quinta-feira, 5 de abril de 2012

Série Co-autores!! Hoje a contribuição é da psicóloga Marcella Benoliel Zaninetti


Ju querida,
É com muito prazer e honra que participo desse projeto que você chamou de co-autores para dividir um pouquinho demim da minha experiência com o tema: Adoção!!
Sou psicóloga e trabalho em Lares (casas ou instituições que abrigam crianças) há 8 anos, divididos em estágios voluntários e trabalho profissional! Amo o que eu faço e trabalho nesse contexto por opção e por um sentimento que pega a todos ouquasetodos que entram nesse mundo: a impossibilidade de ficar longe desse lugar! Não me imagino não podendo ser útil e aplicando o que sei para auxiliar essas pequenas crianças que estão passando por um dos períodos mais marcantes de suas vidas. Ao mesmo tempo que auxilio elas nesse momento de INCERTEZAS, elas me ensinam muito à respeito da vida e o valor das pequenas coisas, mal sabem elas quantas CERTEZAS elas me oferecem por estarem dividindo comigo suas histórias. É impossível não deixar de ser tocada por cada uma delas, com suas únicas e tristes experiências de vida que quase sempre terminam em finais muito felizes!!
O primeiro contato que tive com adoção foi dentro de minha própria família...tenho um primo que é adotado! Esse tema sempre foi conversado conosco e com ele principalmente, por isso adoção para mim sempre foi algo natural!
O segundo momento que a adoção surgiu em minha vida foi quando eu pedia incessantemente a minha mãe um irmãozinho(a), sou filha única e sempre quis ter irmãos, porém minha mãe não quis mais filhos, dentre suas inúmeras respostas me explicando o porquê de não ser possível ela gerar um bebê (na realidade ela não queria mais bebês), eu vim com a saída:
- Então por que você e o pai não adotam uma criança?
Mesmo assim, minhas investidas não resultaram no tão esperado irmãozinho(a)!!
Passados alguns anos, ingressei no curso de Psicologia e fui estagiar voluntariamente em dois Lares da cidade onde moro! Me apaixonei a primeira vista!!
Em um Lar desenvolvia junto com minhas amigas um grupo de estimulação para bebês, pois lá se encontravam aproximadamente 40 pequenos de 0 a 4 aninhos!!
E no outro fazia atendimento individual e em grupo com crianças de 2 a 8 anos de idade!!
Nesses 8 anos de contato com muitas, mas muitas histórias, vejo que ainda não fiquei imune às problemáticas que fazem parte da vida dessas crianças e nunca ficarei. Muitas dessas histórias possuem características bem parecidas, outras são bem particulares!!
O que vemos hoje é que as crianças que estão abrigadas não foram ABANDONADAS!! Elas foram RETIRADAS por ordem judicial de seus pais ou cuidadores por maus-tratos, negligência e violências físicas, psicológicas e algumas vezes sexuais!! Ou seja, elas estavam correndo risco de vida!!
A maioria (95% aproximadamente) desses pais são usuários de drogas!! Isso já explica muito os fatores que citei acima que viabilizaram o abrigamento!!
Contei tudo isso só para situar os leitores de onde essas crianças vem!! E a partir disso entender um pouquinho seu sofrimento!!
E aproveitando o seu conto sobre adoção de irmãos e o meu desejo infantil de experimentar essa relação vou contar para vocês um pouquinho do que a eu vejo desse laço no período de abrigamento!
Apesar das crianças estarem em contato com inúmeras outras dentro do Lar, os laços fraternos são algo realmente muito lindo e poderoso! Esse laço dentro do Lar parece que se fortalece ainda mais, enfim é a única relação verdadeira e longínqua que essa criança tem nesse momento, pois as cuidadoras são passageiras, as funcionárias e voluntárias do Lar são relações passageiras, apesar deles não verbalizarem isso, eles expressam que sentem isso, mas o irmão de sangue, ahhhh...esse é pra sempre e ai de quem mexe com ele!!
Vemos essa relação se intensificar a cada fase de desenvolvimento desses pequenos, vejo irmãos mais velhos cuidando de seus irmãos mais novos como pais e mães cuidam de seus filhos, em momentos de instabilidade emocional vejo como se fecham em seu “círculo fraterno” e ignoram o que vem de fora, de forma a se protegerem e ganharem confiança e auto-estima para vencer os obstáculos que o mundo está lhe impondo....como é linda essa relação!
Por isso sou muito a favor da adoção de irmãos...como você mesma Jú disse em um dos seus contos...a adoção de irmãos torna-se mais fácil para ambas as partes!! Isso acontece, pois pais e filhos têm em quem se apoiar nos momentos mais difíceis de adaptação, cada um com seu vínculo mais seguro e reconfortante: pai com a mãe, irmão com irmão! Estão no mesmo patamar, passando pelas mesmas dificuldades!!
Agora essa dica é para pais e mães que acabaram de adotar dois irmãozinhos, não se sintam rejeitados quando eles se fecharem em seu “círculo fraterno”, pois são esses momentos que fortalecem seus pequenos para que eles retornem com mais energia e disponibilidade para construção da relação com vocês. Até que um dia chegará o momento em que eles adotarão vocês como pais e não vão mais se sentir ameaçados e inseguros com o amor que vocês têm para dar a eles.
É! AMOR também assusta aqueles que não vivenciaram esse sentimento de forma plena e não sabem aonde esse sentimento leva, PACIÊNCIA e PEQUENAS CONQUISTAS essas duas palavras devem servir de lema para os pais adotivos, permeadas por muito AMOR e COMPREENSÃO!!
E viva os irmãos!! Termino esse conto enaltecendo a relação fraterna!! Mesmo não tendo vivenciado em minha própria pele o amor de irmão, vivencio com muito gosto essa relação ao meu redor e volto a dizer: adote irmãos!!!
Outro dia escreverei mais sobre minhas impressões e compartilharei uma história ou algumas das muitas histórias sobre esses temas!! Espero que tenham gostado!!
Beijos
Marcella.

A Marcella mora lá em Curitiba e eu a conheci pessoalmente em Oslo, na Noruega, quando ela também morava lá. Além de uma profissional super comprometida e sensível, ela é dotada de talentos manuais maravilhosos e hoje além da psicologia, ela também dedica seu tempo a alguns trabalhos manuais lindos e de muito bom gosto!! Vale a pena conferir a delicadeza aqui, no blog dela.

Obrigada Marcella!!!

E hoje, o site materno Mamatraca, divulgou gentilmente a busca por novos Co-autores!! Obrigada meninas pelo apoio!! Siga lá no facebook também...

A Juliana, que escreve o blog 
www.contosdeumamaepandora.blogspot.com, criou uma série chamada Co-Autores, para que outras pessoas que vivenciam a adoção ou que possuem alguma história ou contribuição sobre o tema, possam compartilhar sua experiência com outros leitores que apreciam o tema de alguma forma. Quem tiver interesse em contribuir é só fazer uma visita ao blog dela!
O e-mail para contato é: contosdeumamaepandora@yahoo.com

3 comentários:

  1. Querida Marcella, muito obrigada pela contribuição e por todo o carinho!! Esperamos vocês mais vezes por aqui!! Beijão, Ju

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto. Tenho um irmão adotado que AMO de paixão tanto quanto amo minha irmã de sangue!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, sempre que venho aqui dou uma choradinha de leve....rs. É que tenho uma irma gêmea, a qual falo todos os dias por telefone, várias vezes por dia, apesar de morarmos em cidades diferentes. Minha outra irmã tbém é muito querida e não me imagino vivendo sem elas :)

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!