Pular para o conteúdo principal

Glamour de uma quase "nerd" no salão!!

Albert Einstein sempre me encantou. Já visitei diversas vezes a casa onde viveu (hoje, um museu em Bern, Suíça), já li sua biografia e recentemente li "Como vejo o mundo", uma obra que aborda questões humanas, como o sentido da vida, a liberdade, a moral, a religião. É um livro pequeno (200 páginas) que li enquanto fazia luzes no cabelo.

Aliás, difícil me encontrar aqui neste quesito viu, "gentem". Dois anos se passaram e continuo tentando encontrar aquele(a) que retomará as rédeas de minha "lourisse" aqui por estas terras.

No salão, sentei, descrevi como queria meu cabelo, peguei o livro que citei acima e esqueci da vida. Como estava em um período difícil com a perda de meu primo/irmão, mergulhei realmente na leitura e só acordei, quando ela me pediu para levantar e ir até o lavatório.

Enxagua daqui, enxagua dali, ela me perguntou se queria creme ($) e eu respondi que sim.
Escuta bem o barulhinho da Caixa Registradora Plim! $, escutou? Então segue a equação:
Shampoo? Sim $
Creme? Sim $
Massagem no couro cabeludo? Ohhh, sim!! Eu mereço!! $$$
Vai cortar? Sim $
Escovar? Não, obrigada!!!

Ok, eu merecia aquele glamour no salão. Queria ter feito as mãos, os pés, a sobrancelha, depilação... mas, por aqui e no meu bolso, ou uma coisa, ou outra, né,"cumade".

Ah, só pra constar, o preço da manicure aqui são R$110,00. Tá bom pra você colega? Vai encarar?

Mas, para fechar o assunto "gramour no salão", estava eu terminando meu livro após três horas sentada e sofrendo (afinal, alguém estava puxando vagarosamente meu cabelo), ela tirou a toalha.

Pânico!! 

Busquei rapidamente uma resposta lá dentro do ser e ... lá estava ela:

:-/
Meu cabelo molhado lembrava o couro de uma girafa. Tipo assim: amarelo, laranja, amarelo, laranja, amarelo, laranja...

Imaginei logo a cena da mulher que sai na capa do jornal por atacar a cabeleireira a livradas, mas me mantive serena. Afinal, brigar em francês não é chique não. O pior foi o cabelo seco.

Sem exageros, ficou mais ou menos assim:

Oi?! Vou querer louro gema, tá? Capricha!! Gema caipira!!

E a expressão de "Tom" (6a) ao me ver:
_"Mamãe, adorei seu cabelo amarelo!"

Buáaaaaa!!!!!

Mas, no fim, foi bom! 

Precisava tirar meu foco da tristeza e sacudir a poeira. O problema do cabelo já foi resolvido e agora, após a tinta que eu mesma apliquei em casa, ele ficou melhor, menos cor de gema, mais cor de "burro quando foge". 
E pra provar que loiras também pensam, parto para o segundo livro do ano!! O Ponto de Mutação, de Fritjof Capra. Começarei hoje.

Quem leu? Opiniões? Sugestões??


E a vida continua... ainda bem!!

Bisous,

Pandora que tem a alma que ainda chora, mas que prefere o bom humor, a alegria.

Cante comigo!!"Tristeza, por favor vá embora! Minha alma que chora..."

Comentários

  1. Ohhh minha amiga espero que esteja melhor! Agora, fala sério... foi no salão para relaxar, para dar um up na energia, no astral e acaba voltando para casa p da vida! Imagino como tenha acontecido isso, pois aqui também é assim... Como que pode essas pessoas não saberem, conseguirem aproximar a cor que desejamos. Sabe que uma vez fiz luzes aqui e também sai parecendo a Xuxa (naquela época que era bem loira...hahahaha)
    Dessa vez fiz no Brasil e simplesmente AMEI! Queria voltar sempre para lá só para retocar ou trazer o meu querido Cris para cá. Mas foi bom... pense que acabou de ler um livro, que voltou para casa com uma nova tarefa...rs rs rs Além, é claro, que divertiu seus filhos!
    Um grande beijo e dê notícias. Espero em breve conversar com vc!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Celi!! Fiquei imaginando vocIe de Xuxa, rsrs. Também queria voltar no Brasil para os retoques, já pensou? Um beijão querida!

      Excluir
    2. Ai Ju...
      Vc me mata de rir!
      Querida, imagino a cena. O bom é que tem estoria pra contar, ne?!
      Se O Gabriel gostou, esta otimo. Criança nao mente nem disfarça. Vc deve ter ficado otima de cabelos amarelos...rsrsr
      Querida, feliz ano novo atrasado.
      Espero ficar mais presente este ano.
      Bjks mil

      Excluir
    3. Oi Claudia, que bom te ver por aqui! Um beijo e obrigada, pra vocês também!!

      Excluir
  2. Lembra daquele programa do Castelo Ra-Tim-Bum "Senta que la vêm a Historia", é a sua cara Ju. Adoro ler seus contos recheados de humor e fico feliz em saber que dia-a-dia você esta voltando.
    Sempre falava para os meus filhos quando eles estavam aprendendo a andar, "levanta pra cair de novo" e a vida é assim cheia de tropeços que nos faz cair mas faz a gente se levantar mais fortalecidas e com mais vontade de seguir em frente.
    Gros bisous,
    Dani

    ResponderExcluir
  3. hahahahah... isso já aconteceu aqui tb viu? saí do salão arrasada... mas sabe que depois até gostei do loirão! bjcas

    ResponderExcluir
  4. Ai Ju!!!! Que situação!!! Fico feliz em "vê-la" bem... fica com Deus!

    Dani 8

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha