Pular para o conteúdo principal

Vamos falar de birras

Dias atrás, passeando com os meninos pela borda do lago, me deparei com uma cena inusitada: um pai vestido em um belo terno e a filha passeando também, como os meus meninos, de patinete. De repente, quando o pai ameaça ir embora, a menina se joga no chão e começa a "tal da birra". O pai, talvez cansado, permaneceu olhando pra ela e tentou repreender aquele comportamento e nada...

De repente, o pai simplesmente deitou no chão ( de TER-NO, Oi Burnout, a gente vê por aqui)) e começou a fazer como a filha, se jogou no chão e "birrou" total. Gente!! Até eu comecei a rir da cena!! A menina olhou para o pai e logo levantou. Envergonhada, ficou olhando para os lados para ver se outras pessoas viam a atitude dele. Ela cruzou os bracinhos e continuou com um beicinho tímido que ainda denotava um resquício da birra... mas parou o escândalo que estava fazendo.

Quando o pai percebeu que ela havia parado, ele simplesmente sentou no chão (de TER-NO) e conversou com ela sobre sua atitude e logo após a conversa, ele se levantou e os dois foram embora sem mais problemas. Bem, sem problemas que nada, e o terno? Desfiou foi todo...

E eu sei bem o que significa esta palavra: BIRRA

"Jobim" é leonino, brabo que só ele, mas se você consegue ganhar este coração... pronto: vira logo a barriguinha pra coçar. É manhoso, carinhoso, ai, ai, um amor que só. Mãsssssss, seus momentos de fúria são gloriosos e quando existiam as birras então, uiiii, o bicho pegava. (veja bem... existiam, uffa!!!)

Bem no começo, Jobim tinha um hábito estranho. Com quase três anos, se não gostasse da comida, pimba!! Lá ia um prato para o alto e comida também, claro! Se frustrado, gritava, ou melhor, berrava muito alto, mas muito alto mesmo e seu choro era daqueles fortes, estrondosos.

Eu me lembro de várias birras, tanto em casa, como nas ruas. Elas eram homéricas e causavam em mim uma espécie de sentimento que digamos assim... não eram nada bons de sentir.

Um dia, durante um passeio, ele começou a chorar muito pois ele queria ficar perto de uma área reservada a alguns artistas de rua e nós precisávamos nos retirar. Apesar de explicarmos o motivo, aquilo não era claro pra ele e a birra então, começou.

O primeiro passo foi ignorar. Continuamos andando calmamente (eu, meus pais e "Tom") e ao ver que ele não nos acompanhava, paramos. Ele continuava enlouquecidamente a gritar. Então, passou um senhor, daqueles bem broncos e soltou um: "Xiiiiiiiiiiiiiiiii" bem alto à ele. Nossa, eu não sabia se ria ou se chorava. E nada... Ele não parava com a gritaria.

E assim fomos, durante alguns meses ainda, na tentativa de ignorar e parar com aquele comportamento.
Então, uma pessoa da família, muito querida, pediatra, que estava conosco na Noruega por uns dias, viu algumas dessas cenas e nos deu uma dica preciosa: Assim que a birra começar, sentá-lo em um canto pra acalmar o coração, por apenas três minutos, ou melhor, um minuto por idade e retirar logo que parar, ou seja, mostrar que o esforço dele valerá a pena.

Claro que no início ele levantava, me batia, não queria ficar e berrava ainda mais, e toda vez que o fazia, eu o colocava novamente. Um dia, ao deixá-lo para acalmar o coração, ele chorava de um jeito tão cruel, que eu mesma achei que estavam fazendo algo com ele e esta pessoa me segurou e me acalmou, pois na verdade eu mesma o queria tirar de lá. Eita fase difícil esta, heim?

Voilà,

Assim o fizemos por um bom tempo. E quando ele parava de chorar, nós o retirávamos e dávamos os parabéns pelo feito. Incrível gente, mas funcionou e muito!! Ele era terrível de brabo e quem o conhece hoje jamais imagina uma cena destas e também acontece com que viu o começo e vê agora. Ficam pasmos.

Mas, como a maioria das mães... aqui vai um segredinho inconfessável: (Não conte a ninguém, hã?)

Um dia, na casa de uma amiga, ele deu tabefe no amiguinho e eu, claro, além das desculpas, o coloquei para acalmar o coração lá no quarto onde brincavam mesmo. Mas... conversa vai e conversa vem com outras mamães, a mãe aqui esqueceu de liberá-lo para a farra novamente e... ele ficou uns quinze minutos lá, esperando, acalmando o coração... ôoo dó... mas depois, eu pedi desculpas pra ele pela falha nossa e ficou tudo bem, afinal, mãe também erra, né? 

Ou não???


Vamos acalmar o coração... mamãe? 
Foto retirada da Web 


Comentários

  1. Aqui eu faço isso tb ju... E hoje em dia qdo a lena ameaça fazer birra, eu só pergunto " quer ir chorar no seu quarto" ou se estamos na rua em algum canto q vejo na hora... E ela para na hora.... Há vezes em q ela diz q sim e vai pro quarto, grita , chora e depois volta e fala:" já chorei mamãe...." kkk
    Mas no inicio foi difícil tb... Meu coração doía nesses 2 minutos ...
    Bjs!!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Juliana, aqui a fase das birras está a pleno vapor. Vou tentar essa dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Eu chamo de "um momento para pensar" eu fazia isso com as crianças de dois a três anos na creche, um minuto por idade.

    Você coloca no canto sentado e explica que ele está ali para pensar e acalmar o coração, alguém pode entender como castigo, mas não é, a ideia não é castigar é mais parar o caos da birra mesmo, acalmar o coração.

    Funciona muito bem, aos pouco a ficha deles vai caindo esses pequenos são incrivelmente inteligentes!

    ResponderExcluir
  4. Ju,
    menina parece que você fez este post pra mim.... juro!!!
    a Valentina é exatamente assim igualzinho seu filho, alias o "antigo"filho... rsrs
    Eu vi seu post chamei Ivan (meu marido) e ficamos lendo.. bom, vou tentar isso e vou querer acreditar que vai funcionar com a gente. Hoje mesmo saímos com a Valentina, caramba que canseira, o stress é tanto que voltamos cansados... e me diga com quantos anos se passou isso? valentina esta com 3 anos e 9 meses, praticamente 4... eu fico acreditando que com 4 anos ela vai melhorar... doce ilusão não??
    beijosss
    PS.: adorei este post... rsrs, pois vi uma luz no fim do tunel...

    ResponderExcluir
  5. Ana, eu sep bel o que é issu. Um dia, ao sair do parquinho do Ikea, ele fez tanta birra que as pessoas olhavam assustadas, achando que tinha algo a mais...
    Mas passou e acredito que foi com 3,5 anos, mas na verdade o que ajudou foi a dica e levou meses para realmente dar resultado.
    Persista!! Um beijão, Ju

    ResponderExcluir
  6. Ju adorei esse post. É tão bom conhecer a história de outras pessoas, pensar que tudo isso não acontece somente conosco rs
    E essa história do pai deitar de terno... morri de rir e fiquei imaginando a cena. Ele literalmente se colocou como uma criança para mostrar de "igual para igual" a atitude da filha.
    Sabe que essas birras também aconteceram por aqui. Passaram!!!! Pelo menos com o Felipe (mais velho), lógico que acontecerão outras cenas com o Thomas e depois com o Lucas.
    Mas sabe que essa situação de colocar para acalmar o coração, para pensar é uma ótima estratégia. Quando Felipe está num agito só ou quando está brigando, disputando algo com o Thomas, logo separamos eles e pedimos para o Felipe ir para o quarto um pouco. Isso acalma mesmo, passa e ele volta tranqüilo e bem calmo para conversar numa boa, como se nada tivesse acontecido.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Jú, isso realmente resolve!! Mas como vc disse a mãe e o pai tem que ser persistentes!! Senão a criança logo percebe que esse tempo de acalmar o coração não é sério!!
    Ótimo post...super orientador para todas as mães do mundo!!
    Bjs a vc!!

    ResponderExcluir
  8. Meu filho só tem 18 meses e já faz a maior birra. E, apesar da pouca idade, experimentei o cantinho do pensamento, o qual, ele ignorou num primeiro momento, mas, agora respeita e sabe que fz algo errado. Quando terminam os "infinitos" 60 segundos, eu o abraço, digo que o amo e que espero não vê-lo fazendo o "errado" de novo. Tem funcionado..

    ResponderExcluir
  9. é, Ju, é tão difícil saber o que fazer nessa hora... imagino que seja punk - e olha que a Laura está começando... me dá arrepios na coluna só de imaginar as birras em lugares públicos... mas vamos que vamos, é excelente saber das experiências das mães com filhos mais "velhos" do que a laura, assim, já vamos aprendendo por tabela, né?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. É mas não é fácil né amiga !!!
    Bj. Frô.

    ResponderExcluir
  11. Háháháháhá, que dozinha do Lucas esquecido... O Brunão está começando a fase das birras e não está fácil, eu também uso a tática de ficar sentado para se acalmar, mas muitas vezes quem aproveita esse tempo para se acalmar sou eu!! Tem que ter muita paciência e amor não é D.Pandora? Como vc diz, vivendo e aprendendo... Bjos :*

    Obs.: obrigada por tirar as letrinhas dos comentários, eu nunca deixei de ler os seus contos mas não conseguia comentar, mas agora estou de volta nos coments!!

    ResponderExcluir
  12. Ju, aqui a gente chama de "Time out" mesmo!!! Sempre fiz (e ainda faco) com Lucas e Julia. Devo ter comecado qdo eles eram bebes, com 1 aninho de idade. E sempre funcionou pra mim. E eh isso mesmo: 1 minuto pra cada idade da crianca. Nunca tive problemas com birra dos meus 2 de se jogarem no chao, se rebaterem ... nada! Sempre fui muito de conversa, conversa, conversa... Ou mehor, paciencia, paciencia , paciencia. Sou contra bater. Aqui em casa nao usamos esse tipo de "disciplina". E, sempre, sempre deu muito certo pra nos!!! Bjo grande e parabens mais uma vez ao delicioso post de se ler!! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos , renasce, literalmente.  Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013 , é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho.   P a r a b é n s L a r a !!  Voilà, o conto: Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM:  Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras... Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, mu

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe