Pular para o conteúdo principal

A neve já chegou por aqui...

O outono chegou há tão pouco tempo que juro que nem me dei conta que a neve chegaria assim, de supetão.
Eu e as crianças ainda estávamos esperando o famoso dia em que as folhas caem das árvores, pois presenciamos este evento todos os anos e é bem marcante. Pra quem nunca ouviu falar, dizem os moradores locais, os nativos, que há um dia do ano em que a ventania é deveras mais forte e que a mesma"varre" as folhas que ainda restam nos galhos das árvores. Geralmente, este evento marca a chegada do inverno e diz a lenda que a fábula da Cigarra e a Formiga nasceu justamente neste período.
Mas este ano além de ainda vermos muitas árvores com folhas verdes (muitas com folhas amarelas e vermelhas também), o frio não parecia estar por perto. Mas ele estava.

Hoje, ao acordar, nossa visão foi assim:

Foto tirada às 7h00, no Domingo, pois despertador de criança não tem botão "off" não... 
Daí, eu me lembrei que não havia tirado os brinquedos da varanda...

E o pior, que não havia trocado os pneus do carro, pois nesta época, precisamos colocar pneus específicos para a neve, com algumas ranhuras especiais e alguns inclusive possuem uns pregos, mas a explicação detalhada sobre a função de cada um, ficarei devendo. A única coisa que sei é que são muito importantes, pois já tive a péssima experiência em ver meu carro sair deslizando de ladinho ao realizar uma rotatória.
Para matar a curiosidade, aqui vão algumas imagens que encontrei na web:


Então, sem o marido, com as crianças em casa e com uma hora a mais (hoje mudamos o horário aqui), o jeito foi elaborar um monte de brincadeiras, tirar as roupas de neve, botas e afins e organizar toda a logística que o inverno demanda e claro, comer uns "trocinhos" apetitosos.
Hummm. que tal um pão de queijo meninos?

Oba!!!!
E vou aproveitar e dar uma dica boa (que não é nova), de mãe mineira e prática acima de tudo. Mas óh, já vou avisando que adoro um "frufru", um capricho, mas não sou fresca não. A praticidade e a pressa é minha irmã e melhor amiga, então, voilà!!

Pão de Queijo "Mãe Pandora" 



1- Faça sua receita preferida;
2- Com os filhos, coloque a mão na massa e façam uma "cobra" bem grande;
3- Com a "cobra" esticada, peça para cortarem pedacinhos como fazemos com o Nhoque caseiro. As crianças adoram fazer isto, principalmente pois podem manusear a faca... (com segurança).
4-Leve ao forno aos 180º, daquele jeitinho mesmo, mas se preferir um charme, pegue aqueles "nhoques" e enrole as bolinhas. Tudo depende da fome que nos espera e do tempo que temos...



5- O resultado fica assim: Pão de Queijo parecendo pipoca e fácil para as crianças comerem.  
Com este frio lá fora, NEVE e fome, nada melhor que uma pausa para um café, um chá bem quentinho... e pão de queijo sempre vai bem!!

Espero que tenham gostado,

Bisous, Pandora na cozinha




Comentários

  1. Menina, confesso que aguardo ansiosa pelo dia que vamos acordar e ver tudo branquinho por aqui tb!
    Vi no noticiário que esse será o pior inverno dos últimos trinta anos. Aqui já zerou, ontem teve aquela chuva de neve, mas neve mesmo acho que só lá por dezembro.

    Beijocas

    PS:Esses pães de queijo me deixaram com água na boca. =)

    ResponderExcluir
  2. Viagei no teu post. Amey. Delicia neve <3 bjossss

    ResponderExcluir
  3. Viagei no teu post. Amey. Delicia neve <3 bjossss

    ResponderExcluir
  4. Ah p/ criancas eh magico ver neve la fora ne? Bom esse ano nao verei, aqui em Malta nao tem neve, apesar de gostar so nos primeiros 3 dias...hahaha
    Mas entraram no 'inverno' super bem, com neve e regados a pao de queijo! ;)
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Nossa que bonito. Um e estes quitutes??? Obrigada pelas dicas viu vou procurar por aqui!!!! Cris

    ResponderExcluir
  6. olá. passadinha rapida para desejar uma semana de paz!!! tem posts novos la no blog....bjnhs



    http://nossosfilhosefilhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Linda a imagem, mas imagino que a logística pra todo funcionar na neve é muito diferente!!

    E gostei da dica!!

    Beijão

    ResponderExcluir
  8. Eu quero! Eu quero! Ai que deliciaaaaa! ;) bj

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha