Pular para o conteúdo principal

Não fale de boca cheia!!

Sabe aquelas horas quando você vê seu filho fazendo algo e logo pergunta: "Mas onde foi que ele aprendeu estas coisas?" E é claro que muitas vezes esta pergunta surge de uma surpresa inusitada, que te enche de orgulho.

Ontem vi uma cena na escola deles que me senti assim... Ao encontrá-lo no pátio ele me disse que a professora estava me chamando e quando chegamos na sala de aula, lá estava ela, sentada, escrevendo em sua mesa em um canto da sala.

Foi então que ele deu três batidinhas na porta, entrou em um passo lento e com as mãos juntas em frente ao corpo, soltou (em francês, ok?):

_ Professora, com lincença? Minha mãe já está aqui.

Confesso que fiquei surpresa com tamanha educação, que claro, apesar de tentarmos, jamais o vi fazendo isto assim. E de onde surgiu isto minha gente?

A resposta não é difícil.

A educação nas escolas suíças é algo que me impressionou desde os primeiros dias. Claro que não podemos generalizar, mesmo porque minha experiência neste país e minhas impressões são baseadas apenas nesta escola em questão, a escola de "Tom" e na Garderie onde "Jobim" exerce a língua francesa e aprende a viver socialmente com outras crianças. Então, cumprimentar a professora com um aperto de mão e olhando nos olhos dela é algo corriqueiro por aqui e muitos me perguntam: "Mas as crianças gostam da escola? São felizes, apesar das regras?" E eu digo pelos meus filhos: São e muito.

Me enchi de orgulho ao ver meu filho, um menino de seis anos me mostrando que a educação vale a pena e que precisamos nos atentar mais a estes aspectos que infelizmente tem se perdido em muitas famílias.

E então, hoje eu quero compartilhar com vocês um  dos vários livros de uma pessoa que tive a felicidade em conhecer, a autora Suzana Doblinski e que se tornou uma amiga muito querida:



O livro possui uma linguagem simples, onde o texto conversa com a criança, o que torna o entendimento mais claro para nossos rebentos.

E para as mamães e papais que querem saber mais sobre etiqueta pessoal e empresarial, a Suzana também têm um site muito interessante sobre vários assuntos relacionados à etiqueta, o Doblinski Institute e também uma fan page no facebook.

Vale a pena passar lá e dar uma olhadinha nas dicas, vamos lá?

Bisous, "Mãe Pandora Recomenda"


Comentários

  1. Fiquei imaginando a cena...muito fofo, né?
    Parabéns!!!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. oi flor!!!
    adorei a dica do livro...
    que graça né ver seu filho crescendo com boa educação, isso é TUDO!!!
    é bom reconhecer que eles estão crescendo e se tornando pessoas educadas e acima de tudo com valores.
    beijão

    ResponderExcluir
  3. Tenho esse livro!! é otimo!!!! Bjkssss

    ResponderExcluir
  4. Imaginei a cena!!!
    O Gabriel mata a mamãe de tanto ORGULHO!! Muito fofo mesmo.
    Ótima dica de livro.
    Bjos em vcs!!!

    ResponderExcluir
  5. Nossa..que fofo....imaginei a cena....adorei a dica do libro......vou procurar....Bjus

    ResponderExcluir
  6. Que orgulho, Juliana! Não tem coisa mais linda que criança bem educada... ainda mais quando é filho da gente. E eu tenho pra mim que o que falta na sociedade aqui no Brasil e' essa educação, o por favor, o obrigada, o com licença. A vida fica tão mais gentil e as pessoas tão mais receptivas com esses pequenos gestos, não?

    ResponderExcluir
  7. Ju como eles nos surpreendem... Tão bom! Com certeza tem um tanto da educação, mas um tanto da conduta que vocês pais apresentam na relação com os filhos. Parabéns!
    E morra de orgulho, mesmo... Ainda mais hoje em dia!!!
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha