Pular para o conteúdo principal

Organizando uma festa em casa



Minha mãe me contou que existe uma lenda de família que diz que nossos antepassados gostavam tanto de festas que quebravam paredes pra receber pessoas em casa. Dai já viu esta coisa de genética, né? Você nem sabe por que faz, mas faz. E aqui só me falta mesmo é quebrar as paredes.

A.DO.RO uma festa! Amo planejar, pensar nos detalhes, no tema, criar possibilidades e acima de tudo, tentar receber os amigos em casa da melhor forma possível. Invejosos dirão que é falta do que fazer, rs. Muitas vezes me pergunto se faria isso se estivesse morando no Brasil, e a resposta é simples: para as crianças, com certeza!! Pra mim, acredito que não. Como moramos longe das famílias, muitos amigos representam este papel, claro que família é família, mas os amigos longe se tornam nosso principal apoio e ao mesmo tempo, estas reuniões ajudam aqueles que acabaram de chegar por estas terras geladas e precisam se apoiar também. É uma troca! Mas acreditem, no meu caso tá no sangue essa coisa de fazer mil coisas ao mesmo tempo. Sempre fui assim, me viro, me enrosco, acordo cedo, planejo, peço ajuda, canso, caio, levanto, mas não quero e não pretendo parar de retornar um carinho pra alguém, de fazer um mimo para os que estão ao meu redor e fazem a diferença na minha vida de alguma forma... eu gosto disso. Ah! O tema do meu aniversario foi "Olhar 43" pra associar a idade com uma época deliciosa de adolescência, RPM, Paralamas do Sucesso, Lulu Santos...)

*
*
*
Bom, pra começar vou explicar que por aqui o que falta é "gente que faz" e quando você encontra é caro, então, planejamento é essencial. Também quero explicar para maldosos de plantão e críticos da vida alheia virtual 😒 (e tem heim gente?!) , que a vida "nazoropa" é assim: A gente faz as próprias unhas (manicure e pedicure), não existem frentistas no posto (somos nós mesmos), lavamos (inclusive o carro), passamos (minha faxineira vem a cada quinze dias por quatro horas), cozinhamos, limpamos, concertamos, pintamos, fazemos e "acontecemos", tudo dentro do possível. Claro que existem pessoas que moram por aqui, como eu e conseguem sim pagar todos os itens acima, mas ai vai da escolha e prioridade de cada pessoa. Então, não é falta do que fazer não, é uma vontade enorme de retribuir à Vida, todas as gratas surpresas que vivo. E fexxxxtar pra mim é uma das formas de exercer minha gratidão!

Então, vamos lá!

Pra fazer uma festa, uma confraternização "chez toi", na sua casa ou em qualquer outro espaço, o importante é que tenha a sua marca, a sua personalidade, sua cara. Um convite impresso é fino, elegante, chique, porém mais caro. Então eu optei por um convite virtual que apesar de ter uma pagada mais informal, é mais contemporâneo, mais prático e claro, muito mais barato. Existem várias opções virtuais.


Tudo foi sendo pensado através do Pinterest, a rede social mais legal e inspiradora de todos os tempos. Acho de tudo ali, tudo mesmo. Então, comecei por uma "vibe" mais hippie chic e terminei na romântica e teve um motivo: os pratos e adereços da mesa. Fui garimpando em casa o que eu tinha e vasculhando o que as amigas podiam emprestar, assim, surgiu um tema mais romântico, pois as cores alcançadas levaram a essa escolha. Lembre-se: meu foco é sempre gastar pouco, produzir menos lixo e diminuir o consumo desnecessário. 

Garimpe sua casa! Coloque em uma mesa ou em um canto da casa para visualização e vá experimentando, brincando com os formatos e cores. Uma hora você coloca e voilà, é isso. E que horas fazer isso com essa vida louca e corrida? Bom, eu optei por fazer com semanas de antecedência, pois com as tarefas diárias em casa, filhos, trabalho, "maetorista", etc e tals, o tempo fica super curto e depois o que era pra ser prazeroso vira estresse. Mas se você organizar bem e tiver disposição e coragem, tudo flui super bem, é só acreditar e manter o foco. Por exemplo, com duas semanas de antecedência, em um playdate das crianças aqui em casa, aproveitei para dobrar os guardanapos com a mãe do coleguinha que estava aqui em casa. Outro dia de frio muito intenso por aqui, aproveitei que não tínhamos muitas opções pra fazer fora de casa e eu e as crianças pintamos umas bandejas de branco. Foi uma delícia e um momento de bricolagem e muito bate-papo com eles.
Garimpando os pratos e adereços para a composição da mesa. 
Pintamos as bandejas juntos 
Jobim (10a) decidiu deixar sua marca na pintura. 



Uma outra dica é colocar "post it" nos pratos, para organizar onde vai cada coisa. Não é exagero, facilita muito a visualização e orienta sempre as pessoas que querem ajudar. "Post it" em tudo!! Depois vc tira (ehehe).



Optei por poucas coisas descartáveis, mesmo os copos. Uma boa dica é escrever no copo o seu nome ou colocar uma etiqueta, pois em uma festa com muitas pessoas os marcadores por cores não são suficientes. Nomes nos copos, ativar.

Algumas coisas foram encomendadas como por exemplo os salgados fritos e o bolo principal (decorado), outras foram feitas por mim e muitas outras as amigas ajudaram. Isso alivia bastante o trabalho e dá a oportunidade de sabores e temperos diversos. Para ser justa e não sair com a fama toda pra si própria, confeccionei umas plaquinhas com o nome do prato e de quem o fez.

Ainda na fase da organização...

Bom, depois de muito preparar, pegar filhos, levar, buscar, arrumar, criar, confeccionar, cozinhar, pintar bandeja, fazer almoço, lavar, educar, trabalhar, beijar, abraçar, o resultado compensa. A alegria, o amor envolvidos, o resultado. Como é bom ver tudo pronto!
Agora, é ser feliz e depois arrumar toda a bagunça 😜

Bolo: Bollerie, Suíça




Comentários

  1. Eeeeeee delicia, não gosto de organizar festas (não tenho jeito para isso), mas AMO ir em festas, PRINCIPALMENTE as suas!!! Parabéns pelo seu trabalho e dedicação, estava impecável! Beijos da sua amiga Giovana

    ResponderExcluir
  2. Ju, linda sua festa e lindo seu Blog. Adorei ter participado e me sentir acolhida. Espero termos mil outros momentos para comemorar por aqui. Beijo enorme! Riana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem-vindo(a)! Sente aqui na varanda que eu vou passar o café!

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha