Pular para o conteúdo principal

Comunicação Não Violenta, conhece?

Eu ando meio sumida desta vida on-line, né? E olha que não é por falta de vontade de escrever não. Deste mal não sofro, escrever me re-organisa muito.

Mas do lado de cá tem acontecido um movimento muito interessante com pessoas que como eu, acompanham seus maridos por este mundão afora e que, por diversos motivos, não conseguem exercer sua formação universitária ou continuar suas carreiras profissionais. Na região de Vevey (Vaud) na Suíça, um grupo de brasileiras foi criado com atividades semanais, palestras e cursos, onde cada um(a) pode compartilhar seus conhecimentos e suas especialidades umas com as outras. Ou seja, aquilo que eu faço de melhor, agora eu tenho a oportunidade de compartilhar para um grupo de pessoas que desejam acima de tudo, renovar suas ideias e quebrar alguns paradigmas. Tudo remunerado, onde um pequeno investimento de cada uma, promove um entusiasmo incrível.

Desde que o grupo foi criado, tenho experimentado diversos mundos diferentes... artesanato, decoração, finanças... uma iniciativa muito bacana criada pela fisioterapeuta Luciana Regina Cerri e que vem agregando e unindo diversos interesses.

Um curso que tem me orientado muito e que conheci em uma destas reuniões foi o CNV, Comunicação Não Violenta. O nome não é muito convidativo, né? E sempre que falo para as pessoas sobre ele vejo as caras e bocas de reprovação. Compreendo, eu mesma relutei muito para conhecer melhor o que era esta sigla e confesso que superou minhas expectativas. Fui para conhecer e acabei me encantando com o que encontrei.  O famoso telhado de vidro... Plaft!!

Um exemplo simples de atuação na CNV, foi como este exemplo que aconteceu aqui em casa. Eu havia assistido a primeira palestra e dentro da situação que relatarei abaixo, consegui aplicar o conceito de Comunicação Não Violenta, olhem só:

Jobim, 9a,  chega em casa e reclama do bullying que vem sofrendo na escola, por conta dos gols que não conseguiu segurar como goleiro no time de futebol da escola.  Falou que as outras crianças ficavam falando o tempo todo a mesma coisa, reclamando que ele era um péssimo goleiro.

Antes da minha reflexão sobre CNV eu poderia reagir e dizer a ele que os colegas "são todos uns bobos", diria "não liga", "você é um ótimo goleiro" ... enfim, tentaria amenizar a todo custo o sofrimento dele culpabilizando os outros. Sem perceber fazemos muito isso no nosso dia-a-dia. Mas como estava em uma outra "vibe", olhei de uma outra forma:

Perguntei: "Como você se sentiu quando eles falavam isso sobre voce?"
Ele respondeu: "Triste"
Eu disse: Agora se coloque no lugar deles, como você se sentiria?"
"Triste"
"Então filho, eles estão apenas colocando os sentimentos de frustração pelos gols que receberam pra fora, na verdade não é nada com você, ou contra você. Eles estão frustrados pela perda do jogo...
E também pense o seguinte, se todos os goleiros do mundo pegassem todas as bolas, o futebol acabaria."
Ele ficou feliz em ver por este lado, concordou, mudou de assunto e seguiu em frente.

Pronto, simples assim.

Ôoooo delicia de sensação é aquela onde você se sente a mãe da propaganda de margarina, onde tudo é lindo e perfeito. Mas brincadeira à parte, a sensação de conseguir se manter neutra nos dilemas dos filhos ou nas inúmeras mediações de conflitos que temos que fazer TODOS os DIAS é muito bom! Quem nunca, né?

Mas vale a pena buscar saber mais sobre este curso aí na sua cidade, seu país. E ele serve para todos os tipos de relacionamentos interpessoais, como casamentos, empresas, filhos, amigos, família... afinal desenvolver o hábito de falar sobre sentimentos não é tão simples quanto parece, né? E os conflitos podem ser evitados dependendo do seu ponto de vista sobre eles. Continuarei o curso por aqui e o próximo módulo será sobre a "escuta". E você? Compartilhe aqui nos comentários se já conhece a CNV ou sobre o que achou sobre este assunto. Sua opinião é super importante por aqui.

Fica a dica!!

Abaixo, um resuminho simples e bacana que encontrei na rede:



Bisous!

Comentários

  1. Ju, seu blog é simplesmente uma delícia de ler! Todos os assuntos são importantes, mas a sua forma de escrever é leve! Muito bom!
    E ainda vc escreveu meu nome no seu post, que honra!
    Sobre a CNV, estudá-la foi para mim, umas das melhores experiência qie tive aqui na Suíça!!
    Grande beijo, Lu Cerri

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha