quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

É o ponto de vista da mãe - história em quadrinhos da vida real

Eu estou sumida do blog por vários motivos. Entre eles estão:

  • Mudança de apartamento;
  • Necessidade incontrolável em colocar TUDO em ordem sem ajuda extra :-(
  • Vida que não para não... A rotina continuou idêntica;
  • E muitas novidades que tenho que contar por partes. A falta de tempo me limita um pouco, mas voilà:  

Uma delas foi, ou melhor, está sendo, é a semana de aulas de esqui das crianças. Uma atividade obrigatória interessante em países como este, onde a neve é uma realidade por alguns meses. 

Mas o que poderia ser uma oportunidade incrível para a mamãe ter um tempo só pra ela durante três horas diárias (aqui na Suíça isso é raridade), virou uma tortura. Mas "pera lá", estamos falando de Mãe Pandora, né? Glória Peres, isso aqui dá uma novela heim, amiga?! 

Sim, eu sou obrigada a admitir!

Sou super preocupada quando as crias estão longe do alcance das minhas mãos e preciso melhorar este ponto. Mas estou tentando e um grande passo esta semana vem acontecendo quando deixo os dois no ponto de trem todos os dias e volto pra casa me sentindo sem sapatos. Sabe aquela sensação em que você fica apalpando o casaco, procurando a chave? Fico meio indecifrável nos cinco primeiros minutos, mas depois vai passando, vou gostando da sensação e páh! Corro pra cozinha pra preparar aquele lanche gostoso para quando voltarem... doente ela, não? Sou dessas...

Mas no primeiro dia, não teve jeito. O pânico tomou conta do meu ser e eu não resisti. Subi a montanha no trem, junto com eles. Imagine só a cena: Crianças a partir de três anos SOZINHAS sentadas nos bancos dos trens, sem mães, babás (acho que suíço nem sabe o que é isso), apenas com os monitores (No Trem, eram DOIS). 

_"E quantas crianças tem hoje?" Pergunta a mãe crica (EU) à monitora.

_"Sessenta madame". Respondeu a professora. 

Sessenta??? Foi o que fiz, me sentei, passei o zíper na boquinha e fiquei indignada, chocada, atordoada... muitos adjetivos para esta cabecinha. Glória Peres!!! Veja bem!!

Mas, chega de bobagem e vamos ao que interessa. 

Hoje tem uma história em quadrinhos real, aos olhos da mãe lesada:


"Mãe, que mico. Só você está aqui." Pensam...


"Hrumph!! Estas crianças tão perto do trem... Óh céus, formem filas em outro lugar minha gente!!" Divaga esta mãe neurótica...

Os alunos começam a confabular o primeiro plano:
" Primeiro a gente amarra sua mãe no banco e depois empurramos as professoras morro gelado abaixo." 

Lá em cima, a criançada começa a entender o território. Mas o primeiro plano não deu certo. A mãe doida aqui não está amarrada e ainda tira muitas fotos. 

"Irmão, isso é um esqui, tá?" Explica o irmão mais velho.
"Haaaaa, tá!!" Errrrr, e você achou que era o quê, heim"? Responde o irmão mais novo.  

"O que é que eu estou fazendo aqui? Queria uma piscina, muito sol e água de coco agora"...

A mãe começa a sentir esperança e ver luz no fim do túnel.
"Ahhh, a professora é legal. Cuidadosa, meiga, amiga e até ajoelha para falar com eles"...
A mãe se sente segura em deixar os filhos e descer a montanha de trem sozinha e parar de "pagar mico". 

"Me segura, me segura. Isto escorrega muiiiittooo".

"Uouuouuou, eu vou cair"!!!

"Até que é legal né, irmão? E a gente nem vai precisar empurrar ninguém ladeira gelada abaixo. Eles são todos do bem"!! 

É, mas ainda faltam dois dias, hoje e amanhã, portanto, cenas de um próximo capítulo, ok? 

Bisous, 
Pandora que aprende vagarosamente a deixar os filhos crescerem. 

6 comentários:

  1. hahahahaha Ju, só vc....
    Como assim, mãe neurótica? Eu faria o mesmo, tenho certeza! Na primeira vez, com certeza. Nas demais, confiaria.... Mas é difícil, imagino que seja!!!!

    Conta depois como tudo correu!

    Adorei a historinha dos dois!!! =)

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Dani, mães brasileiras são mais cuidadosas, fato!! Bj

      Excluir
  2. Rs rs rs paguei e pago mico! Mas já presenciei negligências dignas de noticiário na TV tipo as profas subirem primeiro no trem e as crianças da 1. Classe subirem sozinhas com as duas desatentas já embarcadas na locomotiva, e olhe q fui a única a acompanhar a plataforma, outro dia voltou um chorando debraço quebrado e foi diagnosticado "saudades da mãe"... Tala e 6 semanas de fisioterapia foram os resultados e como manda a cartilha, calar é melhor pra reputação que estardalhaço! Ditas palavras no meu sofá pela mãe Suíça do amiginho da mia cria! E se a mãe foi estrangeira é q a criança tá lascada e carimbada! Oro e só confio na fé quando eles vão... Em março 7 dias de montanha geleda! Ai Jesus!!!

    ResponderExcluir
  3. Crianças com três anos de idade? Sessenta ao todo? Será que entendi bem???? rs rs rs
    Amiga faria o mesmo que você! Juro mesmo!
    Mas que oportunidade maravilha! Eles tem mesmo que aproveitar! Essa mãe pandora tem mesmo que apoiar!
    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  4. Aqui eu já disse que skate só depois dos 21 anos, com capacete e joelheira, claro!

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!