Pular para o conteúdo principal

Em que a quarentena (COVID-19) pode nos ajudar.

Há nove anos escrever no blog era tão diferente... a tecnologia era quaaaaase igual, mas diferente. Entende?
Mas dá uma nostalgia lembrar das crianças pequenas, brincando seguras no quarto, na sala, onde a massagem nos pés naquela época era pisar em Legos espalhados pelo chão. Ahhh, quando não era uma cabeça de Playmobil. Essa doía. Mas que lembrança boa é ter brinquedos espalhados pela casa. Eu viveria isso muitas outras vezes. 
Mas o cenário mudou e as idades também, inclusive a minha. Estamos em outro país, outra língua. Outros desafios. Outro momento. 
Muita coisa mudou, a começar pelo meu tempo. 
O tempo nos Estados Unidos é muito parecido com o Brasil, em São Paulo, por exemplo. Na Suíça eu achava que não tinha tempo (mesmo trabalhando apenas em casa), aqui, ainda estou aprendendo a lidar com ou a falta dele.  
Mas daí vem a quarentena de um vírus (COVID-19) e nos tranca em casa. Meu blog... meu blog... escutava eu esta voz ali de longe e cá estou ouvindo meu coração e colocando todas as palavras que a falta de tempo havia me tirado. Posso melhor dizer que entre notas enormes escritas no celular ou até mesmo rascunhos de cadernos aqui e acolá, a verdade é que as palavras sempre borbulham em mim esperando o momento certo para serem compartilhadas ou... apagadas, porque a vida é feita também de desabafos que um dia, acabam.  
E ainda bem que a santa internet não está de quarentena... é através dela que meu coração fica quase feliz, quase tranquilo pensando em nossos pais no Brasil, irmãos, sobrinhos... amigos. Amigos que já estão vivendo esta quarentena há meses na China. Outros na Suíça, Itália, Noruega... também é através dela que me peguei chorando com medo disso tudo. Algumas pessoas providas de tempo e que, fazem dele uma bomba, espalhando por ai mensagens e posts que geram pânico e medo, nehh.... Por isso, calma. 
CALMA ...

Tá ruim agora, mas vai passar. Eleve seu pensamento em coisas que te fazem bem EM CASA. Alguns profissionais infelizmente não tem a mesma opção, mas se todos nós fizermos nossa parte, respeitando a querentena, ajudaremos o mundo a se curar mais rapidamente, evitando que este vírus se espalhe. Não é exagero, é precaução. 

Converse com seu (sua) filho (a), na língua que ele entender (dependendo da idade vale até mímica ehehe), mas fale sobre tudo isso. É um momento novo para todos nós e nossos filhos sentem nosso medo, nossa preocupação. Converse. Brinque. Cozinhe. Escreva textos em grupos, duplas. Leia também em grupo, é uma delicia, cada um lê uma página. Use este tempo a seu favor. Reveja papeis, limpe o celular, coloque os pés pra cima. Baixe um app de exercícios em casa, tem vários. Eu há anos sou adepta do T25, adoro de verdade. Curta este momento que não será pra sempre. Um dia, apesar do caos, lembraremos com gratidão de tudo o que conseguimos rever e aprender (ou reaprender) com tudo isso.  

Vou compartilhar algumas coisas que estamos aprontando por aqui: 

Quarentena - Day 01
Aproveitamos para cozinhar juntos. Fizemos um bolo de fubá com amendoim que minha avó Didila fazia. Hummm, ficou muito bom, mas da minha avó era imbatível. Com café é tipo ... delirante. 




Também fizemos juntos um sanduiche de frango com maionese de beterraba. Delicioso!

Quarentena - Day 02 

Escrevemos em umas fichas os nomes de todos os jogos de tabuleiros e outros jogos que eles nem se  "lembravam" mais. No momento do tédio (aquele de toda hora ehehe), a gente tira uma ficha e eles escolhem uma das opções. Hoje escolheram quebra-cabeça de 1000 peças. Simmm, você leu direitinho, 1000 peças. 



E vamos seguir com fé e pensamentos elevados! 


   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filho é filho! Já dizia a sábia raposa...

Não foi à toa que voltei a escrever e antes de voltar no tempo e tentar resgatar as memórias destes quase quatro anos de pausa, vou compartilhando as novidades “fresquinhas”.  Dias atrás, “Tom”, 10a, chegou em casa com um livro da escola. Aliás, coisa que adoro por estas bandas dos alpes gelados é que a leitura diária é levada muito a sério. E eles tem que ler em voz alta para alguém, que neste caso, sou euzinha. Cada um na sua vez, diariamente e eu virei uma “ouvidora” de histórias. Então, “taveu” fazendo catando algum chinelo, lápis, coco da cachorra algo que não me lembro bem agora e lá vem Tom, pra fazer a leitura deste livro:    O livro era daqueles antigões, com a capa dura e um cheirinho peculiar de naftalina (Oi?). Mas era da biblioteca da escola e estava bem conservado e encapadinho. Ainda perguntei a ele: “ Quem escolheu este livro filho? ” e ele… “ eu mãe, achei a capa bonitinha” .  O livro não tinha propriamente uma capa com apelo interessante para a le

Lágrimas em letras

Filho do irmão da minha mãe com a irmã do meu pai. Como? Isso mesmo, éramos primo/irmãos. As mesmas avós e avôs, os mesmos tios, as mesmas histórias. Você?  Lindo. Lindo mesmo!!! Wow!! Sempre foi uma criança linda, um menino com um narizinho arrebitado e perfeito que sempre tirava sarro de um teatrinho de Natal que euzinha preparei e claro, te levei junto. Você ria e me lembrava destes micos que pagamos em nossas infâncias. Brincávamos no terreiro de café da casa do "vô"Júlio, tomávamos guaraná Cibel na casa da "vó" Nadéia e quando nos tornamos adolescentes, continuamos juntos. Tantas baladas! Você sempre alegre, carinhoso, arrasava corações e meus ex-namorados sempre sentiam ciúmes do meu primo. E como a gente dançava? Noooooossssaaa, como a gente dançava. Na festa do meu casamento, (que aliás, você deu a maior força para o maridão que está aqui), todos se lembram de como você me tirou pra dançar, mas como não podia roubar a cena do noivo, pegou minha mã

Minha relação com a amamentação.

Este post contém fragmentos de uma história que custei a colocar pra fora... Imagem da web Eu queria ter escrito este texto ainda adolescente, pois desde aquela época o tema amamentação surgiu na primeira terapia que procurei sozinha, na tentativa de tentar entender o incomodo que insistia em aparecer e eu não sabia de onde. Na época, me indicaram um então conceituado profissional e foi então que comecei a fazer parte de um grupo selecto de pessoas que leram o prospecto de um dos livros escritos por ele, antes de ser publicado: "Terapia pela roupa" , do psicólogo Mamede Alcântara. Meu nome está lá, nos agradecimentos :-), é só conferir. Durante um momento da terapia, surgiu no inconsciente um sentimento estranho. Eu sentia uma fome e uma dor muito grande, como uma agonia mesmo. Chorei, tive cólicas, me contorci. Neste momento, ele me pediu para chegar em casa e conversar com minha mãe e saber um pouco mais sobre meu nascimento, meu parto, enfim, meu passado. Minha