Pular para o conteúdo principal

Quando os dentes caem...

Embalando tudinho, tudinho. 


No meio às caixas (estamos nos mudando de apartamento), tirei um tempinho para registrar este momento tão especial.  

Hoje...


Hoje estou plena. 

Hoje, acordamos assim:

_"Mamãe, mamãe, meu dente está mole!!"


Eu e o maridão tropeçamos em tudo. Cobertores, almofadas, enfim, em tudo o que havia e pensamos: 

"É... Nosso filho está crescendo". 

"Tom"está  prestes a perder o primeiro dente e a sensação que esta notícia nos dá, vai muito além do ato. 

Foram algumas fases que eles viveram e nós não vimos, principalmente de "Tom", quando nos tornamos pais deste garoto tão vivido. Dizer que perdemos, me soa triste, estranho. Prefiro dizer que assim como encontramos nossos companheiros (maridos e esposas) que viveram tantas histórias antes de nosso encontro, assim é a vida de pais adotivos. Nos encontramos e respeitamos as vivências passadas. Sem mais. 

E troca dos dentes? 

Na minha opinião, marca uma fase, uma passagem, que eu me orgulho muito em estar presente. 

"Que bom filho, viver esta emoção com você!!".

Ver a felicidade deste menino ao nos contar, o abraço orgulhoso que nos deu... não existem palavras para descrever a emoção que estou sentindo neste momento. "Genten", eu nunca vi meus filhos dando os primeiros passos, dá pra perdoar esta emoção desenfreada? 

Felicidade demais!! Obrigada VIDA, por esta oportunidade em viver isto com pessoas tão especiais!! 

E assim que o dente cair, eu posto a foto do banguela... Prometo!!

Bisous, 
Pandora que derrete...


Comentários

  1. Se eu me derreti lendo, por que vc não tem esse direito? tem sim, e muito. Esse momento e muitos outros que virão, é todo de vocês. Merecem.

    Beijos


    Mônica

    ResponderExcluir
  2. Transbordei... ñ peça perdão... viva intensamente teu momento mãe! E deixe uma moedinha de Fr. 5.- para ele contar aos amiginhos que a fadinha veio visitar a família na noite do mesmo dia em que o demte caiu! Vai ser lindo os olhinhos do Gabriel brilhando e seguramente será um grande dia na escola!

    ResponderExcluir
  3. Que emoção Ju! Realmente um momento encantador, marcante para toda a família. Imagino como tenha ficado diante desse acontecimento. O seu filho está crescendo Ju, tantos desafios pela frente! Por isso, assim como já conversamos, vamos curtir até o último segundo todos os dias.
    Quer dizer que está de mudança, que legal! Vocês estavam querendo, né? Lembro disso!
    Boa sorte amiga!
    Um grande beijo para vc e um beijo especial com sabor de surpresa de fada para o Gabriel por mais esse marco na vida dele.

    ResponderExcluir
  4. Voltei pra falar que a moedinha da fadinha vai em baixo do travesseiro! Sorry!!!

    ResponderExcluir
  5. Ah, Ju, que delícia.... que momento lindo... que bacana que vc explica a quem lê exatamente o que se passa na sua cabeça (pq seria fácil presumir que vc está extasiada por este momento ser lindo e tal, mas é bacana que vc abre o coração e explica que não esteve presente antes, que não viu isso ou aquilo... e que cair os dentes é ainda mais importante para vcs). Achei fantástico o teu texto, além de lindo e poético, muito sensível.

    Sim, curta todo esse momento, faça todos os rituais, entre de cabeça nessa fase, pq vcs têm todo o direito de sonhar com eles!

    Beijos grandes e parabéns pelo mocinho!!! Daqui a pouco terão um meninão em casa, hein?! =)

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  6. Ju, te garanto uma coisa: não existe diferença entra os sentimentos de uma mãe adotiva de uma mãe biológica... passar de fase é muito estranho p/ mim... eu sempre vivo intensamente TODAS as fases.
    Eu já tenho mocinhas em casa, entende??? Pensa numa mãe que chorou horrores diante da filha que acaba de entrar na puberdade?!?!?!? Eu fiz isso e até hj eu dou risada e choro qdo lembro desse dia...
    É... ser mãe é igual rapadura... é doce! mas não é mole!
    Bjo
    Dani dos 8

    ResponderExcluir
  7. ai Ju, que emoção ver os meninos crescerem!
    Essa vai ser só a primeira das transformações que vocês vão vivenciar juntos como família!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Ju, assistimos um filme lindo aqui com a Lena chamado rise the gardians e nele conta que a fada dos dentes guarda os dentes pois eles contem a memoria da infancia das crianacs... achei lindo aquilo....
    eles vao crescendo mesmo... e rapido ate demais.. mas a memoria de cada momento vai ficando guardada...
    bjs e saudades!!!
    dani

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha