Pular para o conteúdo principal

BC- Mães Internacionais: Laços de família

Hoje o tema da Blogagem Coletiva do "Mães Internacionais" é sobre como mantemos nossos vínculos com os amigos e familiares no Brasil ou até mesmo, em outros países.
No meu caso, desde que nos casamos, nunca moramos perto de nossos familiares, devido aos locais de nossos trabalhos.
Há oito anos, vivo a saga de ter morado em:

  • Rio Claro, interior de São Paulo;
  • Blumenau, Santa Catarina;
  • Oslo, Noruega
  • E agora, no Cantão de Vaud, Suíça.
Mas hoje a ideia é focar somente no último, ou seja, na nossa vida atual com os filhos em uma terra linda aqui no centro da Europa.
Então, te convido para uma leitura lúdica. Que tal entrar comigo no mundo dos "Jetsons", o desenho animado preferido de minha infância, e que dentro da minha fantasia há muitos anos, faria parte de um futuro muiiiito distante.
Vem comigo?

 As Fotos
Adoramos fotos!! Então, além de muitos porta-retratos, temos um grande painel com fotos da família e além disso, deixamos a disposição de todos e ao alcance das mãos, alguns álbuns, onde podemos sempre rever momentos preciosos vividos aqui ou em qualquer outro lugar com pessoas queridas.




                                                "Skype, Santo Skype"


O Skype na minha opinião é um grande aliado, mas muitas vezes um vilão da saudade, mas sem dúvida nenhuma, nos ajuda muito e não consigo imaginar a vida longe da família sem este recurso.
O que acontece muitas vezes, é que quando vemos algumas cenas das quais sentimos muita saudades, isto acaba deixando a saudade ainda mais apertada. Alguns exemplos:

  • Quando estou conversando com minha mãe e minha irmã e de repente adentra na sala aquela bandeja com xícaras de café saindo fumacinha... Eu piro. 
  • Quando meus filhos vêem os primos na sala da casa da vovó e do vovô, ambiente comum de muitas brincadeiras quando estamos no Brasil. Conclusão: O mais novo sempre fica um pouco triste e pede várias vezes pra ir pra lá.
  • Quando vejo os bebês nascendo, crescendo, sem que eu possa toca-los....
Mas, também adoro ouvir as vozes, ver o cotidiano acontecer ali, ao vivo e poder ao mesmo tempo, mostrar nossa vida aqui, sem photoshop. Devido a diverença de horários, na maioria das vezes conversamos no momento do jantar e entre garfadas e colheradas, conversamos como se estivéssemos todos em um só ambiente. E isso, não tem preço. 
Merci Skype!! 

            
Rede Social, Álbuns compartilhados, etc


Este é um recurso que adoro!! 
Morando em outro país, é muito bom poder ver, receber e compartilhar um momento especial com alguém querido. 
Sempre envio vídeos feitos pelo celular de brincadeiras no parque, gostosas gargalhadas e outros momentos com os avós, tios e amigos. 
Penso que isso nos aproxima em tempo real e as pessoas que estão nos nossos corações, mas que moram longe, podem participar daquele momento que não volta mais. 
Faço sempre e adoro receber estas lembranças também. 


O BLOG

O blog sem dúvida é muito importante quando falamos em compartilhar momentos, pois como em todas as famílias, nem sempre somos e vivemos 100% do nosso tempo felizes e bem resolvidos com nossos conflitos internos e inter-pessoais. Neste sentido, o blog assume o papel de ser um momento em que encontro as amigas para uma conversa de quintal embaixo do pé de jabuticaba, ou naquele café com pão de queijo, e outras vezes aquele ombro e aquele abraço que todas as pessoas "normais" carecem. 
O blog também, como o Skype, tem seu lado santo e seu lado vilão. O lado santo é perceber que a família e amigos que acompanham sempre trocam uma ideia e as conversas estão sempre atuais, ou seja, morando longe e nos vendo pouco, quando nos encontramos não preciso mais ficar repetindo as mesmas histórias sempre e isso é muito bom. O lado vilão, é que como "exponho" muitas coisas que acontecem, muitos sentimentos, isso nem sempre é totalmente compreendido da forma real como gostaria de transmiti-los. 

Agora, se tem uma coisa que me cobro muito e o sinto também, é a convivência, o cheiro, o afago das pessoas que amamos e principalmente, o fato de "privar" meus filhos da convivência daqueles que considero os verdadeiros "anjos", os avós. Eu verdadeiramente sinto muito por isso, pois as mais gostosas lembranças de minha infância, ali estavam meus avós, pertinho de mim. Este ano, passaremos o Natal aqui, devido a curta pausa que a escola dá em suas atividades para as comemorações de fim de ano e quem vem celebrar conosco?? Quem?? Os avós paternos!! 
E isso é bom demais!!!

As Cartas
Após ler o livro de Clarice Lispector, "Correspondências", confesso que fiquei com aquela invejinha de uma época tão charmosa, onde as pessoas ainda ficavam na expectativa em abrir as caixas de correios e/ou a espera do carteiro. 
Como hoje em dia o endereço eletrônico existe (que bom!!!) e facilita muito a nossa vida, eu não preciso recorrer a isto, "mãsssssss", assim que Gabriel e Lucas conseguirem escrever suas próprias cartinhas, farei questão de proporcionar esta experiência a eles. E começaremos em breve, com desenhos e algumas palavras que enviaremos aos primos do Brasil, esperando claro, ansiosos pelo retorno, na caixa de correio daqui. 

E assim vamos mantendo os laços, os vínculos, com pessoas tão queridas e que moram milhas e milhas distante... E como bem disse uma amiga querida (palavras dela):  "Esta divisao diária atormenta a vida da gente ... de um lado é conhecer o novo e do outro é sentir falta do conhecido ..." 



Comentários

  1. Ai Ju!!!
    Voce me fez chorar muito...ainda mais na parte em que fala sobre observarmos o cotidiano de nossos familiares acontecendo ali, no skype. Fico com o coracao apertado ao ver por exemplo minha irma beijando minha mae, meu pai brincando com os cachorros, o sofa com as almofadas que conheco e ja apertei...ai ai...quanta nostalgia! Nossa...e ver Nina passar seus primeiros meses magicos longe deles, me mata por dentro :o(

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ju também compartilho da mesma opinião que você. Ainda bem que hoje em dia temos essa facilidade de entrar em contato com as pessoas queridas. Mas juro que também sinto saudades daquele tempo de correspondências através de cartas e mais cartas. Ohhh época boa.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  4. Mas olha....eu sou das antigas mesmo! Adoooro ate hoje escrever cartas para meus familiares e amigos...mando cartao de aniversario e ate florzinha seca perfumada nos meus envelopes que cruzam o oceano! Acho super legal manter alguns habitos antigos!

    ResponderExcluir
  5. Ju, imagino que seja muito difícil viver longe da família. Acredito,ainda, que sem esses artifícios, seria mais complicado e dolorido do que já o é.

    A vida é assim mesmo, uns seguem juntos, colados e grudados enquanto outros se "desgarram" por uma vida melhor, mais crescimento, mais oportunidade, conhecimento... é assim mesmo. Se hoje eu tiver a oportunidade de morar fora, com certeza eu vou. Sem dúvida.

    Um grande beijO!

    ResponderExcluir
  6. Sempre um desafio, não Juliana? Eu sinto muito pelos meus pais e irmã que podem ter tão pouco contato com o meu pequeno.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  7. Familia faz falta sim e como faz! Bjas,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos , renasce, literalmente.  Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013 , é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho.   P a r a b é n s L a r a !!  Voilà, o conto: Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM:  Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras... Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, mu

Aniversário Solidário

"Você é a mudança que deseja ver no mundo"  Mahatma Gandhi  EMPATIA Segundo a definição que encontramos aqui ,   Empatia   significa a   capacidade psicológica  para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em   tentar compreender sentimentos e emoções , procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.  A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Assim surgiu a ideia de este ano, pela segunda vez nestes meus ... vinte e poucos quarenta e dois  anos, reunir várias amigas (mais de quarenta) que também moram aqui na Suíça para uma confraternização do meu aniversário (3 /3 anota ai), no Dia Internacional da Mulhe