Pular para o conteúdo principal

E a vida... vrommm, tá corrida!!

Queridos(as) amigos(as) virtuais... de verdade, a gente se apega aos textos "dazamiga" e me pego várias vezes pensando nelas, gente que leio e nunca encontrei pessoalmente, mas que me fazem sentir  saudades... Talvez isso seja algo novo da nossa geração e confesso que me tornar blogueira foi um passo muito importante em minha vida. Aprendo muito e reflito o tempo todo... Fico gargalhando e chorando aqui, (eu e meu amigo computador) e trocar figurinhas com esta turma é muito bom!!

Acontece que com o crescimento dos meninos, a vida também tem tomado novos rumos e agora, a agenda desta turminha do barulho está ENORME.

Além das aulas de esportes (vários), agora eles iniciarão aulas de música. Ah! Entre estas e outras aulas extra-escolares, tem também a psicóloga uma vez por semana em Lausanne...

E a mamãe aqui? Oras, a mamãe teve que "se virar nos trinta" e retirar o Inglês da jogada... Claro que o continuo usando deveras com alguns amigos, mas, agora os amiguinhos da escola que só falam Francês começaram a frequentar nossa casa e claro, eu tive que partir para o ataque na aprendizagem do Francês fluente, sabe aquele que você não fica com cara de "Hã", toda vez que vem alguém fala com você...

Então, para conseguir esta façanha de trazer amiguinhos dos filhos para casa e conversar "pelos cotovelos com eles", eu vou nada menos que três vezes por semana nas aulas de Francês e com isso, me vejo sem muito tempo para fazer o que mais gosto, que é ler, visitar os blogs "dazamiga", falar um oi, comentar... Claro que estarei sempre por aqui e acolá, mas queria muito dizer a todos os que passam por aqui, que NÃO, não é falta de vontade e sim, é a vida corrida que todos nós temos, mas que me pegou em uma fase de muito investimento linguistico e que não me permite tanta flexibilidade.... Mas isso não é um abandono, hã? Não, não... isso é apenas para justificar minhas ausências e/ou aquela visitinha rápida nos blogs, sem tempo para um chá ou um cafezinho... sentar no sofá...

Tô perdoada?

Bisous, daquela Pandora que já não sabe mais se fala Merci, Thank you ou obrigada e anda misturando tudojuntoaomesmotempo criando um novo idioma: O Pandorês ... Quer aprender?

Comentários

  1. Tá perdoada das ausencias lá no meu cantinho... por aqui a correria é danada tb...faz parte...

    bjs

    ResponderExcluir
  2. hahaha o pandorês é óteeemo!

    Claro que está perdoada, a vida está corrida para todas nós, se não nos perdoarmos pela ausência, quem o fará???

    Fique tranquila, quando puder, dê um alozinho!!!

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. Super, hiper, mega perdoada... como seria um bom tempinho só p/ conversar, né? É meu sonho de consumo... mas a vida de mãe é isso ai!

    bjo

    Dani (mãe dos 8)

    ResponderExcluir
  4. Ju,
    Minha querida vizinha.... fique tranquila. A vida é corrida para todas nós. A gente se esforça um tanto para saber sobre as amigas. Quando puder e der você dá notícias.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  5. Perdoadíssima.

    Até porque, em um momento ou outro, a gente tem que dar conta da vida do fora dos pixels.

    Ah! só ontem (viu, sou atrasada!) vi teu vídeo lá no MMqD. Arrasou, hein? gatona.

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Fique tranquila, ta perdoada...
    como diz a Celi quando der você aparece...
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Claro que está! Só nao deixe de aparecer de vez em quando, tá?
    Ah, e conta mais: como é a aula de música que os meninos vao fazer? Estou querendo colocar a Sophia também em alguma atividade assim, mas ando meio sem saber o quê..

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. oi Pandora!
    estou te dando um selinho...vai lá no blog...beijocas...

    ResponderExcluir
  9. Juliana, tô seguindo teu bloguinho ja faz um tempinho mas minha vida ta anda tão corrida ultimamente que ainda não consegui passar aqui para comentar e dizer que estou seguindo! Vi teu comentario la no meu ANM e não consegui passar pra agradecer... Pois agora me voilà! Estamos no mesmo barco viu? e se quiseres podemos trocar figurinhas sobre o francês... estudei seis anos antes de vir pra ca e ja faz quatro anos que estou aqui em Paris... alors, n'hésites pas! gros bisous!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha