Pular para o conteúdo principal

Um quebra-cabeça de mim mesma...


Não, não é a toa que no título do blog tem o nome "Pandora". Ele foi propositalmente criado, para ilustrar a figura de uma mulher/mãe que tira de sua caixa, todos os sentimentos possíveis e imagináveis e claro, nem sempre tudo são flores e um mundo cor de rosa. Às vezes nem tem cor...

E antes de sermos mães, somos mulheres. Somos pessoas que se constroem o tempo todo.

Que coisa, né?  Chega a ser engraçado pensar que sempre estamos em um processo interno de mudança, de crescimento interno. Parece estranho pensar assim, mas a Juliana que iniciou este blog há oito meses atrás, não é a mesma que o escreve agora. Mudei, engordei, emagreci, operei, ri, chorei, falo mais francês que antes, mais bobeiras também. Antes, jamais me imaginaria gravando um vídeo para a blogosfera e eu o fiz. E o início do blog, então? Nossa, quando o iniciei, o fiz timidamente, com medo de tudo e de todos. Ainda tenho um medinho, claro, mas aprendi a confiar e principalmente a valorizar cada pessoa que está ali, ao lado, no cantinho dos seguidores. Pessoas que me visitam e curtem o que eu escrevo e as vezes, nem curtem tanto, mas que reservam um tempinho de sua rotina pra me ler, pra escrever sobre algo... E os comentários? Um dia li em algum lugar que "um post sem comentários era como se uma pessoa falasse sozinha"... e é verdade né? Adoro receber opiniões, trocar ideias.

E pensar que antes disso tudo acontecer, eu nunca havia seguido um blog e agora leio vários... enfim, não dá pra negar que a vida da gente anda e a gente acompanha, mudando de opinião e quebrando paradigmas.

Também jamais imaginei que com a ajuda do blog, pudesse beneficiar positivamente outras histórias e me emociono muito ao perceber que pelo menos um pouquinho de minha parte eu tenho feito. Isso é bommm... Mas há quem o diga que é muita exposição. E é! FATO. Mas escrever um blog ou ler um blog é como estar em uma roda de conversa, onde você ouve lê, coloca sua opinião, dá um incentivo, um alô, um abraço, faz um convite para uma visita, enfim, é uma troca. Eu exponho sim,  o que está dentro de mim, o que me pertence e que de alguma forma, pertence ao outro que me lê. Meu blog é assim... eu escrevo sobre tudo: Maternidade, culinária, experiências, sentimentos, adoção. Tem de tudo, pra rir e pra chorar!!

Sabe, hoje eu estou com SAUDADE...


Desde que casei e sai de Minas, há oito anos, morei em muitos lugares diferentes, cada um com uma peculiaridade. Em Rio Claro, interior de São Paulo, em Blumenau, Santa Catarina, em Oslo, na Noruega e agora, na Suíça. Sem contar que minha infância foi em Mococa, SP. Bom, dá pra imaginar quantas coisas vividas, quanto aprendizado e quantas coisas sinto falta... Voilà, saudade

  • Dos amigos que passaram por minha vida e deixaram um pouquinho deles, em mim. 
  • Dos lugares lindos por onde andei...
  • Os sabores que experimentei... 
  • Das esquisitices que estranhei...
  • Das pessoas que queria ligar agora e dizer: "vem aqui em casa, eu faço um "bolin" com café e um pão de queijo pra gente papear...
E eu sinto muita falta da família... dos irmãos... dos sobrinhos... Sinto falta de quando a família era "normal", unida. Quando o que importava era apenas estarmos todos juntos.

E tudo muda, o "meu quebra-cabeça" também tomou formas mais complexas. 

Agora, pra me jogar você precisa me entender, respeitar meu ritmo, meu enredo. E ah, ter paciência, pois talvez você não encontre algumas peças... elas podem estar perdidas por aí, até mesmo empoeiradas embaixo de algum móvel pesado demais para removê-lo. Outras, pode ser que nem façam sentido, não combinem com a figura como um todo. Me perdoe, meu jogo é assim mesmo. 

Talvez você não me decifre em uma tentativa de me construir. Pode ser que leve um tempo e talvez, você goste ou não goste da figura final. Se gostar, ótimo!! Mas se não gostar, não desanime, ou meu jogo, ou você, não estavam em um bom dia. E acredite, eu também tenho dificuldade em montar meu próprio quebra-cabeça... 

SAUDADE...

Bisous, "Pandora Super Ego" susurrando no ouvido: "E quem foi que disse que seria fácil?"...

Comentários

  1. Juuuuu. posso ser a primeira a "expor" um comentário???
    Você escreve muito bem, encurta o "caminho" das nossas conversas (entre amigas, seguidoras, admiradoras, o que seja!). Nos proporciona momentos de descontração, alegrias e reflexão, além de ajudar (e muito) as pessoas.
    Ainda bem que hoje em dia temos internet para podermos ficar assim tão próximas.
    Obrigada por dividir seu blog conosco e eu quero estar la na fila de autografos quando ele virar um livro.
    Quando der, vem aqui em casa comer um paozin de queijjjj recheado de requeijão caseiro? (o requeijão é um luxo, heim? rs
    Beijos! Monica

    ResponderExcluir
  2. Monica, obrigada amiga!!! Você é demais!! E eu quero o pão di queij sim, heim? Bjão

    ResponderExcluir
  3. Ju,
    Que bacana esse post. Me identifiquei um tanto. Como a gente se apega as pessoas, como vira uma rotina escrever, querer compartilhar um tanto da nossa vida.
    Se expor, acho que faz parte! Agora o que não deixo de fazer é ser sincera, mostrando realmente a vida como ela é...rs
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  4. Compartilhei um pedacinho de seu texto que tem muito a ver com minha fase atual. Adorei! Beijo da fiel leitora, Gisele.

    ResponderExcluir
  5. Querida, AMIGA! Vc é uma fofa, uma QUERIDA mesmo, meiga, gentil, simpática, honesta, transparente, suuuper centrada, extremamente carinhosa, feliz, agradável, escreve bem, fala bem, é uma mulher e tanto!!!

    Agora, fato é que todas temos nossos dias viradas, nossos dias saudosos - e eu tenho saudade de mta coisa que já passou, que não posso ter de novo, não precisa morar longe para sentir falta da família, sabe? Mas é assim, a gente vive e cresce com essas dores que invariavelmente, chegam e nos arrebatem. Esses momentos mais down ou de busca (nossa busca, interior) são fundamentais para nos encontrarmos, nos encaixarmos. Eu, particularmente, acho bom saber que vc é humana, que tem seus defeitos, que tem seus dias chatos, de querer ir embora, de querer ficar sozinha, pq acho que o que faz alguém querer ler e comentar nossos textos, é, fundamentalmente, servir de exemplo para alguma coisa, qualquer coisa que seja, e saber que aquela pessoa que estou lendo é tão humana quanto eu me deixa mto mais à vontade para comentar do que quando leio blogs de acessos mil e muitos seguidores, em que a blogueira-mãe se coloca em um pedestal de felicidade e perfeição. Isso não existe, eu não acredito em vida feliz o tempo todo e quando eu só leio textos positivos, felizes, alegres, tudo é lindo, meus filhos são uns anjos, nunca tive problemas em casa, nem com eles, na escola, nem financeiros, e sou perfeita.... esquece. Nem volto.

    Obrigada por ser transparente, simpática, amável e querida!

    Vc é uma fofa e eu adoro seus textos, adoro ler o que vc escreve e recomendo o seu blog para um montão de mulheres que eu conheço que sei que vc pode ajudá-las. Pq vc ajuda, acredite!

    Beijos grandes, pandora-mulher-mãe!

    ResponderExcluir
  6. Dani, você é o "princípio ativo" que eu estava precisando hoje minha linda!! Vc é demais!! Bisous

    ResponderExcluir
  7. Ju me sinto tão a vontade no seu blog, que é como se eu te conhecesse pessoalmente, um bate papo mesmo, são sempre historias tão deliciosas, que prendem agente, me sinto presa aqui no cantinho das suas seguidoras e o mais gostoso é que me sinto presa pela vontade de ficar, sem nenhuma obrigação, pelo prazer de te fazer companhia! Obrigada pelos momentos que vc me proporciona aqui!!

    ResponderExcluir
  8. hahahahahahahahaha adooorei o princípio ativo... agora estamos falando a mesma língua, Ju... ahahahahah adorei!!!

    Beijos, beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi Celi, eu também penso como vc!! E o barrigão? tá quase né? Um beijão, Ju

    Aline, que bom e super obrigada pelo carinho!!

    ResponderExcluir
  10. Jú, lendo seu post me lembrei do dia que fui comer o verdadeiro pão de queijo mineiro no seu apto (minha eterna vizinha), me lembrei do dia que vc foi embora de RC e me deu um aperto no peito, mas com a alegria de saber que era para uma experiência melhor.
    E quando vc veio aqui no ano passado, com os olhos brilhantes e uma alegria contagiante por todas as alegrias que vc havia vivido nos ultimos anos, foi reconfortante. Essa é a perfeição da vida, dar, tirar, cair, levantar, mas sempre com um brilho de amor e esperança no olhar. Sempre te admirei como pessoa, e cada dia desvendenado mais um pedacinho da sua história minha admiração só aumenta. Beijo grande e muita luz!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos , renasce, literalmente.  Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013 , é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho.   P a r a b é n s L a r a !!  Voilà, o conto: Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM:  Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras... Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, mu

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe