Pular para o conteúdo principal

Podemos e devemos evitar generalizações

Você tem irmãos? Um ou mais filho(s)?

Se os têm sabe do que estou falando, se não, observe a sua relação com seus irmãos e /ou a relação dos seus tios e compare com seus pais ou mesmo seus amigos que possuem irmãos...enfim...  ninguém é igual a ninguém... 

Com os filhos adotivos não é diferente.

Durante os vinte anos que trabalhei em escolas (😲veja bem... comecei aos dezesseis anos), muito se ouvia sobre as falas generalizadas em relação às crianças adotivas. Muitas destas falas vinham dos próprios pais e/ou professores. As crianças (coleguinhas de classe) dificilmente fazem qualquer tipo de diferença ou pré-julgamento, da parte delas, até hoje só vi curiosidades em relação ao tema.

Na minha graaaande família (aquela de primos de primeiro e segundo graus) temos outros casos de adoção, de uma criança (que hoje já é vovó 😁) outra que adotou três filhos, sendo uma menina e um casal de irmãos gêmeos, sendo que um deles cresceu e também adotou um bebê ) e aqui em casa, dois irmãos. Também tenho dois irmãos biólogicos, nascidos e criados pela mesma família e vários outros exemplos de irmãos por aí afora que sim, são diferentes entre si.

Aqui em casa não é diferente. Tom (11a) e Jobim (10a) são dois irmãos nascidos dos mesmos pais biológicos, nascidos também, juntos, do nosso coração (os dois foram adotados ao mesmo tempo) e são completamente diferentes. Por isso, generalizar uma condição pode levar a uma vertente preconceituosa e nociva nas relações humanas.

Cada pessoa age ou é daquela forma, devido a vários fatores, incluindo os biológicos, mas também devemos levar em consideração aqueles que são vivenciados e construídos ao longo da trajetória de cada um...

Ou seja, nada é estático. A vida é um eterno movimento e somos construídos (evoluimos) através de ciclos muito bem delineados pela própria natureza. Portanto, ao decidirmos adotar, precisamos ter em mente que haverá SIM muito trabalho, mas não somente pelo fato destes filhos serem adotivos, mas pelo fato de que FILHOS dão trabalho. E PONTO. É ou não é? (achei o ponto de interrogação no meu teclado, ehehe) 

Daí vem, claro, a história, as marcas, as cicatrizes emocionais que cada um carrega... isso não tem como negar ou fingir que não existe ou fazer a Poliana  ou então, se jogar na Síndrome "Feicebuquiana" dos últimos anos... Oi? Vida!!! Vida gente!!! Vida REAL.

Por aqui, por exemplo, aprendemos a cada dia, na criação, convivência e educação dos dois. Um desafio saber lidar e agir com gostos e personalidades tão diferentes e isso torna a "Arte" mais interessante... A Arte de saber respeitar cada individualidade, sem apelar para aquela "vibe" de libertinagem, onde eles podem fazer o que bem entendem... não. Eu me refiro a Arte de saber libertar, liberar com responsabilidade e saber que estas atitudes dos pais, são as que mais promovem habilidades importantes aos nossos filhos, para que se sintam mais seguros e mais responsáveis para enfrentarem as dificuldades que surgem o TEMPO TODO no universo infanto-juvenil. Quem já ouviu falar nesta listinha básica a seguir, levante a mão:


  • Insegurança ao ser deixado pelos pais na escola;
  • Medo das provas;
  • Ciúmes entre irmãos e coleguinhas;
  • Mentiras;
  • Bullying;
  • Dificuldades de Aprendizagem;
  • Entre muito outros...

Agora, ser pai e/ou mãe (ou os dois ao memo tempo), requer ou não requer sabedoria? Por isso, aqui a gente pratica o desabafo desenfreado cazamiga ,  a leitura de livros relacionados a estes temas sobre desenvolvimento e o universo dos filhos... e conversamos muito, pais e filhos, sempre em uma constante conversa sobre vários assuntos. Olho no olho mesmo (sem autoritarismo hã, se liga, isto é sério) e seguimos aprendendo o tempo todo com nossos erros e acertos, afinal, nem sempre acertamos.  No caso de filhos adotivos, percorremos o memo trajeto das diferentes fases do desenvolvimento infanto-juvenil, porém soma-se a tudo isso outros fatores que voltarei aqui para me aprofundar em temas mais específicos. Aguardem!!

Voltarei também com um próximo Post, onde vou colocar dicas de livros muito interessantes que valem a pena a leitura e investimento de tempo e dinheiro. Digo tempo, pois sempre ouvi muitas mamães e/ou papais dizerem que não conseguem tempo pra ler... pense, a gente encontra tempo nas salas de espera das atividades extras deles enquanto os esperamos, quando estamos no banheiro 😉,  antes de dormir... enfim, a leitura nos abre um leque de possibilidades, mas a melhor delas é saber que não estamos neste barco sozinhos.

Obrigada par visitar meu cantinho! Na próxima visita, pegue o "cafezin" e sente comigo na minha varanda, porque prosa aqui é o que não falta...


Imagem retirada da Web

 Bisous,


Comentários

  1. Que bom! Amei ver as fotos dos meninos!!lindos demais!!! Concordo com vc!! As pessoas tem muitos preconceitos mesmo!!!! bjkssssss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha