acho muito bom que ele consiga falar de sua história através de um desenho !
    Bjos
    Iza

    ResponderExcluir
  20. Fiquei emocionada com o seu texto e a forma como conduziu cada etapa. Se todos fossem como vc, ahh, o mundo seria outro.

    Bjus e ótima semana

    ResponderExcluir
  21. Rafa, obrigada!!
    Na verdade a gente está aprendendo com eles, aos poucos. Por enquanto, acreditamos que estamos no caminho certo. Obrigada mais uma vez!! Juliana

    ResponderExcluir
  22. Juliana, sua história de maternidade é linda e não me canso de ler sobre ela... Mandei o link do seu blog para uma amiga que também tem uma história muito bonita, até já comentei sobre ela no meu blog (http://mensagensdemae.blogspot.com/2011/07/dos-diferentes-tipos-de-maternidade.html). Espero que ela se anime em contá-la pra vc!
    Bjs

    ResponderExcluir
  23. Ju, eu tenho uma historia dentro de nossa casa. Se quiser publicar, me diga.

    beijo

    ResponderExcluir
  24. Cintia, quero sim!! E contada por você deve ser uma delícia de ser lida!! Você me envia por e-mail? Obrigada, bj, Ju

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos , renasce, literalmente.  Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013 , é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho.   P a r a b é n s L a r a !!  Voilà, o conto: Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM:  Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras... Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, mu

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe