Pular para o conteúdo principal

INCLUSÃO, UM PRIVILÉGIO EM CONVIVER COM AS DIFERENÇAS - 21 de março, Dia Internacional da Síndrome de Down

Síndrome de Down é uma ocorrência genética natural, que no Brasil acontece em 1 a cada 700 nascimentos e está presente em todas as raças. Por motivos ainda desconhecidos, durante a gravidez as células do embrião são formadas com 47 cromossomos no lugar dos 46 cromossomos.
O material genético em excesso (localizado no par 21) altera o desenvolvimento cognitivo e físico dessas crianças, jovens e adultos com Síndrome de Down.
Comemorar esta data tem como objetivo chamar atenção da sociedade para celebrar a vida das pessoas com Síndrome de Down e enfatizar a importância da Inclusão na Sociedade, conscientizar para uma mudança de atitude, defendendo os direitos humanos, valorizando a diversidade e promovendo a dignidade.
Ter uma filha(o) com síndrome de Down, nos dá a oportunidade de melhor nos conhecermos e de amar loucamente alguém diferente e especial.   

Por: Celso Augusto


E este fofo aqui na foto, é o Miguel, filho de minha amiga Karine, que veio aqui hoje 
deixar este espaço bem alegre e lindo, como ele é!! 


Miguel

Miguel
Quando você nasceu, sentimentos como ansiedade, incertezas e inseguranças povoaram nossas mentes.
Mas isso tudo foi logo substituído por um único sentimento: o nosso imenso amor incondicional por você!
E as lágrimas de tristeza , que um dia derramamos, são hoje lágrimas de alegria !
A alegria por ver como você é um vencedor ao superar todos os obstáculos e por nos surpreender a cada conquista!
A alegria por saber que, apesar das dificuldades, você é capaz de grandes vitórias, mesmo que demore um pouquinho mais, mas você é guerreiro e sempre chegara lá!
Alegria por ver o quanto tenho aprendido com você a ser um ser humano melhor!
Alegria por saber que DEUS me deu o privilégio de ser sua mãe!
Agradeço a DEUS todos os dias por você fazer parte das nossas vidas!
Te Amamos de maisss!!!!
                                                                   karine ivo ribeiro leite (karyleite@hotmail.com)




                                           21 de Março 
          Dia Internacional da Síndrome de Down!!!





Comentários

  1. Oi Ka, a gente aprende o tempo todo né? Obrigada por compartilhar esta declaração de amor linda pelo Miguel e por esta causa. Valeu!! Beijão, Ju

    ResponderExcluir
  2. Essas crianças são especiais por deixarem a vida mais cheia de amor...

    bj

    ResponderExcluir
  3. Ai que lindo.... que linda foto... que lindo o Miguel...

    Imagino que receber a notícia deve ser difícil, especialmente por pensarmos nas dificuldades que esses pequenos terão durante a vida, mas quando tratados com muito carinho e envolvidos em um ambiente com muito amor, tudo fica mais fácil, mais colorido, mais alcançável.

    Que Deus proteja o Miguel lindão e sua sua família!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Ju, uma pergunta nada a ver com o post: como vc coloca a marca d´agua na foto? Vc usa algum programa especial, ou só o paint (e se usa o paint, como vc faz, vc pode me ajudar??).

    A Aline, mãe blogueira me falou que coloca pelo paint, mas eu não consegui falar com ela depois, será que vc consegue me dar o caminho das pedras???

    Meu e-mail é
    danirabelo@terra.com.br

    se vc puder me mandar como faz, eu agradeço, mas se não puder, tudo bem tbm!!! Viu?

    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  5. Ju,
    Que linda a homenagem ao próprio filho. Um aprendizado constante com as crianças. E viva a inclusão, que todos os países possam avançar mais e mais em relação a essa questão, a toda diversidade que existe.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Que visita especial, lindo o Miguel!
    E maravilhoso o depoimento da mamãe dele! Eu li em algum lugar que só pessoas especiais recebem a dadiva de ter filhos especiais! Achei lindo!
    Karine vc é especial, cuide bem desse anjinho lindo!
    Bjos!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha