domingo, 20 de janeiro de 2013

Série co-autores, conte sua história no blog! Hoje, a conquista do parto natural e quem nos conta é a Karime.

Hoje a série co-autores do Contos, renasce, literalmente. 

Além de trazer um lindo relato de parto, dia 20 de janeiro de 2013, é o dia em que a personagem principal desta história real, a Lara, completa 1 aninho. 


Parabéns Lara!! 

Voilà, o conto:



Bom dia Mamães! Hoje, dia 20, minha filhota completa 1 ano :) E para comemorar e começar o dia com toda boa energia e em alto astral compartilho com vocês como foi o parto dela... FOI ASSIM: 

Pessoas queridas do meu coração, estou aqui, menos de dois anos depois do relato do nascimento do Luca para escrever sobre o parto da Lara! Uma experiência tão marcante e intensa que é preciso respirar fundo várias vezes para tentar traduzir tamanha emoção em palavras...


Como sabem, sonhava vivenciar o parto natural e por se tratar de uma tentativa depois de uma recente cesariana tudo já era naturalmente diferente... opiniões daqui, estatísticas dali, pesquisas de lá, ‘achismos’ acolá ... e o meu desejo acima de tudo! Sorte, muita sorte estar em um país (Canadá) que o normal é o parto normal! Ou seja, o sistema estava (e esteve!) a meu favor.


Mas ainda durante a gestação, lá pela trigésima semana, verificamos em uma ecografia que nossa menina não estava sentada (como o irmão) e nem encaixada! Estava transversa, ou seja, deitadinha, na única posição que impossibilita qualquer tentativa na hora H de ter um parto normal. Foi aquele suspense, e agora?! Bom, agora vou tentar de tudo para ajudar ela virar, falei para o Gu (marido) que me apoiou prontamente em todas as estratégias: acupuntura, sessões de quiropraxia, homeopatia...E? Virou! Foi aquela festa! Comemoramos muito mesmo, inclusive a mandala que pintei na barriga foi para celebrar. Agora minhas chances de ter um parto normal estavam bem mais próximas.


Era só esperar o grande dia...


A data prevista para o parto era 15 de janeiro, quando completei 40 semanas, mas como o Luca nasceu de 37 quase 38 ficou aquela expectativa... mas a Lara soube esperar! Esperou o Luca ficar bom de uma infecção no ouvido que fez com que ele tomasse o primeiro antibiótico da vida e que me fez ‘esquecer de parir’ pois tinha que cuidar do meu filho! Soube esperar a família se recuperar de um resfriado coletivo que quase me derrubou e realmente no estado em que fiquei não teria condições... soube esperar a vovó chegar do Brasil e foi perfeito! Ela me ouviu direitinho. Falava com ela na barriga: espera a mamãe ficar boa... e ainda: eu quero que você nasça durante a semana e durante o dia! (pois assim o Luca estaria na escolinha e minha mãe e o Gustavo poderiam estar comigo...)


E foi assim!


A meia-noite do dia 19 para o dia 20 começaram as contrações! De dez em dez minutos. Perto das duas da manhã liguei para a Doula que se chama Isabelle e que já estava contratada para me acompanhar durante todo o trabalho de parto. Ela me disse para telefonar novamente quando estivesse de 5 em 5 minutos, liguei novamente antes das seis da manhã e ela veio aqui pra casa, nisso eu já estava usando a bola de pilates para aliviar a dor, minha mãe já estava massageando a região lombar em cada contração, fazendo tudo que sabia e podia. As sete da manhã o Gustavo saiu para levar o Luca na escolinha (ele nunca tinha ido tão cedo! Praticamente abriu a escola..) quando o Gu voltou pra casa eu disse que queria ir para o hospital, estava com medo de andar de carro e não ter posição para ficar durante as contrações, parecia que estava prevendo... aqui começa ‘cena de filme’ o Gu depois me contou que quando ainda estávamos na esquina de casa eu já perguntei se estávamos chegando ao hospital...tinha entrado para a ‘partolândia’, perdido a noção...Gustavo dirigindo, minha mãe na frente com ele e eu a doula no banco de trás que era para ela ter como ao menos tentar massagear a lombar...vixi! Cada contração eu gritava e o Gu ali dirigindo, resumindo: o trajeto que demora normalmente 15 minutos levou 50! Gu teve que desviar o caminho, pegou um pedacinho de rua na contramão, entrou em uma ruela com muita neve, o carro chacoalhava e eu berrava!


Chegamos ao hospital. Ufa! Logo na entrada, na recepção uma contração, me apoio no balcão e me inclino pra frente, nessa hora já não via nada e nem ninguém a minha volta, alguém oferece uma cadeira de rodas mas eu não podia nem pensar em sentar... ando até o elevador, e ali o que? Mais uma contração! Me abaixo e sinto que as pessoas que estavam ali meio que congelam e ‘pararam de respirar’... um silêncio absoluto... sim! eu estou parindo (pensei)...


Enfim, entro na sala de parto, nove e pouco da manhã, o médico verifica e eu estou com 7cm de dilatação, escolho tomar um banho de banheira, foi uma horinha no paraíso! Na água as contrações são mais suaves e a hidromassagem me fez relaxar e tomar fôlego. Ao sair as contrações já estavam super hiper próximas, logo cheguei a 8,5 de dilatação e aí..... gritava, berrava, gemia, urrava...foi o momento onde senti realmente as dores do parto! Por segundos tive medo de não conseguir. Pedi socorro para o Gustavo, perguntava pra ele em alto e bom tom: mas o que que é isso??? E ele me olhava com aquela expressão de: não sei e nem nunca vou saber! E segurava minha mão. A Doula me dava água fresca para bebericar, colocava toalhas úmidas na minha testa para me refrescar e minha mãe rezava (isso ela me contou depois, não estava ajoelhada ali no meio da sala não...)! Apesar de parecer uma eternidade não deve ter durado mais do que 20 minutos...logo, logo e 10cm! Agora sim chegou o grande momento.


Eu deitada na cama e duas enfermeiras do meu lado direito, duas médicas na minha frente e o Gu, a Doula e minha mãe (filmando tudo) do meu lado esquerdo.


Pedi para ser a primeira a tocar na minha filha e quando ela já estava bem encaixadinha, ‘coroando’ a médica falou que eu poderia sentir a cabeça dela ali, foi um momento muito emocionante, ao encosta-la, ainda totalmente dentro de mim, os batimentos cardíacos dela aumentaram (ela estava sendo monitorada, por ser um parto normal depois de uma cesárea alguns cuidados são necessários) e a médica me disse: o coração acelerou, ela sabe que é a mamãe! Aquilo me deu um desejo tão intenso de segurá-la em meus braços que me concentrei ao máximo para que ela nascesse! O parto natural é com certeza um movimento em sincronia, nós duas ali no mesmo ritmo, mãe e filha, com a mesma intenção: a vida, o nascimento, o ar!


As 12h00 em ponto, do dia 20.01.2012 a Lara respirou! Eu senti o ‘circulo de fogo’ a médica auxiliou a saída da cabecinha e me falou: venha ‘buscá-la’! Choro de lembrar. Nunca vou esquecer, registrei em cada célula do meu corpo essa passagem... Eu estava realizando um dos maiores sonhos da minha vida! Segurei embaixo dos braços da minha filha e a tirei de dentro de mim. Meu Deus! Que emoção! Que sentimento indescritível, que sensação maravilhosa, vale e valeu tudo...


Minha filha, minha filhinha, eu consegui!!! Bem-vinda Lara!


Nasceu linda, doce, serena e consciente.


Com 3.455 kg e 50.5 cm. Sem medicamentos, sem anestesia, sem interferência. Parto natural! Viva!


Gustavo cortou o cordão umbilical e depois nós dois fizemos o pele a pele com ela, primeiro ela ficou deitada no meu peito e depois foi a vez do papai ficar enrolado com a filha em toalhas quentes, a vida nos nossos braços. Que benção.


O apoio que recebi do Gustavo, da minha mãe, da doula e de toda a equipe do hospital foi fundamental. Uma atmosfera de respeito absoluto. Estive segura, amparada e totalmente consciente de tudo, senti as contrações, controlei as respirações e fiquei no comando total do meu corpo, realmente conduzindo, como eu queria, o nascimento da minha filha.



Amo essa foto! Quando o Luca conheceu a Lara. O olhar dele diz tudo...

No fim do dia o Gu trouxe o Luca para conhecer a irmã, foi paixão a primeira vista! Desde então é muito carinhoso com ela, sempre me pede para segurá-la, da beijinhos e mais beijinhos de esquimó e mesmo ainda aprendendo a falar faz uma voz diferente para brincar com ela. Olhar os dois assim é um presente.


Quando Lara completou um mês já mamava super bem e dessa vez o aleitamento foi desde o início um sucesso, Graças a Deus.


Minha mãe ficou conosco durante um tempo e foi maravilhoso! Me ajudou muitíssimo.


A vida segue com a nova rotina de cuidar de dois nenéns...dois tamanhos de fralda diferentes, quando percebemos estamos cada um em um canto trocando a fralda de um deles ao mesmo tempo...continuamos fazendo tudo da forma que acreditamos ser a melhor para nossa família. A cama é compartilhada, só com a Lara! Luca desde que eu cheguei do hospital com ela passou a dormir em um futon no quarto dele (os dois berços da casa continuam sendo usado pelos bichinhos de pelúcia). Luca parou de mamar durante minha gravidez – meu leite secou, agora amamento a Lara também em livre demanda e nem lembro que existem mamadeiras e chupetas... O banho é no chuveiro e logo no balde, carrego no sling...preferimos assim. Acredito cada vez mais que não existe o certo ou o errado, nem a fórmula perfeita e muito menos a mágica... o que existe realmente é o amor incondicional dos pais, por aqui seguimos unidos e em paz, escutando o coração e a intuição.


Beijo nossos pra vocês!



A diferença entre eles é de 1 ano e 8 meses, na foto o Luca está dormindo e a Lara mamando...
Karime, Lara aos 6 meses, Luca e Gustavo

É uma honra ter co-autores como a Karime no blog. 
Obrigada Karime, por transbordar emoção, força de vontade e amor em suas palavras. 
Um beijo grande em toda família ou melhor, 
Bisous, principalmente para a Lara, pelo seu primeiro ano de vida!!

Valeuuuuu!!!
Pandora, que crê na vida e em pessoas que acreditam nela. 

5 comentários:

  1. Karime,

    lindo seu relato....
    confesso que fiquei com lagrimas nos olhos!
    minha filha tambem nasceu de cesarea por estar transversa, mas ao contrario de vc, depois de tentar de tudo ela nao virou...
    nao tenho grandes magoas qto a isso pois sei que tudo o que foi feito foi consciente, ainda mais ela tendo nascido na Suica... mas se um dia puder ter outro filho vou tentar o parto normal...
    obrigada por compartilhar conosco esse seu momento tao especial e mostrar que eh possivel depois de uma cesarea viver algo assim intenso e valioso...
    bjs no coracao..
    Danielle

    ResponderExcluir
  2. Lindo, lindo, lindo... Parabéns Karime pela coragem, e à Lara pelo aniversário :D Muita sorte ter consguido seu VBAC em um lugar que te respeita ;) bjo.

    ResponderExcluir
  3. Lindo e emocionante!
    Monica

    ResponderExcluir
  4. Ju,
    Parabéns por escolher essa convidada para a série co-autores. Karime parabéns pela família linda que você tem...
    Adorei o relato do parto e a frase que marcou realmente foi essa:
    "O parto natural é com certeza um movimento em sincronia, nós duas ali no mesmo ritmo, mãe e filha, com a mesma intenção: a vida, o nascimento, o ar!"
    Linda, linda frase! Também acho que define esse momento tão especial. Também tive uma cesariana e depois dois partos normais. Uma diferença gritante, uma emoção muito diferente!!!!! Vale, vale muito a pena toda a dor, todo o momento de grande expectativa.
    Um grande beijo para vocês duas (Karime e Ju) e toda felicidade do mundo para as famílias.

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Karime, adorei o modo como voce relata tudo. Muito lindo e emocionante!
    Que família maravilhosa! Desejo muitas bençãos para voces.
    Beijos
    Seloí Luiza Rech

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!